UAI

Neil Gaiman estreia série LGBTQIA+ nas telas de streaming

Garotos detetives mortos é um YA live-action baseado numa HQ da DC. Muitas siglas? A gente tá acostumado.

Netflix: Divulgação. - Reprodução / Internet
Redação - Observatório G clock 13/05/2024 10:08
compartilhe icone facebook icone twitter icone whatsapp SIGA NO google-news

A séire Garotos detetives mortos acompanha dois adolescentes fantasmas, e melhores amigos, em suas investigações sobrenaturais no universo Sandman enquanto tentam escapar da Morte, de seus próprios sentimentos um por outro e de seus passados. 

Leia Mais

A série mistura Caça-fantasmas, Supernatural, Scooby-Doo e o próprio universo Sandman onde se passa, fazendo da estreia um spin-off de sucesso.

Baseada em personagens de HQ da DC Comics, criada por Neil Gaiman e Matt Wagner, a série lançou no tu-dum em 25 de abril desse ano. 

O produtor e showrunner Steve Yockey disse que o sinal verde pra fazer a série começou com uma conversa com Gaiman, autor de The Sandman

Mas se não fosse a cena de sexo gay supostamente mais explícita da TV da série Deuses Americanos, também de Gaiman, e de seu sucesso com o público arco-íris, Garotos detetives talvez não tivesse contexto na obra do quadrinista e produtor.

Você pode assistir a 'Deuses Americanos' no Prime Video, mas não é o único passado de Gaiman com o público Queer. Há debates labirínticos no Tumblr dedicados a destrinchar a sexualidade de seus personagens.

Com elementos de terror e comédia em igual medida, o roteiro de 'Garotos detetives mortos' impressiona pela sensibilidade com que trata de temas tabus e a originalidade que respira em assuntos clichês. 

É o caso da linha narrativa de apaixonado-pelo-melhor-amigo entre os protagonistas, que não perde o gostinho mesmo sendo um enredo requentado.

Com uma forte visão autoral, a história jamais bate a claquete para direcionar o espectador, preferindo optar por caminhos mais sutis e eficientes, como a sugestão e a curiosidade. É assim que chegamos, com curiosidade, até o último episódio.

Edwin Payne, brilhantemente interpretado pelo novato George Rexstrew, é um detetive mirim morto em 1916 aos 16 anos em um ritual demoníaco de que foi, infelizmente, o cordeirinho.

Tendo ficado 70 anos literalmente no Inferno como propriedade legal de um demônio-menor, Edwin esconde um passado capaz de motivá-lo a nunca mais voltar pro submundo, assim como de fazê-lo fugir eternamente da Morte.

Charles, seu melhor amigo, é um delinquente dos anos 80, morto em circunstâncias misteriosas e com problemas com o pai, de quem prefere não falar. Charles Roland é interpretado por Jayden Revri.  Ele é impulsivo e tranquilo, isto é, a contraparte de Edwin, recatado e cri-cri. 

Quando os dois conhecem Crystal, interpretada por Kassius Nelson, cujas memórias foram raptadas por um demônio à paisana por quem se apaixonou, os três vão atrás de respostas sobre si mesmos, enquanto resolvem casos sobrenaturais de outros fantasmas com negócios mal-resolvidos. 

A série entrega tudo que prometeu e mais, fazendo deste um dos melhores lançamentos do gênero desse ano até agora.

compartilhe icone facebook icone twitter icone whatsapp