UAI

DJ mineira sofre queimaduras após bronzeamento artificial

Uso de equipamentos de bronzeamento artificial com finalidade estética é proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) desde 2009

Reprodução/Instagram Reprodução/Instagram
Douglas Lima - Especial para o Uai clock 22/09/2022 17:13
compartilhe icone facebook icone twitter icone whatsapp SIGA NO google-news

A DJ Danny Albuquerque, de 24 anos de idade, sofreu queimaduras de segundo e terceiro graus após se submeter a um procedimento de bronzeamento artificial em Itabira, na Região Central de Minas Gerais. A jovem compartilhou imagens dos ferimentos nas redes sociais e afirmou estar muito abalada psicologicamente.

Leia Mais

A DJ recebeu um convite para ser modelo do espaço de bronzeamento que oferecia o procedimento. Danny conta que o convite foi aceito pelo fato do local ser uma referência na região mineira. Ela seria submetida a três sessões, mas, na segunda, realizada no último dia 3 de agosto, a moça teve problemas sérios. Além das lesões, ela ainda teve confusão mental, dor de cabeça, náuseas e febre.

 

"Eu nunca tinha feito esse procedimento na minha vida. Até tinha um pouco de medo. Porém, fui fazer porque muitas amigas fizeram, recebi informações de que era seguro. Na primeira sessão, foi tudo tranquilo. Na segunda, ocorreram as lesões", explicou.

 

Albuquerque registrou um boletim de ocorrência e tem mantido contato com os responsáveis pela clínica para o ressarcimento dos gastos com o tratamento. Segundo ela, eles pagaram a primeira consulta com dermatologista e os medicamentos e pomadas indicados, ela também relatou que o centro de estética foi fechado e a máquina de bronzeamento foi retirada do local.

 

A jovem disse que resolveu contar a história nas redes sociais para alertar as pessoas sobre os riscos do bronzeamento artificial. Vale destacar, que cabines de radiação ultravioleta podem ser usadas somente para tratar patologias como vitiligo e psoríaseo, o uso de equipamentos de bronzeamento artificial, com finalidade estética, é proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no Brasil desde 2009.

 

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), esses equipamentos causam efeitos nocivos à saúde, inclusive o aumento do risco de câncer da pele, o mais comum do Brasil, incluindo o melanoma, que é o tipo de câncer mais raro, mas com maior risco de disseminação para outros órgãos (metástase) e morte.

 

Confira, abaixo, as imagens das queimaduras após bronzeamento artificial:

compartilhe icone facebook icone twitter icone whatsapp