Fórum Internacional de Dança de BH aposta na dança libertária

A abertura do FID está marcada para este sábado, às 18h30, com Ave muxe, do mexicano Carlos Castilian, no Bairro das Indústrias

por Márcia Maria Cruz 24/11/2018 12:00
Acervo pessoal
O mexicano Carlos Castilian apresenta Ave muxe, no Centro Cultural Bairro das Indústrias (foto: Acervo pessoal)
Artistas do México, Argentina, Chile e Colômbia e Brasil se apresentam no Fórum Internacional de Dança (FID), que começa neste sábado (24), em Belo Horizonte, e se estende até 14 de dezembro. Espetáculos serão realizados no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), Teatro Marília, Palácio das Artes e Centro Cultural Bairro das Indústrias.

A abertura está marcada para hoje, às 18h30, com Ave muxe, do mexicano Carlos Castilian, no Bairro das Indústrias. Durante 22 dias, o público poderá assistir a espetáculos e participar de fóruns de debate e de lançamentos de livros. A curadoria é compartilhada pela artista e produtora cultural Adriana Banana, idealizadora do fórum; a coordenadora de comunicação do FID, Carolina Silas; e a artista e gestora cultural Cristiane Oliveira.

Foram convidados Carlos Castilian (México), Denise Fantini (Argentina), Flaviane Lopes (Brasil), Edson Beserra (Brasil), Johans Moreno (Colômbia), Leslie Apablaza Schimidt (Chile) e os bailarinos da Multidanças (Brasil): Gutielle Ribeiro, Márcia Neves, Robson Vieira e Rodrigo Peres.

A curadoria adotou como linha condutora desta edição a produção do conhecimento por países que não estão no chamado “centro”. “Fazemos dança a partir de modelo que a gente cria e escolhe. Não a partir de modelo e autorização externos”, explica Adriana Banana.

As curadoras defendem uma visão emancipada e libertadora da dança. “A pessoa não tem que fazer balé para ser autorizado a dançar outras coisas”, diz a curadora. Ela cita como exemplo Johas Moreno. “Ele trabalha a perspectiva humana e as relações a partir da sociedade onde cresceu e vive, onde come e troca o ar a partir de uma realidade chamada Medellín, Colômbia, América Latina. É muito bonito esse trabalho”, afirma.

Johas construiu sua criação a partir da vivência de idosos. “Ele conseguiu produzir um corpo, uma dramaturgia a respeito de vida, morte e envelhecimento. Seu pensamento não espelha a ideia de centro e periferia. Não tem aquele dualismo de que se você está velho, não presta mais para produzir. Se você está velho, mantém-se ativo, produzindo cultura e compartilhando”, observa Adriana.

O FID 2018 estimula relações de reciprocidade, colaboração, solidariedade e intercâmbio entre países iberoamericanos. Serão realizados os Fóruns de Reciprocidade. Na quinta (6/12), no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), o pesquisador colombiano Juan Pablo Ricauarte, que se destaca pela atuação multidisciplinar, falará sobre redes locais. Na sexta-feira (7/12), no Palácio das Artes, Lívia Guimarães, professora titular de filosofia da UFMG, debaterá com Adriana Banana o tema “Corpos particulares e dança como possibilidade de expansão”.

Na terça-feira (11/12), o bate-papo será com o colombiano Johans Moreno, da Al Paso Escénico, que falará sobre como a cultura popular e tradicional dialoga com a dança contemporânea.

LINHAS A primeira edição do FID foi realizada em 1996 com o propósito de abrir espaço para ações permanentes de reflexão sobre o corpo e o fazer artístico. Ao longo de duas décadas, surgiram várias linhas de atuação, como o Território Minas, para desenvolver a dança no estado; o Circulando Grande BH e Minas, que permite a grupos de dança e a outros programas do FID serem apresentados em centros culturais da capital; FIDoteca, acervo audiovisual sobre a dança; e o FIDeditorial, voltado para a publicação de catálogos e livros. Desde 2008, é realizada a versão destinada ao público infantojuvenil, o Fidinho.
O FID entende a dança como plataforma de integração, cooperação e internacionalização. O fórum articula a participação de grupos mineiros em festivais no exterior e a realização de turnês internacionais. Adriana cita como exemplo a turnê da Cia. Bia Rodrigues na Europa (Portugal e Áustria) e a viagem da Cia. de Dança do Palácio das Artes no Oriente (Jordânia, Líbano e Cisjordânia).

FID 2018

Sábado (24)
18h30 – Abertura. Fórum Reciprocidades: Manifesto Latinos sem Estômago. Ave muxe (México), com Carlos Castilian, da Compañias
El Club Minivenganzas y Menta Movement. De luces y sombras (Chile), com Leslie Apablaza. Centro de Cultura Bairro das Indústrias. Rua dos Industriários, 265, Bairro das Indústrias. Entrada franca. Informações: (31) 3246-0339. Confira a programação completa em www.fid.com.br

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE ARTES-E-LIVROS