10ª edição do Laboratório de Regência da Filarmônica de Minas Gerais

DATA

  • 19/04/2018 à 19/04/2018

LOCAL / INFO

PREÇOS

  • Entrada Franca

COM JOVENS MAESTROS DE VÁRIAS PARTES DO BRASIL, FILARMÔNICA DE MINAS GERAIS REALIZA A 10ª EDIÇÃO DE SEU LABORATÓRIO DE REGÊNCIA

 

Os selecionados participam de ensaios e concerto com a Orquestra, além de aulas técnicas com o maestro Fabio Mechetti.

 

 

A Orquestra Filarmônica de Minas Gerais realiza a 10ª edição do Laboratório de Regência. Entre os dias 17 a 19 de abril, Bruno Nascimento, Eron Calabrezi, Katarine Araújo e Rossini Parucci, selecionados para atuar ativamente, participarão de ensaios e aulas técnicas ministradas pelo diretor artístico e regente titular da Orquestra, Fabio Mechetti. Todo esse processo possibilita que jovens regentes tenham, sob sua batuta, uma orquestra profissional e aprendam, na prática, os desafios da regência. O Laboratório será encerrado com um concerto aberto ao público, no dia 19 de abril, às 20h30, na Sala Minas Gerais. No repertório estão duas obras importantes do repertório erudito &ndash A força do destino: Abertura, de Verdi, e Sinfonia nº 5 em mi menor, op. 64, de Tchaikovsky.

 

A entrada para o concerto é gratuita, e os ingressos devem ser retirados na bilheteria da Sala Minas Gerais a partir do dia 17 de abril, às 12h. Serão disponibilizados quatro ingressos por pessoa.

 

De acordo com o maestro Fabio Mechetti, diretor artístico e regente titular da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, &ldquoa relação entre um regente e os músicos por ele ou ela liderados é complexa. Confiança e respeito mútuos, foco em resultados e o compartilhamento de uma experiência única em prol da apreciação da música por outros são um desafio muito grande, mesmo para consagrados profissionais. Imagine, então, essa pressão sobre jovens que estão iniciando a carreira. Com o intuito de propiciar a jovens regentes a oportunidade de vivenciar a experiência prática dessa complexa relação, a Filarmônica vem, há dez anos, oferecendo um trabalho que permite a conexão desses promissores talentos com a competência de alguns dos melhores profissionais da música sinfônica no Brasil. Essa é uma atividade pioneira no Brasil, e tem sido valorizada por quem conhece a falta de acesso que ainda existe no país para os profissionais que despontam no cenário da regência&rdquo, pontua.

 

Aulas práticas e teóricas

 

Pela manhã, os participantes têm aulas práticas, em ensaios com a Orquestra, e, à tarde, recebem orientações teóricas e técnicas do maestro Fabio Mechetti. Enquanto Bruno, Eron, Katarine e Rossini realizam essas atividades com a orquestra e o maestro Mechetti, outros 10 maestros irão acompanhar as aulas e os ensaios como ouvintes.

 

O Laboratório de Regência da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais é uma iniciativa pioneira no Brasil. Por ele já passaram regentes que hoje se destacam no cenário nacional e internacional, como Marcelo Lehninger, atual Diretor Artístico da Orquestra Sinfônica de Grand Rapids, depois de ter ocupado os cargos de Regente Associado da Orquestra Sinfônica de Boston e Diretor Artístico da Orquestra Sinfônica de New West, todas nos Estados Unidos Tobias Volkmann, Maestro Titular da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, com reconhecida carreira internacional, e Alexandra Arrieche, Diretora Artística da Henderson Symphony Orchestra, vencedora do Taki Concordia Fellowship (2011) e regente assistente da Baltimore Symphony nas temporadas 2013 e 2014.

 

Nas dez edições já realizadas do Laboratório de Regência, foram oferecidas 137 vagas ocupadas por 111 jovens regentes de todo o Brasil. Alguns deles participaram do Laboratório de Regência da Filarmônica de Minas Gerais mais de uma vez.

 

Como iniciativa para a profissionalização do setor, o Laboratório de Regência é apresentado pelo Ministério da Cultura e Governo de Minas Gerais. Conta ainda com o patrocínio do Banco Inter e incentivo das Leis Estadual e Federal de Incentivo à Cultura.

 

 

Maestro Fabio Mechetti

 

Diretor Artístico e Regente Titular da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais desde sua criação, em 2008, Fabio Mechetti posicionou a orquestra mineira no cenário mundial da música erudita. Além dos prêmios conquistados, levou a Filarmônica a quinze capitais brasileiras, a uma turnê pela Argentina e Uruguai e realizou a gravação de oito álbuns, sendo três para o selo internacional Naxos. Natural de São Paulo, Mechetti serviu recentemente como Regente Principal da Filarmônica da Malásia, tornando-se o primeiro regente brasileiro a ser titular de uma orquestra asiática.

 

Nos Estados Unidos, Mechetti esteve quatorze anos à frente da Orquestra Sinfônica de Jacksonville e, atualmente, é seu Regente Titular Emérito. Foi também Regente Titular das sinfônicas de Syracuse e de Spokane, da qual hoje é seu Regente Emérito. Regente associado de Mstislav Rostropovich na Orquestra Sinfônica Nacional de Washington, com ela dirigiu concertos no Kennedy Center e no Capitólio. Da Sinfônica de San Diego, foi Regente Residente. Fez sua estreia no Carnegie Hall de Nova York conduzindo a Sinfônica de Nova Jersey. Continua dirigindo inúmeras orquestras norte-americanas e é convidado frequente dos festivais de verão norte-americanos, entre eles os de Grant Park em Chicago e Chautauqua em Nova York.

