'Tudo tem limite', diz João Dória sobre performance no MAM

Prefeito de São Paulo condenou obra, pediu 'respeito à família' e disse que trabalho deve ser retirada do museu

por Agência Estado 30/09/2017 17:25

Reprodução/Atraves TV
(foto: Reprodução/Atraves TV)
"Tudo tem limite!" Com um vídeo publicado no Twitter, o prefeito de São Paulo, João Dória, condenou o a performance do artista Wagner Schwartz no MAM (Museu de Arte Moderna), ocorrida na última terça-feira (26). 

 

"Compreendo que a arte é uma manifestação muito aberta, muito ampla, mas tudo tem limite. No caso aqui de São Paulo, por exemplo, a exposição realizada no MAM não pode, em nome dessa liberdade, que uma cena libidinosa, que estimula uma relação artiifical condenada e absolutamente imprópria, seja colocada para o público. Fere, inclusive, o Estatuto da Criança e do Adolescente e, ao ferir, ele está cometendo uma impropriedade, uma ilegalidade, e deve ser imediatamente retirado, além de condenado", disse.

  

A performance ocorreu na abertura da 35º Panorama da Arte Brasileira, tradicional exposição bienal do museu. O artista e performer carioca Wagner Schwartz apresentou sua La Bête, performance que apresenta desde 2015 a partir da leitura da série Bichos, de Lygia Clark.

Segundo o site do ator, na performance ele manipula uma réplica de plástico de uma das esculturas da série, e o objeto "permite a articulação das diferentes partes do seu corpo através de suas dobradiças", quando o público é convidado a participar.

Nos vídeos que circulam pelas redes sociais, a criança parece mostrar curiosidade enquanto engatinha pelo tatame, vendo uma mulher adulta tocar os pés do artista.
A mulher a incentiva a participar, a menina ri, toca rapidamente os dedos dos pés e o pulso dele, e volta à plateia diante de sorrisos do público.

"O nu na arte é presente nos museus do mundo inteiro, desde a arte pré-histórica, há 12 mil anos", diz o curador do MAM, Felipe Chaimovich. "Isso é uma presença constante. Por outro lado, a questão específica da obra da Lygia Clark, grande pano de fundo da nova objetividade brasileira, tema desse panorama, é a obra participativa. Isso que foi trabalhado nessa performance", explicou.

"Temos que refletir com uma visão mais ampla de história. Estamos falando de uma coisa que tem 12 mil anos. Não é uma questão pontual da arte contemporânea. Estamos falando dos museus do mundo inteiro."

As críticas acusam o museu de "incentivo à pedofilia". O teor dos comentários é o mesmo daqueles que levaram o Santander Cultural a encerrar a exposição Queermuseu, alvo de protesto ligado ao Movimento Brasil Livre (MBL) em Porto Alegre.

Conforme programa divulgado anteriormente, a performance só ocorreria uma vez. "As referências à inadequação da situação são fora de contexto", diz uma nota do museu.

Nota Em nota, o Museu Arte de Moderna de São Paulo informa que "a performance La Bête, que está sendo questionada em páginas no Facebook, foi realizada na abertura da Mostra Panorama da Arte Brasileira, em apresentação única".

Segundo o MAM, "a sala estava devidamente sinalizada sobre o teor da apresentação, incluindo a nudez artística, seguindo o procedimento regularmente adotado pela instituição de informar os visitantes quanto a temas sensíveis".


Ainda na nota, o MAM diz que "o trabalho apresentado na ocasião não tem conteúdo erótico e trata-se de uma leitura interpretativa da obra Bicho, de Lygia Clark, historicamente reconhecida pelas suas proposições artísticas interativas".

"Importante ressaltar que o material apresentado nas plataformas digitais não apresenta este contexto e não informa que a criança que aparece no vídeo estava acompanhada e supervisionada por sua mãe. As referências à inadequação da situação são resultado de desinformação, deturpação do contexto e do significado da obra." O MAM reafirma que "dedica especial atenção à orientação do público quanto ao teor de suas iniciativas, apontando com clareza eventuais temas sensíveis em exposição".

Por fim, "o Museu lamenta as interpretações açodadas e manifestações de ódio e de intimidação à liberdade de expressão que rapidamente se espalharam pelas redes sociais" e diz que "a instituição acredita no diálogo e no debate plural como modo de convivência no ambiente democrático, desde que pautados pela racionalidade e a correta compreensão dos fatos".

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE ARTES E LIVROS