Por dentro da Suíça mineira

Embora o clima frio - até mesmo nas estações mais quentes do ano - faça do destino um dos preferidos pelos casais, há opções de lazer para famílias curtirem a natureza e as delícias típicas locais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Reprodução da internet
Cidade chega a registrar graus abaixo de zero no inverno (foto: Reprodução da internet)
Casais caminham abraçados pela avenida principal, restaurantes com ambiente à luz de velas, pousadas deliciosas e chalés com lareiras fazem de Monte Verde, pequeno vilarejo no Sul de Minas, um dos destinos brasileiros mais procurados pelos apaixonados. Sim, eles são maioria por lá, mas isso não significa que outras tribos não tenham o que fazer na conhecida “Suíça Mineira”. As atrações para as famílias, inclusive para as crianças, estão por todas as partes. E elas vão além dos hotéis-fazenda. Trilhas, tirolesa com emoção, arvorismo, patinação no gelo, passeios a cavalo, de quadriciclo, de carro 4x4 e de trenzinho. A Avenida Monte Verde, chamada de “avenida principal”, é o ponto de partida para a maioria das atividades. Ali ficam empresas que promovem os passeios motorizados e de city tour.

» Aventura para todos
Quem tem filhos pequenos pode encontrar boa acolhida na Chácara Adélia, espaço com muito verde e acesso fácil a partir da avenida principal. Ali, as crianças podem se divertir na cama elástica, na tirolesa e no arvorismo ou observando pássaros e curtindo o balanço nas redes penduradas sob as árvores. Porém, o espaço só funciona nos meses de férias. Na Fazenda Radical, a cinco uilômetros de Monte Verde, só a chuva pode atrapalhar a aventura na megatirolesa. Com dois trechos (a ida tem 450m de comprimento e 65m de altura; e a volta com 475m de comprimento e 75m de altura) é a principal atração do local. A experiência custa R$ 65 por pessoa e o único pré-requisito é ter o peso mínimo de 40kg, para o ajuste do equipamento ao corpo. Há ainda um percurso com oito vias de arvorismo (R$ 55), que termina em uma parede de escalada (R$ 20), arco e flecha (R$ 25) e passeio de quadriciclo (R$ 120) por um trecho de 13quilômetros dentro da fazenda que, no passado, era produtora de maçãs. E não vá embora sem pedir aos instrutores para levá-lo a um ponto próximo da sede, de onde se tem uma bela vista do Pico do Selado, o mais alto da região, com 2.082m de altitude e também o de mais difícil acesso. “Daqui o pico parece um gigante deitado”, compara o guia Maurício Magrini, que há 13 anos trabalha no local.

Reprodução da internet
Belezas naturais da região também atraem muitos turistas a Monte Verde (foto: Reprodução da internet)
» Natureza 360 graus

Quem gosta do contato com a natureza deve reservar um período para conhecer ao menos um dos picos de onde se avistam os inconfundíveis cenários repletos de verde da Serra da Mantiqueira. Mesmo quem não tem experiência em trekking, mas tem fôlego ou boa vontade para caminhar, pode seguir adiante, porém água e tênis são imprescindíveis. Três picos têm trilhas consideradas fáceis: o Platô e a Pedra Redonda – ambos a 1.990m de altitude – e o Chapéu do Bispo, a 2.030m. Mas é a Pedra Redonda o destino preferido dos turistas. Para o turista que não quer forçar os joelhos nas subidas e descidas, a alternativa é a Trilha do Pinheiro Velho, que tem dois quilômetros, é plana e tem acesso fácil, por ficar paralela à Avenida Monte Verde.

» Coma bem e sem culpa
Com tantas possibilidades de caminhada e demais atividades possíveis, é bom saber que a fome pode ser exterminada com muitas delícias. À noite, as fondues dominam a preferência dos visitantes. Há versões bem servidas para duas pessoas nos sabores carne, queijo, truta e chocolates preto ou branco, além dos rodízios que custam em média R$ 60. O Restaurante Mont Vert faz jus à fama de servir um dos melhores do lugarejo. Outro restaurante que dá para ir de olhos fechados é o Di Venetto. Além da berinjela ao forno (R$ 80 para duas pessoas), vale provar o cordeiro à moda do chef (R$ 200 para três pessoas), servido com legumes. O lugar também é perfeito para tomar um vinho calmamente, apreciando a paisagem. Guloseimas locais são imperdíveis: caso das prímulas, um doce reparado com duas bolachas de gengibre (uma receita alemã), recheadas com uma fina camada de doce de leite e coberta com chocolate – a iguaria ainda tem um leve toque de cravo e canela. Para prová-la, é preciso visitar a loja de chocolates Gressoney, que fica no começo da Avenida Monte Verde. Para os amantes de um bom chocolate quente ou café, a loja Chokomel, também na avenida principal, é uma parada obrigatória.

» Calma e tranquilidade
Depois de ceder a tantos apelos gastronômicos, vale passear calmamente pelo Centro, visitando as lojas e galerias e se programar para uma parada obrigatória para quem gosta de dar boas risadas. No Atelier Monte Verde, os artesãos Bernardo Guimarães, um sul-africano que vive há 20 anos em Monte Verde, e a mineira Mônica Dantas se inspiram nos acontecimentos do cotidiano para criar as divertidas placas e também as fazem personalizadas. Custam em média R$ 22. No local ainda há quadros inspiradores, artesanato decorativo em madeira e plaquinhas com números para colocar nas casas.

SERVIÇO
Central de Reservas: (35) 3438-2588 ou www.monteverde.com.br
Associação de Hotéis e Pousadas de Monte Verde: (35) 3438-1839 ou www.ahpmv.com.br

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE TURISMO