Fliaraxá tem dia movimentado com a presença do ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão

O dia também foi marcado por uma homenagem à escritora e ilustradora Angela-Lago

por Ana Clara Brant 18/11/2017 20:16
Daniel Bianchini/Fliaraxa/Divulgacao
Ministro da cultura Sergio Sa Leitão, curador do Fliaraxá, Afonso Borges e secretário municipal de cultura de São Paulo André Sturm participam do debate 'Cultura, empreendedorismo e futuro" (foto: Daniel Bianchini/Fliaraxa/Divulgacao)
ARAXÁ - O sábado foi um dos dias mais movimentados e, talvez, o mais pop, do Festival Literário de Araxá (Fliaraxá), que está acontecendo desde o feriado (15) na terra de Dona Beija.

Atores como Bruna Lombardi, Pedro Cardoso, o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, além de nomes consagrados da literatura como o jornalista e escritor Zuenir Ventura, o diretor-presidente do Museu do Amanhã, Ricardo Piquet, e o pernambucano J. Borges, considerado um dos maiores cordelistas e xilogravuristas do Brasil, marcaram presença no evento que termina amanhã (19). O penúltimo dia do Festival também foi marcado por uma homenagem à escritora e ilustradora Angela-Lago. Um sarau lembrou a artista mineira que faleceu no mês passado.

Já Sérgio Sá Leitão chegou no começo da tarde, visitou o espaço montado dentro do Grande Hotel de Araxá, conversou com escritores e outros convidados do evento. Ao se deparar com o ministro, o cordelista pernambucano J. Borges,sempre espirituoso, comentou: "O senhor que é o ministro da cultura? Rapaz. O senhor parece um ator de Hollywood. Parece Johnny Depp". Sá Leitão participou de um debate sobre cultura, empreendedorismo e futuro ao lado do secretário municipal de cultura de São Paulo, André Sturm.

O ministro frisou a importância de eventos como o Fliaraxa que despertam e estimulam a leitura no país e falou sobre sua trajetória na gestão pública. "Tem 13 anos que estou na administração pública. É uma vida sacrificante, você abre mão da sua vida pessoal, mas só de ter essa oportunidade de mudar a vida das pessoas, de contribuir para algo melhor já vale à pena. O servidor público, como o próprio nome diz, tem que servir", salientou Sérgio Sá Leitão que ainda fez um longo discurso da Lei Rouanet que vem sendo alvo de muitas críticas. 'Ela é um motivo de orgulho para o país", ressaltou.

Daniel Bianchini/Fliaraxa/Divulgacao
Pedro Cardoso, que veio lançar seu primeiro romance na Fliaraxá, ressaltou a importância da obra de Mia Couto (homenageado do evento) em sua vida (foto: Daniel Bianchini/Fliaraxa/Divulgacao)
O ator Pedro Cardoso veio promover o seu primeiro romance, O Livro dos Títulos, e ainda integrou um painel ao lado do grande homenageado do evento, o escritor moçambicano Mia Couto, que contou com a presença de alunos e professores de Araxá. O eterno Agostinho Carrara, de A grande família, revelou que Mia criou dentro dele um sentimento de transformação, que só lembra de ter tido após o contato com o clássico Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa. “A emoção diante de algo que é belo muda a gente”, disse. “A obra do Mia vai comigo agora para onde vou”. Para provar que não estava enganado quanto à beleza das palavras, Cardoso acabou recitando o poema “Saudade” do escritor. Por falar no homenageado, ele ainda participou ao lado da atriz e escritora Bruna Lombardi , do debate ''Lingua, leitura e utopia'', temática desta edição. Confira a programação completa no site: www.fliaraxa.com.br

* A repórter viajou a convite do Filaraxá

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE ARTES E LIVROS