UAI

'A prostituição salvou minha vida', diz ativista transgênero em podcast do Fatal Model

No Acompanhadas, Indianarae Siqueira conta história de vida e projetos de acolhimento para o público LGBTQIAP+

Indianarae Siqueira no podcast Acompanhadas Indianarae Siqueira no podcast Acompanhadas (Reprodução: YouTube) - Reprodução / Internet
Redação - Observatório G clock 05/02/2024 17:50
compartilhe icone facebook icone twitter icone whatsapp SIGA NO google-news

Em bate-papo no podcast Acompanhadas - patrocinado pelo Fatal Model, maior site de acompanhantes do Brasil - a ativista transgênero Indianarae Siqueira contou sua trajetória e destacou a importância  da luta pela causa  na vida de inúmeras pessoas trans em busca de acolhimento e oportunidade. Esse é um dos temas sobre o qual se fala no Dia Nacional da Visibilidade Trans, celebrado em 29 de janeiro.

Leia Mais

Presidente do grupo Transrevolução, Indianarae se identifica como uma pessoa não-binária - termo usado para identidades de gênero que não são estritamente masculinas ou femininas. Ela começou a tomar hormônios - como estrogênio e anticoncepcionais - aos oito anos e encontrou no ativismo um modo de viver: 'A gente lutava pelo direito de se prostituir, porque esse era o único trabalho que tínhamos. Posso dizer que a prostituição me salvou'.

No Brasil, cerca de 4 milhões de pessoas são transgêneros ou não-binárias. Segundo a  Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil), o volume de registros de mudança de nome e gênero aumentou 70% entre 2021 e 2022, passando de 1.863 para 3.165. 

Indianarae fundou e coordenou a CasaNem, casa de acolhimento para pessoas LGBTQIAP + em situação de vulnerabilidade social, e o PreparaNem, programa de preparação de pessoas trans para o ENEM. Ao longo da conversa, a convidada esclarece que suas casas de prostituição não se resumem a sexo, mas que, na verdade, há uma rede que se desenvolve através delas: 'Conseguimos mostrar que profissionais do sexo se interessam por várias questões e que são capazes de participar da política e cultura do país'.

Questionada sobre o período que passou em cárcere na França, cerca de dois anos e meio, Indianarae conta que possuía apartamentos para abrigar pessoas trans e em situação de vulnerabilidade social. Durante o julgamento, o juiz alegou que, para se tornar uma cafetina, bastava aceitar o pagamento de uma profissional do sexo.

'Apesar de todas as perseguições, um dos melhores lugares que já passei até hoje foi a minha cela. Existem pessoas presas que se sentem livres e existem pessoas livres que estão aprisionadas. Para mim, aquele foi um momento de libertação', afirma a ativista. 

O podcast Acompanhadas foi criado com o objetivo de ampliar a discussão e dar voz aos profissionais e adeptos do mercado adulto. É um podcast audacioso que derruba tabus e cria espaços para conversas provocantes e livres de julgamentos, abordando temas com convidados de áreas diversas como arte, cultura, política, religião, entretenimento e finanças.

Os episódios têm, em média, entre quarenta e sessenta minutos e começam com uma breve apresentação dos convidados. A entrevista é feita em formato de bate-papo. Já estiveram presentes a atriz Deborah Secco, a youtuber e influenciadora Dora Figueiredo, Edson Castro, criador e apresentador do Manual do Homem Moderno, entre outros.

compartilhe icone facebook icone twitter icone whatsapp