Turquia encantada: conheça as piscinas quentes dos terraços de Pamukkale

A paisagem irreal foi formada ao longo de milênios de atividade vulcânica e a solidificação de minerais derramados com a água: será algodão ou será neve que acolchoa o penhasco? Em turco, Pamukkale significa "Castelo de Algodão"

por Bertha Maakaroun 02/05/2017 07:12
TourMania/Divulgação
A água rica em carbonato de cálcio solidifica em mármore travertino, formando cascatas petrificadas (foto: TourMania/Divulgação)
Cascatas branquíssimas, petrificadas em mármore travertino, dependuram-se sobre terraços de piscinas termais. Por entre elas escorre a água quente, límpida, que brota do subterrâneo rica em carbonato de cálcio.  As suas águas minerais aquecidas – a temperatura média é de 35 graus, mas algumas fontes alcançam 60 graus – banham a histórica cidade-spa de Hierápólis, a Sudoeste da Turquia, na província de Denizli, cujas ruínas são testemunho da herança greco-romana.


Quando estiver nadando em uma das piscinas naturais do spa, de quando em vez você esbarrará em uma milenar coluna grego-romana afundada nas águas transparentes. Não só uma, mas dezenas de pedaços de templos, entre outras edificações levantadas há mais de 23 séculos em Hierápolis. Ali se buscava a cura para todos os males, atribuída não às propriedades das águas, mas aos deuses que as guardavam.
Bertha Maakaroun/EM
(foto: Bertha Maakaroun/EM)

Muito antes da popularidade atingida pelas águas de Pamukkale sob o domínio do Império Romano, no século 2 a.C., Hierápolis – que significa Cidade Santa – foi fundada pelos reis de Pérgamo, da dinastia atálida, após a morte de Lisímaco da Trácia, um dos generais e sucessores de Alexandre o Grande. Alguns de seus banhos públicos tinham capacidade para até mil pessoas. Localizada a cerca de 250 quilômetros de Pamukkale e Hierápolis, Pérgamo foi famosa principalmente por sua biblioteca, que só perdia em importância para a biblioteca de Alexandria: tamanha tradição que batizou o “pergaminho”.

Hierápolis foi cedida a Roma em 133 a.C. As águas de Pamukkale se difundiram e a cidade floresceu, atingindo o seu apogeu nos séculos 2 e 3 d.C., após ter sido destruída por um terremoto no ano 60 d.C. Entre os vestígios do período greco-romano estão, além das ruínas de banhos e de templos – como o de Apolo –, também um arco monumental, um anfiteatro e uma necrópole, onde foram encontrados cerca de mil túmulos.

Hierápolis tornou-se um bispado após a conversão ao Cristianismo pelo Imperador Constantino no ano de 330, quando Constantinopla tornou-se a capital do Oriente, portanto, a "nova Roma". Antes contudo, muitos cristãos foram perseguidos e martirizados, entre eles, São Felipe, em 80 d.C., precisamente na cidade de Hierápolis, para onde o apóstolo partiu com a esposa e filhas em pregação após a morte de Cristo. A partir de Constantino, a cidade se tornou centro religioso para o Império Romano do Leste, mantendo sempre o interesse pelas atividades termais.

Ali se buscava a cura para todos os males, atribuída não às propriedades das águas, mas aos deuses que as guardavam
 
 
Saiba mais no Blog 1001 LUGARES PRA SE VIVER. Acesse aqui  

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE TURISMO