Preservação ambiental vira roteiro de viagem

Apaixonados pela natureza buscam passeios que incluem contato com a fauna e a flora. Com isso, além de conscientizá-los, cientistas conseguem angariar recursos para os projetos

por Iana Caramori 31/05/2016 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Tamar.org.br
Turistas e moradores assistem à corrida das tartarugas para o mar em Fernando de Noronha (PE) (foto: Tamar.org.br)

Preservar o meio ambiente é uma prática cada vez mais necessária. Já está mais que comprovado que, a cada dia que passa, nosso planeta vem sofrendo com a degradação ambiental. As consequências são variadas: da elevação das temperaturas ao crescimento do nível do mar, do deslocamento forçado de milhares de pessoas à devastação de florestas e da biodiversidade, sem falar na extinção de plantas e animais. Para ajudar a frear os danos contra a flora e a fauna, projetos conservacionistas são criados ao redor do Brasil e do mundo.

A ideia principal desses programas é preservar uma espécie animal ou um bioma e realizar pesquisas que contribuam com a recuperação do hábitat. Em alguns dos projetos, o viajante é mais do que bem-vindo para participar.

Icmbio.gov.br
Funcionário do projeto Tamar alimenta tartaruga em uma das bases do projeto (foto: Icmbio.gov.br)

O Projeto Tamar é um dos trabalhos de conservação marinha mais tradicionais do Brasil. No fim da década de 1970, estudantes da Faculdade de Oceanografia da Universidade Federal do Rio Grande (Furg) se juntaram para pesquisar o litoral e as ilhas brasileiras. Durante uma noite de exploração, os alunos viram pescadores matando tartarugas nas areias das praias. A partir do acontecimento, percebeu-se a importância da conservação da vida marinha. Em 1980, nascia o Projeto Tamar, pelo então Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal (IBDF).

Hoje, as principais missões do programa são a preservação, a conservação e o manejo de cinco espécies de tartaruga marinha ameaçadas de extinção. As pesquisas são feitas em 1.100 quilômetros de praias, em áreas de alimentação, desova, crescimento e descanso desses bichos no litoral e em ilhas de nove estados brasileiros. O turista que quiser conhecer melhor o trabalho dos pesquisadores pode visitar as dependências do Projeto Tamar, ver de perto algumas espécies e participar de campanhas de conscientização.

Reprodução da internet
A Associação Peixe-Boi, em Alagoas, conserva Rio Tatuamunha, santuário dos animais (acima). Na Bahia, o Instituto Baleia Jubarte tem réplicas dos animais e organiza expedições para observar as gigantes do mar (foto: Reprodução da internet)
» Santuário preservado

Para estimular o turismo consciente e responsável, um grupo de guias comunitários de Porto de Pedras – cidade a 109 quilômetros de Maceió (AL) – fundou a Associação Peixe-Boi, em 2009. Entre os trabalhos desenvolvidos pelo projeto estão a educação ambiental nas escolas da região e o turismo de observação da espécie no Rio Tatuamunha, considerado santuário dos bichos.

O peixe-boi-marinho é ameaçado de extinção, considerado em “perigo crítico” pelo Ministério do Meio Ambiente desde 1989. A associação luta contra a pesca criminosa e acidental, a destruição dos hábitats e a poluição. De acordo com o projeto, existem apenas 500 peixes-boi vivendo no Brasil.

Reprodução da internet
Riqueza da Pagatônia Chilena (foto: Reprodução da internet)

Na Bahia, expedições são organizadas, de julho a outubro, para observar de perto o comportamento das baleias jubartes. Hoje, o passeio – realizado pelo Projeto Baleia Jubarte – é possível graças ao fim das atividades de caça, que leva a um aumento da população da espécie marinha. Em 2014, as baleias-jubarte conseguiram sair da lista brasileira de animais ameaçados de extinção. Antes de embarcar nos cruzeiros de observação, é possível conhecer o Espaço Baleia Jubarte. O local tem réplicas em tamanho real de várias espécies do animal, além de painéis informativos e programas de educação ambiental. O objetivo do projeto, ao levar os turistas ao alto-mar, é sensibilizar e aproximar o visitante das baleias.

» Conheça mais sobre as iniciativas

• Associação Peixe-Boi
Onde: Porto das Pedras, Alagoas

• Espaço Baleia-Jubarte
Onde: Mata de São João, Bahia


Reprodução da internet
The Burren and Cliffs of Moher Geopark, parque localizado em Ennistimon, na Irlanda. (foto: Reprodução da internet)
» Riqueza da Patagônia chilena

Além da proteção dos animais, o trabalho de preservação da natureza pode estar voltado também para a flora. Na Patagônia chilena, por exemplo, a Reserva Biológica de Huilo-Huilo tem como missão preservar o meio ambiente, buscando envolver os locais e os visitantes na tarefa. Aberto à visitação em 2000, o local tem uma grande estrutura de hospedagem, agradando a quem procura conforto até aqueles que preferem acampar na natureza. A reserva oferece, ainda, atividades como navegação pelo Lago Pirehueico, passeio ao topo do vulcão Mocho-Choshuenco, cavalgadas, tirolesa, trilhas, banhos de cachoeira (foto), além de esqui e snowboard durante o inverno.


da internet
Deserto australiano (foto: da internet)
» Cultura local valorizada

De uma parceria entre o setor privado, moradores e autoridades, nasceu o The Burren and Cliffs of Moher Geopark, parque localizado em Ennistimon, na Irlanda. Além de proteger a fauna e a flora regional, o objetivo da iniciativa também é manter viva a cultura local. Uma das intenções do projeto é integrar os viajantes na causa da preservação ambiental. É possível fazer canoagem, trilhas – a pé ou de bicicleta –, surfar e explorar cavernas. Apreciar a vista dos morros, penhascos e lagos da região também é uma boa pedida. A missão dos ambientalistas é envolver o visitante para que entenda a importância da conservação do meio ambiente ao entrar em contato com a natureza. Quem quiser mergulhar ainda mais na cultura irlandesa também pode conhecer as pequenas vilas das redondezas.

» Deserto australiano

O Wild Bush transformou mais de 24 mil hectares do deserto australiano – o outback – em área de conservação ambiental. Antes uma fazenda de ovelhas abandonadas, hoje o local recebe hóspedes em cinco casas reformadas para aprender práticas sustentáveis, como economia de água e uso de energia solar. Entre as atividades desenvolvidas pensando nos turistas estão trilhas, pesca, passeios de barco e observação de pássaros. O trabalho do grupo precisou restaurar o ecossistema degradado da região. Entre os desafios estão erradicar plantas não nativas sem o uso de pesticidas e separar animais da região de outras espécies que competem por comida e espaço na natureza.

» Invista nessas aventuras
• Huilo-Huilo
Onde fica: Región de los Ríos, Chile

• Burren and Cliffs of Moher Geopark
Onde fica: Ennistimon, Irlanda

• Wild Bush
Onde fica: Flinders Ranges National Park,
Blinman, Austrália

Início da soltura dos filhotes

» Família protegida

As tartarugas-cabeçuda, tartarugas-de-pente, tartarugas-de-couro, tartarugas-verde e tartarugas-oliva são o principal foco da iniciativa.

» Passos largos


Confira as cidades-sede do Projeto Tamar:
• Fernando de Noronha/PE
• Oceanário de Aracaju/SE
• Praia do Forte/BA
• Arembepe/BA
• Guiriri/ES
• Regência/ES
• Vitória/ES
• Ubatuba/SP
• Florianópolis/SC

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE TURISMO