Grupo Giramundo abre 'O baú de Álvaro Apocalypse'

A exposição reúne aproximadamente 100 desenhos, pinturas e estudos assinados pelo fundador do Grupo Giramundo, a partir de hoje, no Cine Theatro Brasil Vallourec

por Mariana Peixoto 03/10/2017 08:30
Acervo Álvaro Apocalypse/Reprodução
A maioria das obras integrantes da mostra data dos anos 1970, época em que o artista começou a se interessar mais pela cor. (foto: Acervo Álvaro Apocalypse/Reprodução )
 

''Sempre compreendi o desenho como minha linguagem, tanto que considerava a verdadeira maneira de fazer arte, pela sua concisão, espiritualidade e falta de cor. O desenho é uma escrita.'' Álvaro Apocalypse (1937-2003) foi pintor, ilustrador, gravador, desenhista, professor. Mas foi como fundador do Grupo Giramundo (1970), mais importante companhia de teatro de bonecos do país, que sua arte ganhou mundo.

O baú de Álvaro Apocalypse, mostra que será aberta ao público, nesta terça-feira (3/10), em dois andares de galerias no Cine Theatro Brasil Vallourec, revela boa parte de sua produção. Maior exposição já dedicada ao artista, vai reunir uma centena de obras – pinturas, desenhos, placas, cadernos, estudos. Setenta por cento do material é inédito.

''Álvaro tinha muita coisa guardada, coisas inacabadas. E como artista era rápido. Para ele, não se corrigia um desenho. Ele fazia um quadro. Mesmo que não fosse o que ele queria, se fosse aceitável, ele não corrigia'', afirma Paulo Apocalypse, neto mais velho de Álvaro, que assina com a tia Adriana a curadoria da exposição.

O material todo do artista, à exceção da obra com o Giramundo, está atualmente sob a guarda de Paulo. Ele acredita que a pinacoteca do avô chegue a 300 trabalhos. Para a exposição, selecionou os mais marcantes.

''Tem muita coisa da vida pessoal, como desenho do cachorro dele, da Teresinha numa rede (a artista Teresinha Veloso, mulher de Álvaro e cofundadora do Giramundo), uma série de desenhos feitos em tecidos. Algumas obras ele nem chegou a assinar'', diz Paulo.

A trajetória do artista foi analisada recentemente no livro Álvaro Apocalypse (2012), com texto crítico de Márcio Sampaio. No volume, o crítico desvenda o trabalho do mineiro, que, no início da carreira, nos anos 1950, revela o traço modernista. Influenciado por Candido Portinari, o grande tema de Apocalypse vem do povo.

DITADURA A partir do golpe militar de 1964, emergem personagens da realidade fantástica e temas críticos da realidade social. Artista que nunca se importara muito com a cor – ''O mundo deveria ser preto e branco'', disse, certa vez –, Apocalypse passa, a partir dos anos 1970, a se dedicar à cor, ao vencer um concurso que o leva a uma temporada de dois anos na França. No mesmo período, trabalha com grandes painéis.

O grosso da exposição vem de material dos anos 1970. ''Depois, com o sucesso do Giramundo, sua produção diminuiu'', conta Paulo. Logicamente, o trabalho junto à companhia não vai ficar de fora da exposição. Haverá pelo menos duas dezenas deles, de diferentes espetáculos. E ainda foram impressos, em 3D, dois quadros. A intenção com os trabalhos em alto relevo é promover a interação com deficientes visuais.

Em Belo Horizonte, a última exposição dedicada a Álvaro Apocalypse já tem mais de 10 anos. A vontade é de que o baú do artista não fique mais fechado. ''Temos a intenção de fazer um centro ou alguma parceria com alguma instituição para que o acervo permanente dele possa ser guardado. Várias peças precisam de restauração, pois nem todas foram acondicionadas corretamente. Dessa maneira, poderemos levar o trabalho dele para outros lugares'', diz Paulo Apocalypse.

 

Eduardo Fraipoint/Divulgação
Luvas de trabalhadores foram reunidas por Thiago Honório na instalação Pencas. (foto: Eduardo Fraipoint/Divulgação)
A ARTE DO TRABALHO Um atrapalho no trabalho é o título que o poeta e tradutor Paulo Leminski (1944-1989) deu para a edição brasileira, lançada em 1985, que uniu em um volume dois livros de John Lennon: In his own white (1964) e A spaniard in the works (1965).

 

O curador Rodrigo Moura se apropriou do título para uma exposição realizada ao longo deste semestre no Museu de Artes e Ofícios (MAO). Aberta em agosto, Um atrapalho no trabalho (Apud Paulo Leminski) vai até o início de dezembro. A ideia é promover o diálogo da produção da arte contemporânea com o acervo do museu, único do país a se dedicar exclusivamente ao trabalho.

Para tal, o curador convidou cinco artistas para fazer intervenções com trabalhos que se relacionem com o acervo da instituição. Mas a exposição não vem pronta. As obras são apresentadas aos poucos. A cada nova instalação (Cao Guimarães e Patrícia Leite foram os dois primeiros), Moura promove uma conversa com cada autor.

Nesta terça-feira, o curador se encontra com o terceiro convidado. Mineiro radicado em São Paulo, Thiago Honório apresenta Pencas. ''É um artista que vem trabalhando há muito tempo com ferramentas de trabalho, usadas e despojadas. Elas guardam em si marcas do desgaste do tempo e com isso o Thiago vem criando instalações'', comenta Moura.

As pencas de Honório são operações muito simples. Ele juntou várias luvas de trabalhadores pelo punho. O resultado remete a pencas de banana. O artista teve outra obra exposta recentemente em BH. Na exposição Entre nós – A figura humana no Masp, apresentada no CCBB, Honório exibiu a instalação Trabalho, que se apropriou de ferramentas de operários.

Ainda neste mês, a mostra vai apresentar, também em lançamentos seguidos de conversas com o curador, obras dos artistas Cristiano Rennó e Paulo Nazareth. Dessa maneira, ao longo de novembro e no início de dezembro, trabalhos dos cinco artistas poderão ser vistos em conjunto no museu. Para o fim da exposição está previsto o lançamento do catálogo que documenta todo o processo. 

 

O BAÚ DE ÁLVARO APOCALYPSE

Exposição no Cine Theatro Brasil Vallourec, Praça Sete, Centro, (31) 3201-5211. Até 5 de novembro. Visitação de terça-feira a domingo, das 11h às 19h. Entrada franca. 


UM ATRAPALHO NO TRABALHO (APUD PAULO LEMINSKI)

Instalação de Thiago Honório. O artista conversa com o curador Rodrigo Moura, nesta terça-feira (3/10), às 19h, no Museu de Artes e Ofícios, Praça Rui Barbosa, 600, Centro. Informações: (31) 3248-8603. Entrada franca. 


Oficina e espetáculo 
Além da mostra O baú de Álvaro Apocalypse, o Cine Theatro Brasil Vallourec vai apresentar, no dia 12, às 16h, o espetáculo O carnaval dos animais, do Grupo Giramundo. Ingressos: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia). Na Semana da Criança ainda haverá uma oficina gratuita de marionetes com os integrantes do Giramundo. Mais informações: www.cinetheatrobrasil.com.br

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']