Livro e exposição trazem 'instantes decisivos' pouco conhecidos da história do Brasil

As pesquisadoras Angela Alonso, Angela de Castro Gomes e Heloisa Starling lançam nesta quinta-feira (8) o livro 'Conflitos - Fotografia e violência política no Brasil, 1889-1964'

por Mariana Peixoto 08/03/2018 09:30

Arquivo
Registro de Flávio de Barros mostra 'a prisão de jagunços pela cavalaria', na Guerra de Canudos, em 1896-97. (foto: Arquivo )

“(A fotografia) é o único meio de expressão do instante”, disse certa vez o fotógrafo francês Henri Cartier-Bresson (1908-2004). O conceito do “instante decisivo” de Bresson – quando elementos visuais se unem em harmonia, expressando a essência da situação que o fotógrafo presencia – forjou boa parte da produção fotográfica do século 20.

É de muitos “instantes decisivos”, boa parte deles pouquíssimo conhecidos, que foi concebida a exposição Conflitos – Fotografia e violência política no Brasil, 1889-1964. Projeto do Instituto Moreira Salles, a mostra, com pouco mais de 300 imagens, foi vista até fevereiro no espaço carioca da instituição cultural. Em abril, chega ao IMS de São Paulo.

O trabalho também gerou um livro homônimo, que será lançado nesta quinta-feira (8), em Belo Horizonte. As três consultoras da mostra (e autoras dos textos), a socióloga Angela Alonso e as historiadoras Angela de Castro Gomes e Heloisa Starling, participam de debate no câmpus da UFMG. A mediação será de Heloisa Espada, curadora de artes visuais do IMS. Durante o encontro serão exibidas imagens que estão no livro.

A iniciativa reúne um panorama da fotografia de revoltas populares, ações das Forças Armadas e outros conflitos armados no país desde a Proclamação da República até o golpe militar de 1964. As realizadoras trabalharam com acervos de 30 coleções, públicas e particulares, além de imagens do acervo do próprio IMS (como da Guerra de Canudos, em 1897, e das revoluções de 1924, 1930 e 1932).

Há imagens de fotógrafos conhecidos, como Juan Gutierrez, que fez registros de Canudos (e inclusive morreu no conflito, como descreveu Euclides da Cunha em Os sertões) e Marc Ferrez, mais conhecido fotógrafo do país no século 19, mas também de vários anônimos amadores e profissionais.

“Às vezes, as pessoas têm uma ideia de que a fotografia é a ilustração de um texto. Nossa preocupação foi justamente a de refletir a narrativa das imagens, ampliar a história que elas contam”, comenta Heloisa Starling, também coordenadora do Projeto República/UFMG, que realiza do lançamento do livro em BH.

“O percurso vai do retrato de um grupo posando antes da degola de um prisioneiro inimigo na Revolução Federalista, em1894, à violência a que foi submetido o político comunista Gregório Bezerra em 1964... As mudanças nas formas de representar conflitos entre 1889 e 1964 implicaram o uso de diversos materiais e suportes”, escreve Heloisa Espada no texto introdutório do livro.

Cada uma das consultoras ficou responsável por um período da mostra. A primeira parte vai até 1916, abrangendo a Revolução Federalista, Canudos e a Guerra do Contestado. A segunda vai de 1923 a 1935, reunindo a Coluna Prestes, a Revolução de 30 e a Guerra de 1932. Já a última tem início com o suicídio do presidente Getúlio Vargas, em 1954, e término com o golpe militar.

Levante Responsável pela última parte do livro, Heloisa Starling escreveu o texto As ruas da República. “Pensamos nesta ideia das ruas porque é o momento em que se muda a ação política com a ocupação do espaço público para manifestações. E mesmo quando se fala em população do campo, há momentos em que ela ocupa a cidade para se revoltar.”

Há episódios históricos recuperados através de fotos que vieram à tona com o trabalho. Uma das imagens faz referência a um levante ocorrido no final dos anos 1950, no Paraná. Em 1957, enfurecidos trabalhadores rurais invadiram prédios públicos e destruíram documentos que tiravam as terras deles. Tal fato ocorreu em várias cidades e uma delas, Pato Branco, comemora ainda hoje, em todo 9 de outubro, o Levante dos Posseiros do Sudoeste do Paraná.

“São fotos de histórias que o Brasil não conhece”, comenta Heloisa Starling, referindo-se ainda à Revolta de Trombas e Formoso (protagonizada por camponeses, nos anos 1950, no Norte de Goiás) e a tentativas de golpe por parte da Aeronáutica, fatos “poucos estudados pela história”, diz ela, acrescentando que existem conversas para trazer a exposição a Belo Horizonte. Como não há mais IMS na cidade, ela poderia ir para outra instituição, não completa, mas com pelo menos uma boa amostragem das fotografias.

 


CONFLITOS – FOTOGRAFIAS E VIOLÊNCIA POLÍTICA NO BRASIL 1889-1964
De Angela Alonso, Angela de Castro Gomes e Heloisa Starling
427 páginas
R$ 129,50

Câmpus Pampulha
Lançamento do livro e debate com Angela Alonso, Angela de Castro Gomes e Heloisa Starling. Mediação de Heloísa Espada. Quinta-feira (8), às 18h, no auditório nobre do CAD 1, no câmpus Pampulha da UFMG – Rua Professor Baeta Viana. Entrada franca.

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE ARTES-E-LIVROS