UAI

Alexandre Correa é obrigado a indenizar médico cubano; entenda

Empresário tentava reverter uma condenação de 2019, que determinou que ele pagasse indenização por danos morais ao profissional de saúde estrangeiro

Alexandre Correa é obrigado a indenizar médico cubano que chamou de 'petista' Divulgação/Reprodução/Instagram
Douglas Lima - Especial para o Uai clock 09/02/2024 09:18
compartilhe icone facebook icone twitter icone whatsapp SIGA NO google-news

Alexandre Correa teve um recurso especial negado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). O empresário tentava reverter uma condenação de 2019, que determinou que ele pagasse indenização por danos morais a um médico cubano.

Leia Mais

Nas redes sociais, dois anos antes, o empreendedor comparou o profissional de saúde estrangeiro a um "petista" e disse que ele "não servia para porr* nenhuma".

 

De acordo com as informações do portal Notícias da TV, a decisão foi assinada pela ministra Maria Thereza de Assis Moura, presidente do STJ, no último dia 2. Os seus advogados disseram que seu cliente teria feito apenas um desabafo nas redes por não ter gostado do atendimento médico recebido na época.

 

A magistrada, no entanto, não acatou os argumentos da defesa de Alexandre e disse que o recurso apresentou "controvérsias". Vale destacar, que essa é a segunda contestação apresentada pelos advogados do empresário. Em março de 2023, o desembargador Enéas Costa Garcia, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), já havia rejeitado o recurso e mantido a condenação em segunda instância.

 

O ex-marido de Ana Hickmann foi condenado a indenizar Abel Alfonso Castro Soria em R$ 10 mil. Na petição inicial, o médico pedia R$ 187,4 mil, valor referente aos 200 salários mínimos (R$ 937 em 2017) que ele teria perdido após ser demitido após as declarações de Correa. A ação foi movida pelo cubano em fevereiro de 2017.

 

Na época, as partes tentaram uma audiência de conciliação, mas sem sucesso. O relatório da sentença de 2019 diz que Alexandre Correa "extrapolou" seu livre arbítrio como pessoa pública. Além de causar constrangimento ao profissional de saúde estrangeiro, o empreendedor teria sido responsável por um linchamento virtual coletivo nas redes sociais e também pela demissão de Soria do Hospital Samaritano de Sorocaba, no interior de São Paulo, na qual Alexandre foi atendido. Na ocasião, ele havia passado mal em sua casa e estava com dificuldade para respirar, além de uma forte dor de cabeça.

compartilhe icone facebook icone twitter icone whatsapp