Fabrício Carpinejar chega a BH com espetáculo 'Poesia de pai pra filho'

No recital cênico que promove o encontro de duas gerações, o poeta faz perguntas ao pai, Carlos Nejar, que só pode responder em forma de poemas

por Cecília Emiliana 07/11/2018 08:20
RODRIGO RESENDE COUTINHO/DIVULGAÇÃO
(foto: RODRIGO RESENDE COUTINHO/DIVULGAÇÃO)


Um “interrogatório amoroso” é como o poeta Fabrício Carpinejar, de 46 anos, define Poesia de pai pra filho – O encontro de duas gerações, que ele protagonizará ao lado de seu pai, o escritor gaúcho Carlos Nejar, em única apresentação, gratuita, nesta quarta-feira (7), no Sesc Palladium. Fabrício faz as perguntas, e o pai só pode respondê-las com poemas. A performance marca os 60 anos de carreira literária de Carlos Nejar, e os 20 de seu primogênito.

“Estaremos no palco eu e o pai, interpretando nós mesmos. Despidos de nossos preconceitos e de qualquer vergonha para tentar construir uma intimidade que acaba encontrando eco no público. O papel dos poemas é nos ajudar a comunicar a solidão de cada um. Imbuído de uma curiosidade infantil que é só amor, faço para ele as perguntas que deixei de fazer ao longo da vida, pois estava preocupado demais em cobrar a presença do pai que gostaria de ter. A gente faz isso o tempo todo. Com isso, nos esquecemos de conhecer os pais que temos. Quem são eles? Será que tiveram um cachorro na infância? Sofriam quando ficavam de castigo? Com o que sonhavam? Esse pode ser um caminho para revelar pessoas bem mais legais do que aquelas que idealizamos”, diz Carpinejar.

Carlos Nejar acredita que o recital alcança ancestralidade maior, que ultrapassa a família com suas questões domésticas. “Traz um lado muito mais alto, o da condição humana. Aquilo que nós geramos, incluindo a literatura, tem paternidade em nós, pois nos ensina, nos guia. É algo maior em nós que nos descobre. Há uma parte de nós que não escreve, é escrita. Não há poeta verdadeiro sem esse sinal, o sinal de descoberta de uma identidade que não é só individual, mas compartilhada”, afirma.

Pai e filho concordam em que a montagem tem efeitos terapêuticos capazes de economizar alguns bons anos de análise. Inclusive, ambos mencionam que o público se beneficia desse aspecto psicológico, pois o roteiro é um convite para que criadores e criaturas se vejam com olhares mais generosos.

BLINDAGEM “Não existe nada mais bonito do que o amor desobrigado. Da adolescência em diante, a gente passa a fugir dos pais, desenvolve uma espécie de blindagem ao amor deles. Qualquer conselho é censura, a gente não deixa o pai e a mãe terminarem de falar, você deixa de dizer eu te amo. Depois ficamos querendo compensar toda a lacuna criada por esse comportamento com passeios e presentes. Mas a gente precisa, mesmo, é de reeducar os ouvidos, querer saber o que eles estão falando. A gente tem preconceito com os mais velhos por causa da nossa impaciência. A lentidão dos pais não é incompetência, é sabedoria para saborear a vida como se deve”, diz Fabrício.

O escritor garante que Freud nunca foi “chamado” à sua relação com o pai para sanar questões relacionadas à competitividade ou à inveja. Ao menos na seara literária. Aos 79 anos, Carlos Nejar tem o triplo da trajetória do filho nas letras, é membro da Academia Brasileira de Letras (ABL) e da Academia Brasileira de Filosofia, teve convivência com Érico Veríssimo, Mário Quintana, Ferreira Gullar e Carlos Drummond de Andrade – currículo que Carpinejar diz exibir sem fisgadas no ego.

“Olha, quando tinha 7 anos, fui diagnosticado com retardo mental. Escrever e ler, para mim, já era lucro. E só me tornei quem sou em função da minha mãe, que me ensinou a ler e escrever dentro de casa. E do meu pai, que também parou a vida para se dedicar a mim naquele momento. Então, ser comparado ao meu pai é o de que mais gosto e o que mais quero na vida. Não quero ser melhor do que eles. Quero ser melhor para eles”, diz o filho de Carlos Nejar e da escritora gaúcha Maria Carpi.

POESIA DE PAI PARA FILHO – ENCONTRO DE DUAS GERAÇÕES
Com Fabrício Carpinejar e Carlos Nejar. Nesta quarta-feira (7), às 20h. Grande Teatro do Sesc Palladium. Avenida Augusto de Lima, 420, Centro. Entrada franca, com retirada de ingressos a partir das 18h. Informações: (31) 3270-8100.

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE ARTES-E-LIVROS