Viajar sozinho é descobrir o prazer da própria companhia

A experiência pode proporcionar autoconhecimento e desenvolvimento de aptidões como confiança e independência. Embarque nessa aventura

por Laisa Queiroz 09/03/2016 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
arquivo pessoal
Camila Marques, de 24 anos, que mora em Berlim fazendo estágio, gosta de viajar sozinha pelo mundo. Na foto, ela está na Rope Bridge, na Irlanda do Norte (foto: arquivo pessoal)

Com rotinas cada vez mais atribuladas e o aumento do nível de estresse em quase toda parte do mundo, as tradicionais viagens de férias em família começaram a dar espaço a outros tipos de passeio. Nos últimos anos, viajar sozinho se tornou popular. Não depender de ninguém para escolher o que fazer, quando e para onde ir, descansar de verdade (sem ter que conciliar gostos distintos em um mesmo roteiro), refletir sobre a vida e – quem sabe? – conhecer gente nova pelo caminho são os principais ingredientes desse tipo de experiência, que deixou de ser visto como falta de opção e passou a ser uma escolha com muitos adeptos.

Mas eis a questão: viajar sem companhia é para todos? Segundo a psicóloga Andrea Pavlovitsch, sim. “Não recomendo para quem vive situações emocionais muito graves, como depressão profunda e síndrome do pânico. Mas, se você goza de boa saúde, por que não? É ótimo, inclusive, para pessoas tímidas, que podem mudar seu padrão em uma experiência como essa.” Foi o caso da estudante Camila Marques, de 24 anos. “Tinha dificuldade de socializar, mas precisei me virar, conversando com desconhecidos, e acabei vencendo a timidez.”

Andrea explica que, quando estamos sós, tendemos a nos comunicar melhor e a ficar mais abertos para o mundo. “Mas você pode tentar aos poucos: vá ao cinema sozinho, depois a um restaurante, a uma festa e, por fim, encare uma viagem”, indica. A também psicóloga Thirza Reis ressalta que a pessoa não deve se sentir obrigada a fazer uma jornada desse modo, mas que, se essa for a escolha, há uma série de benefícios. “É um processo de autoconhecimento que passa pela desconstrução de si. Quando estamos sozinhos em lugares onde ninguém nos conhece, perdemos a vergonha de fazer o que queremos e a obrigação de agradar aos outros, então somos mais espontâneos. Expomos nossas fragilidades e também descobrimos que somos capazes de fazer muito sem a ajuda de ninguém. Isso é empoderador.”

Dificuldades Uma das habilidades desenvolvidas em viagens mais solitárias, segundo Andrea, é a autoconfiança. “Temos que resolver os problemas que aparecem sozinhos, como a possível dificuldade com uma língua diferente, sem ninguém para nos ajudar o tempo todo, e percebemos o quanto somos capazes”, defende. Para ela, isso faz com que a autoestima também aumente, assim como o senso de sobrevivência.

“Melhora muito a nossa capacidade de tomar decisões, principalmente em viagens para lugares distantes, pois o contato com outras culturas pode nos fazer confrontar nossas crenças e ter que fazer escolhas difíceis”, afirma Andrea. Por fim, segundo Thirza, o medo da solidão, um grande mal deste século, deixa de ser um fantasma.

O ideal, para a psicóloga, é que as pessoas tragam para o cotidiano tudo o que aprenderam na viagem. “Se em outros lugares você se sente à vontade de ir a um restaurante sozinho, por que não fazer o mesmo em Brasília, onde muita gente é solteira e mora só, e deixar de se preocupar com os outros?”, questiona Thirza.

RISCOS Para o gerente de Produtos da seguradora Assist Card, Volnei Veronese, escolher um seguro-viagem que se adeque ao seu perfil é importante. “Temos planos em que mandamos um médico no hotel, caso a pessoa não tenha condições de sair, e monitoramos o atendimento. Também, em caso de internações, há a opção de deslocar um parente para o local, com passagens e hospedagem sem custo adicional, o que é muito interessante para quem viaja sozinho.” Aos que planejam praticar esportes radicais, também é interessante fazer um seguro específico, que inclua a cobertura de acidentes para essas atividades. “Pela nova regulamentação dos seguros-viagem, que entra em vigor este mês, esse item vai ser obrigatório, mas, por enquanto, os planos assistenciais mais básicos normalmente não cobrem esportes”, diz.

A psicóloga Thirza Reis sugere que, para se manter em segurança, o ideal é sempre deixar alguém avisado dos seus planos. “Pode ser o recepcionista do hotel ou hostel onde você se hospeda ou mesmo parentes e amigos que ficaram na sua cidade. Caso você não volte por algum motivo, alguém vai saber, pelo menos, onde você esteve por último.” A blogueira de viagens Roberta Martins lembra que os brasileiros, normalmente, saem na frente quando o assunto é cuidados com a segurança. “Somos mais atentos. Sabemos que não é legal ficar com o celular ou a câmera expostos em qualquer lugar e que é sempre bom andar com um documento”, opina.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE TURISMO