Você é marinheiro de primeira viagem?

Estar atento a visto, compra da moeda, vacinação, reserva de refeição especial (se necessário) e check-in on-line são dicas básicas para quem nunca viajou de avião

por Estado de Minas 30/09/2015 07:01

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Reproducao da internet
(foto: Reproducao da internet)
Se você ainda é novato (a) em voar, é importante saber o que precisa fazer na hora de uma viagem para fora do país. Mesmo que seja um viajante frequente, vale a pena rever algumas dicas, para não ter nenhuma dor de cabeça. O primeiro passo é descobrir se o destino para onde você vai exige visto. No caso de um voo direto, basta ver a obrigatoriedade no país de destino. Mas se houver conexões, os países por onde você passa também devem ser considerados.

Alguns vistos podem demorar para sair. Então, o ideal é fazer todo o processo com alguns meses de antecedência.O check-in pode ser feito on-line 24 horas antes da partida, o que evita filas. “No aeroporto, a pessoa pode se encaminhar direto para o balcão no qual despacha a bagagem, com filas bem menores. Algumas companhias aéreas também possibilitam que o passageiro acumule milhas extras caso faça o check-in on-line”, explica Giana Verde, gerente do Departamento Aéreo da CI – Intercâmbio e Viagem.

Não se atrase Chegue ao aeroporto com duas horas de antecedência, especialmente se for um aeroporto grande, com muitos portões de embarque, e também porque passar pela Polícia Federal, onde você apresenta o passaporte, aumenta o tempo de percurso em relação aos voos domésticos. Fique atento aos painéis, pois mudanças de portão ocorrem com frequência.

Ao chegar a um destino internacional, antes de pegar as malas o passageiro passa pela imigração. “É importante ter todos os documentos em mãos, como comprovante de vacina, caso seja necessário, passaporte, e outros que comprovem onde vai ficar durante o período de estada no país e comprovante de passagem de ida e de volta”, acrescenta Giana.

Restrições alimentares No Brasil, em viagens domésticas curtas, empresas como a Azul, Gol e Avianca costumam oferecer lanches genéricos (salgadinhos, sanduíches, etc.) como cortesia para os passageiros. Nos voos internacionais, mais longos (com pelo menos duas horas e meia de duração) e que exigem um maior cuidado com a alimentação, as refeições são garantidas e o melhor: podem ser modificadas às restrições alimentares de cada um.

Se você segue uma dieta vegetariana, vegana, kosher, halal, hindu, light, sem glúten, sem lactose, sem alérgenos ou adaptada a diabéticos, entre outras, não se preocupe. As companhias aéreas normalmente têm uma opção para você. Mas é necessário reservar esses tipos de refeição pelo site da empresa com antecedência. Na maioria, o prazo mínimo do pedido é de até 48 horas antes da partida, como na Air France. Algumas deixam o cliente pedir com apenas 24 horas para o início do voo, como a Iberia, ou até com 12 horas, caso da Delta, mas há as que podem cobrar até 96 horas, como a Japan Airlines. Então, o melhor é reservar a refeição assim que comprar a passagem, para não ter erro.

Vale ressaltar que, em muitas companhias, as refeições chamadas especiais não são tão apetitosas quanto as “normais”. É muito comum, por exemplo, que um prato vegetariano venha com pouquíssimo tempero e apenas com ingredientes de baixa caloria (o que não tem, necessariamente, a ver com a dieta). Mas, ainda assim, melhor pedir uma comida sem graça do que correr o risco de não ter o que comer lá em cima.

 

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE TURISMO