Viagem para quem ama a natureza

Onde o passado e o moderno se encontram, surge o encantamento. Assim é as Ilhas Maurício, que desperta o fascínio no primeiro olhar. Quem vai quer voltar

por Thaís Paranhos 08/09/2015 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Juliana Saad/Divulgação
O fim de tarde proporciona um espetáculo maravilhoso aos turistas que escolhem viajar para as Ilhas Maurício (foto: Juliana Saad/Divulgação)

O cenário paradisíaco faz um convite aos apaixonados. Hotéis luxuosos, mar de água cristalina, bangalôs em meio à areia branca. Não é à toa que as Ilhas Maurício, no Oceano Índico, distante dois mil quilômetros da costa africana, sempre figuram entre as listas dos destinos mais procurados para lua de mel. Mas esse país de aproximadamente 1,2 milhão de habitantes tem muito mais a oferecer aos visitantes, que somam 1 milhão durante todo o ano. Quem viaja às Ilhas Maurício pode curtir, além da praia, os esportes aquáticos e de aventura, os passeios de barco, os safáris marítimos, a natureza e um pouco de história.

Com uma extensão de 65 quilômetros, o visitante pode explorar o país de norte a sul – mas tenha cuidado com a mão inglesa, é mais aconselhável contratar um serviço de transporte. Porém, um motorista habilitado no seu país tem autorização para conduzir. As Ilhas Maurício, cuja a capital é Port Luis, foram descobertas pelos portugueses no início do século 16. Mas os holandeses foram os primeiros colonizadores. O nome veio daí, uma homenagem a Maurício de Nassau. Nos séculos seguintes, mais precisamente nos séculos 18 e 19, franceses e ingleses também brigaram pelo território. Os franceses aceitaram sair do país, mas exigiram que os costumes fossem preservados entre a população. As duas línguas se tornaram oficiais. Dentro de casa, no trabalho, no entanto, o francês é o mais usado. Mas nos hotéis o turista encontra facilmente funcionários que dominam o inglês.

As Ilhas Maurício tiveram também grande influência asiática, seja na culinária, nas tradições, seja na religião. Encontrar um templo hindu em um passeio pela ilha pode chamar a atenção do turista. Os visitantes devem mostrar respeito e retirar os sapatos e cintos de couro ao entrar em templos de qualquer religião. Metade da população tem origem indiana. Os imigrantes chegaram na metade do século 19, com o fim da abolição da escravatura, em busca de uma vida melhor. Muitos foram trabalhar nas plantações de cana-de-açúcar, carro-chefe da produção local. O açúcar e alguns produtos derivados como o rum são uma grande fonte para a economia local. O país também tem tradição na comercialização de chás.As praias são, sem dúvida, o maior atrativo do país de clima tropical. Elas ficam cercadas por uma barreira de corais, que deixa as águas calmas próximo à areia e favorece os mergulhos. A temperatura no verão chega a atingir os 30ºC e, no inverno, a máxima pode chegar aos 27º C, enquanto a mínima não passa dos 19ºC nos termômetros.

SERVIÇO
» Como chegar

Para chegar às Ilhas Maurício, saindo do Brasil, o visitante pode optar por uma conexão em Johannesburgo, na África do Sul. De São Paulo a Johannesburgo, são cerca de nove horas de viagem. Da cidade africana até as Ilhas Maurício, são mais quatro horas de voo. Fique atento ao fuso horário, são duas horas a mais no país em meio ao Oceano Índico. Também saem voos da Europa com destino à ilha, principalmente da França.

» Como entrar
Brasileiros não precisam de visto. Mas é necessário tomar a vacina de febre amarela com, no mínimo, 10 dias de antecedência. O viajante que não estiver imune deve procurar um posto de saúde mais próximo. Depois, é preciso procurar o posto da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para retirar o Certificado Internacional de Vacina.

» Onde se hospedar
A rede Beachcomber oferece hotéis de luxo aos turistas. O quarto mais simples pode sair a R$ 1,1 mil para o casal por dia em um dos estabelecimentos. Em outro mais luxuoso, a diária na alta temporada pode ultrapassar os R$ 4 mil no quarto mais simples. Alguns lugares oferecem diárias all inclusive, assim como nos destinos
mais procurados por brasileiros no Caribe, por exemplo.

» Para fazer compras
Nas principais cidades, o horário comercial é das 9h30 às 19h30, de segunda a sábado. Algumas lojas abrem até o meio-dia aos domingos e feriados. Nas quintas-feiras à tarde, não há lojas abertas em Rose-Hill, Curepipe e Quatre Bornes.

» Moeda
A moeda do país é a rúpia, mas em alguns lugares é possível pagar com dólares ou euros.

» Electricidade
220 volts.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE TURISMO