Conceição Evaristo ganha o Prêmio do Governo de Minas Gerais de Literatura

Aos 71 anos, a escritora belo-horizontina começou carreira em publicação coletiva nos Cadernos Negros

por Márcia Maria Cruz 30/11/2017 12:35
Walter Craveiro/divulgacao
Conceição Evaristo foi homenageada na Flip, quando sua história e trajetória foram temas da mesa de encerramento da edição de 2017 (foto: Walter Craveiro/divulgacao )
Nascida no morro do Pindura Saia, favela no Alto da Avenida Afonso Pena na região Centro-sul de Belo Horizonte que foi removida, a escritora Conceição Evaristo foi para o Rio de Janeiro estudar na década de 1970. Foi lá que construiu a carreira como professora e escritora, mas daqui ela levou as histórias e a oralidade da família que marcam sua obra. “Recebo o prêmio um dia depois do meu aniversário. É um presentão. É muito simbólico, reconhece minha longa trajetória de BH até agora”, disse. Conceição nasceu em 29 de novembro de 1946.

Havia uma dívida pelo fato de a cidade não ter aberto as portas no ínicio da carreira para ela, que costuma fazer esse apontamento nos eventos literários que participa. Mas em 2017, quando a capital mineira completa 120 anos, a reparação foi feita. Conceição venceu o Prêmio do Governo de Minas Gerais de Literatura 2017 pelo conjunto da obra.  No ano passado, a láurea foi concedida a poeta divinopolitana Adélia Prado.
 
Nesta edição, todos os prêmios foram concedidos a mulheres. Além do prêmio a Conceição Evaristo pelo conjunto da obra (R$ 150 mil), o Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura também contemplou a romancista Marana Silva Borges, na categoria ficção (R$ 30 mil); Ana Cláudia Costa dos Santos, em poesia (R$ 30 mil); e Sara Abreu Pinheiro e Silva, que ganhou a bolsa destinada aos jovens escritores mineiros (R$ 48 mil).
 
O ano de 2017 foi especialmente marcado por reconhecimento à Conceição que primeiro se tornou conhecida entre o movimento social negro, depois na Europa, nos cursos de letras e somente recentemente furou os círculos literários tornando-se figura notoriamente conhecida e reverenciada.
 
Foi homenageada na Ocupação Cultural no Itaú Cultural em São Paulo em abril. Foi a escritora que encerrou a 15ª edição da Festa Literária de Paraty (FLIP 2017), quando sua trajetória e vida foram apresentadas pela escritora Ana Maria Gonçalves. Foi reverenciada na  II Mostra Conceição Evaristo em julho no Sesc Palladium. Na ocasião, participou do sarau lendo poemas. Em setembro retornou a capital para o Festival Literário de Belo Horizonte (FLIBH), quando disse que a cidade estava redimida com ela. Conceição costuma pontuar que não está só e que é sustentada por outras mulheres, entre elas escritoras como Maria Carolina de Jesus (1914-1977).

Conceição foi cercada por mulheres e homens da comunidade. Para ela, essas mulheres, mesmo diante de situações adversas, de luta e dor, criaram espaço para o lazer. “Lembro-me de minha mãe fazendo doces para a congada e flores de papel crepom. Apesar de toda dor e dificuldade, bordava vestidos a mão para os bailes”, disse ao EM no ano passando quando do lançamento do Histórias de leves enganos e parecenças, pela Editora Malê. 
 
Conceição reverência como “essas mulheres criam espaços para a alegria, riem das próprias dores e, de maneira resiliente, conquistam lugares que lhes são negados por serem negras e mulheres”.

O amor pela escrita veio da família formada por boas contadoras de causos. Ecos da África ancestral, com sua preciosa cultura oral, e também de nossa velha e boa prosa mineira. Na década de 1970, Conceição mudou-se para o Rio de Janeiro, entrou na faculdade, tornou-se professora. Trocou as panelas pelo mestrado e doutorado em literatura.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE ARTES-E-LIVROS