 

Igualmente aclamado como regente de ópera, estreou nos Estados Unidos dirigindo a Ópera de Washington. No seu repertório destacam-se produções de Tosca, Turandot, Carmem, Don Giovanni, Così fan tutte, La Bohème, Madame Butterfly, O barbeiro de Sevilha, La Traviata e Otello.

 

Suas apresentações se estendem ao Canadá, Costa Rica, Dinamarca, Escandinávia, Escócia, Espanha, Finlândia, Itália, Japão, México, Nova Zelândia, Suécia e Venezuela. No Brasil, regeu todas as importantes orquestras brasileiras.

 

Fabio Mechetti é Mestre em Regência e em Composição pela Juilliard School de Nova York e vencedor do Concurso Internacional de Regência Nicolai Malko, da Dinamarca.

 

Os regentes

 

Bruno Nascimento

Natural de Manaus, Bruno Nascimento graduou-se em Música pela Universidade do Estado do Amazonas e, aos 31 anos, concluiu mestrado em Regência Orquestral pela University of Missouri, Estados Unidos. Como convidado, atuou à frente das orquestras Experimental da Filarmônica da Amazônia, de Câmara do Amazonas e Amazonas Filarmônica. Em 2017 assumiu como maestro residente da Orquestra de Câmara do Amazonas e assistente do Festival Amazonas de Ópera 2018. Durante o mestrado, deu aulas na graduação, sendo premiado como um dos dez melhores professores assistentes da universidade e eleito para a National Music Honor Society.

 

 

Eron Calabrezi

Eron Calabrezi iniciou seus estudos musicais aos seis anos, no Conservatório de Catanduva. Foi spalla da Sinfônica da cidade e participou de cursos com as orquestras Sinfônica de Santo André e Filarmônica de Goiás e do Festival de Campos do Jordão. Em 2015 foi vencedor nas etapas Sudeste e Nacional do Concurso Jovens Solistas e Regentes Eleazar de Carvalho, realizado pela Fundação Eleazar de Carvalho. Bacharel em Música pela Faculdade Mozarteum de São Paulo, tem como mestre e mentor o maestro Roberto Tibiriçá. Em 2017 assumiu a regência e direção artística da Filarmônica Carlos Gomes, em São Bernardo do Campo.

 

 

Katarine Araújo

Katarine Araújo é natural de Goiânia, onde graduou-se em Piano e concluiu mestrado em Regência Orquestral na Universidade Federal de Goiás. Vencedora do II Concurso de Jovens Regentes do Theatro Municipal de São Paulo, foi regente assistente na Orquestra Experimental de Repertório durante um ano. Atuou também como assistente no Coro da graduação da Universidade de São Paulo e na Orquestra Acadêmica Mozarteum Brasileiro. Como convidada, regeu a Orquestra do Theatro São Pedro e as sinfônicas de Santo André e de João Pessoa. Atualmente é regente do Coro Sinfônico de Goiânia e do grupo Ateliê Contemporâneo de São Paulo.

 

Rossini Parucci

Natural de Londrina, Rossini Parucci iniciou seus estudos em composição e regência com o maestro Othonio Benvenuto e em técnica vocal com Semiramis Lück. No contrabaixo, foi orientado por Francisco das Chagas, Sérgio de Oliveira, Waldir Bertipaglia e Catalin Rotaru. Estudou regência orquestral com Wayne Bailey e Neil Thomson. Como regente, já esteve à frente do Madrigal de Londrina, Coral Viva Voz, All Saints Chamber Choir e Orquestra de Câmara Solistas de Londrina. Graduado em Música pela Arizona State University, Estados Unidos, atualmente integra o naipe de Contrabaixos da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais.

 

 

SERVIÇO:

Orquestra Filarmônica de Minas Gerais

10º Laboratório de Regência 
Para jovens regentes brasileiros

Com o maestro Fabio Mechetti 
De 17 a 19 de abril de 2017

 

Concerto de Encerramento

19 de abril, às 20h30

Sala Minas Gerais

 

Fabio Mechetti, regente

Bruno Nascimento, regente

Eron Calabrezi, regente

Katarine Araújo, regente

Rossini Parucci, regente

 

VERDI                  A força do destino: Abertura

TCHAIKOVSKY   Sinfonia nº 5 em mi menor, op. 64

 

 

Entrada Gratuita

 

Os ingressos serão distribuídos a partir do dia 17 de abril, terça-feira, às 12h, apenas na bilheteria da Sala Minas Gerais.

Há um limite de quatro unidades por pessoa, não sendo autorizado o uso de um segundo CPF.

 

Informações: (31) 3219-9000 ou www.filarmonica.art.br

 

 

Funcionamento da bilheteria:

Sala Minas Gerais &ndash Rua Tenente Brito Melo, 1090 &ndash Bairro Barro Preto

De terça-feira a sexta-feira, das 12h às 20h.

Aos sábados, das 12h às 18h.

Em quintas e sextas de concerto, das 12h às 22h

Em sábados de concerto, das 12h às 21h.

Em domingos de concerto, das 9h às 13h.

http://www.filarmonica.art.br/

+EVENTOS

Eventos