UAI

Faustão era o 13º na lista de transplante renal, diz estado de São Paulo

Apresentador passou por um transplante no órgão nesta segunda-feira (26/02)

Faustão era o 13º na lista de transplante renal, diz Central de Transplantes Reprodução/Instagram/Montagem
Douglas Lima - Especial para o Uai clock 28/02/2024 09:13
compartilhe icone facebook icone twitter icone whatsapp SIGA NO google-news

Fausto Silva, o Faustão, de 73 anos, que passou por um transplante de rim na segunda-feira (26/02), entrou na fila para transplante do órgão no dia 6 de fevereiro e era 13º da lista para o procedimento, segundo a Central de Transplantes do Estado de São Paulo por meio da Secretaria Estadual de Saúde do Estado de São Paulo.

Leia Mais

A entidade reforçou que os critérios de priorização foram cumpridos conforme a Resolução Estadual SS 06 de 2019. "A Central de Transplantes do Estado de São Paulo informa que o paciente F.S. foi inserido na fila para transplante em 6 de fevereiro e, seguindo resoluções estaduais, foi submetido ao transplante de rim na última segunda-feira (26), cumprindo os critérios de priorização. F.S. encontrava-se como 13º na lista para o procedimento", informa a nota.

 

Em agosto do ano passado o apresentador fez um transplante de coração, o que dá prioridade para casos de transplante de outros órgãos, segundo a mesma resolução: "De acordo com a Resolução Estadual SS 06 de 2019, são critérios de priorização: a) impossibilidade total de acesso para diálise, b) pós-transplante de outro órgão, c) pós-doação renal. Já os critérios de classificação de receptores potenciais para fins de transplante de rim são: compatibilidade HLA (genética), compatibilidade ABO (sanguínea), priorização e idade do doador".

 

Além disso, outros fatores que definem ainda o paciente como prioritário, segundo o texto, são a impossibilidade de acesso intravenoso para diálise, procedimento que filtra o sangue, ou casos em que o doente já tenha sido doador renal. Os critérios que classificam os potenciais receptores do órgão, no entanto, são diferentes. São necessárias as compatibilidades genética e sanguínea, além da idade compatível do doador.

 

Vale destacar que todos que aguardam por um de transplante precisam ter doença crônica renal que comprometa 15% ou menos da capacidade do órgão. Atualmente, 38.908 pessoas estão na fila. O estado paulista lidera a lista.

 

Após o sucesso do transplante, Faustão deixou a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) na terça-feira (27/02) e segue o tratamento em um dos quartos do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. Em conversa com o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, o comunicador comentou sobre a sua recuperação: "Mais uma semana e estou em casa, liberado. Para quem fez um transplante do coração, o de rim é mais tranquilo".

 

Em agosto do ano passado, o veterano realizou um transplante no coração após passar mais de vinte dias internado para tratar uma insuficiência cardíaca. Por conta de seu estado de saúde grave, o ex-global também teve prioridade na fila de transplante do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Cerca de dez dias após receber alta, no dia 10 de setembro, ele foi novamente internado por causa de complicações pós-operatórias. Após o procedimento, ele passou por fisioterapia e revelou ter fraturado a costela, confira, clicando aqui!.

compartilhe icone facebook icone twitter icone whatsapp