Livro de poemas e fotografias 'Catas Altas do Matto Dentro' será lançado com exposição

Projeto da artista Fátima Pinto Coelho foi iniciado há mais de 40 anos, em viagem à cidade mineira. Evento de lançamento será quinta-feira (15), no Museu Mineiro

por Pablo Pires Fernandes 09/03/2018 10:45

Fátima Pinto Coelho/Divulgação
(foto: Fátima Pinto Coelho/Divulgação)
Para compreender os recantos de Minas Gerais, é necessário desatar ferrolhos e adentrar casas soturnas. Impossível entender a gente dessas montanhas sem prosear sentado em uma cozinha tomando café. E para fazer sentido, é bom que se saiba o preço – histórico e humano – das montanhas que cercam e assombram seus habitantes.

A visão e a vivência dessas Minas Gerais e sua paisagem deixaram marcas profundas em Fátima Pinto Coelho. Suas viagens a Catas Altas lhe despertaram inquietude, ao ponto de se sentir impelida a escrever e fotografar a experiência. Fátima esteve na cidadezinha barroca ainda criança, para visitar o avô. Depois de 20 anos, a lembrança daquele lugar a chamou de volta. Era 1976, e ela, uma jovem artista formada na Escola Guignard, retornou a Catas Altas para conferir as impressões de criança: a montanha e a igreja eram realmente tão grandes?

“Aquilo ficou me martelando e tive a vontade de escrever.” Em menos de uma semana, Fátima traduziu seu olhar sobre a cidade em palavras. Mais uma vez, retornou a Catas Altas, desta fez com o fotógrafo Pedro Augusto Barbosa, para registrar seu roteiro carregado de afeto e memória.
Toda a experiência resultou em uma obra, exposta na 17ª Bienal de São Paulo, em 1977, composta dos poemas, das fotos e de instalação feita para a ocasião. No entanto, o destino levou Fátima a outros rumos, que a fizeram deixar de lado o ofício de artista.

Numa iniciativa pioneira em Minas, em 1980, inaugurou a Gesto Gráfico Galeria de Arte, uma das maiores referências em arte contemporânea de Belo Horizonte. Ao longo de 29 anos, a galeria a ocupou integralmente, mas, depois de encerrar a atividade como marchand, as imagens que guardava de Catas Altas lhe despertaram a inquietude de artista.

Assim nasceu a ideia de retrabalhar o antigo material e apresentá-lo novamente, revisitado. Entre 2010 e 2016, Fátima se dedicou a completar os velhos escritos, acrescidos de anotações e recortes de jornal. Finalmente, mais de 40 anos depois, a experiência se materializa. Catas Altas do Matto Dentro, que contou com a parceria do artista e designer Marcelo Drummond, chega ao público em forma de livro e exposição. O lançamento será na quinta-feira (15),  às 19h, no Museu Mineiro, noite de abertura da mostra com fotografias e poemas do livro, além de instalação inédita.

OURO E MINÉRIO Tantos anos depois, aquela experiência ainda remói na memória da artista. “A cidade estava jogada, esperando acontecer alguma coisa, via a potência daquele lugar e a apatia do povo”, diz, mencionando os personagens que conheceu, as histórias que ouviu e as imagens registradas. “É uma Minas profunda, bonita e, ao mesmo tempo, muito solitária.”

Ao traduzir os dias vividos em Catas Altas, Fátima construiu um diálogo entre poemas e imagens, que traz como elemento central a ideia de paisagem, algo que percorre toda a história da arte. Os versos, de verve modernista – Bandeira e Drummond, diz, foram os grandes mestres –, ora trazem ritmos, rimas e simetrias, ora seguem a forma livre e, segundo a poeta, seguiram sua intuição. No entanto, sempre evocam imagens, refletindo a fé barroca; as montanhas, que determinam a paisagem e o sustento da gente; o olhar desconfiado que espia pelas frestas; e histórias sussurradas.

Os poemas e imagens captam a essência do “modo de ser mineiro” e de sua geografia – muitas vezes mitificados, para o bem ou para o mal. Os dípticos de palavras e imagens transitam entre o documental e a ficção, mas deixam claras a acuidade e a sensibilidade de um olhar específico, provavelmente só possível aos nascidos nestas terras.

Não por acaso, Catas Altas do Matto Dentro também guarda surpresas e segredos. A autora soube observar e registrar Minas, que no próprio nome traz sua fortuna e sua ruína. Registra a desolação de um universo perdido na história, mas também sua transformação ao longo do tempo e as consequências em sua geografia humana e física. Na narrativa, o ouro do passado e o minério do presente se fundem no mesmo ciclo que altera a paisagem da região. “Sobre o ouro tirado, falou agora na vez do minério”, escreve.

A segunda parte do livro, escrita entre 2010 e 2016, acentua as referências ao caráter predatório e trágico de uma economia extrativa que ainda vigora. O desastre ambiental da barragem do Fundão, em Bento Rodrigues, ocorreu quando a autora finalizava o trabalho. O acidente, o maior da história do país, obrigou a artista a rever a obra. Por ser realizado em dois momentos, com décadas de diferença, o trabalho exigia um corte. A noção de tempo, já implícita, ganhou outra dimensão ao incorporar, de maneira crítica e ácida, as relações entre o passado e o presente da triste sina de Minas.

 

Impressão
Foi pelo mato dentro que a encontrei
jogada,
com o portão arreganhado,
esperando meia dúzia de turistas,
num triste desabafo do tempo.

 

Fátima Pinto Coelho/Divulgação
(foto: Fátima Pinto Coelho/Divulgação)

Trilho
Catas Altas, suas catas, suas lavras,
sua riqueza foi guardada nos museus
e hoje é levada nos vagões.


Fátima Pinto Coelho/Divulgação
(foto: Fátima Pinto Coelho/Divulgação)

As três irmãs I
Morro acima,
lá vão as três irmãs,
ciscando na rua um assunto.
Entre um passo e outro,
morro abaixo,
lá vêm elas assuntando,
as galinhas arredando,
os garotos arremedando.
Santas!
Entraram em casa com o corpo de Deus.


Fátima Pinto Coelho/Divulgação
(foto: Fátima Pinto Coelho/Divulgação)

Éramos sete I
Éramos sete,
seis crianças,
cinco delas mortas a machadada.
A última se escondeu entre o colchão e o estrado
e viu tudo.
O meu corpo ficou para dentro do quarto,
minha cabeça rolou gritando por socorro
praça, pedra, quintal abaixo.
Ele ouviu tudo.
Agora, as sete janelas fechadas,
um sobradão amaldiçoado,
o medo do povoado,
o respeito à minha memória.


CATAS ALTAS DO MATTO DENTRO – MINAS GERAES
De Fátima Pinto Coelho
Barléu Edições
140 páginas
R$ 95

LANÇAMENTO E EXPOSIÇÃO
Quinta-feira (15), às 19h. Museu Mineiro (Av. João Pinheiro, 342, Funcionários, (31) 3269-1103). Entrada franca.

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE ARTES-E-LIVROS