Stonehenge: a imponente obra de 5,5 mil anos

Patrimônio mundial da humanidade, monumento é fruto de um projeto de engenharia do período neolítico, cuja compreensão ainda não teve consenso nem entre seus maiores estudiosos

por Paloma Oliveto 27/05/2015 00:07

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Monumento foi criado com arenitos típicos das planícies do condado de Wiltshire: sarsen, que pesam em média 25 toneladas, e as bluestones, estruturas menores, com até cinco toneladas
Stonehenge – A Inglaterra mística não se esgota em Glastonbury. Ainda no Sudeste britânico, no meio de uma rodovia, ergue-se, majestosamente, o círculo de pedras de Stonehenge. Imponente, misterioso, testemunho de um período em que as forças da natureza eram divinas para o homem, o monumento, de 5,5 mil anos, atrai visitantes que, mesmo sem compreender exatamente seu significado – nem os estudiosos chegaram a um consenso –, sentem-se magnetizados pela edificação.

Para começar, Stonehenge impressiona por ser uma obra-prima da engenharia do neolítico. O monumento foi construído com dois tipos de pedra: um grande e pesado arenito típico das planícies do condado de Wiltshire, conhecido como sarsen, e as bluestones, estruturas menores que compõem a parte interna do círculo. Em média, as sarsen pesam 25 toneladas e, segundo arqueólogos, foram transportadas desde Marlborough Downs, a 32 quilômetros de distância. Já as bluestones pesam de 2t a 5t e também foram carregadas até o lugar onde se ergueu o círculo. O trabalho de polir, levantar e encaixar as pedras certamente exigiu não só força, mas um sofisticado conhecimento técnico.

A maior parte das pessoas que vai até esse patrimônio mundial da humanidade, porém, é mais atraída pelo significado do círculo que pela arquitetura. Poucos monumentos antigos foram alvo de tantas especulações e teorias. Há quem defenda que o propósito inicial fosse coroar reis, outros dizem que seria um templo druida ou um instrumento astronômico, para prever eclipses e outros eventos. Também poderia ser um centro de cura, um cemitério ou um memorial dos ancestrais. Atualmente, a interpretação mais aceita é a de um templo pré-histórico alinhado com os movimentos do Sol – no solstício (dezembro e junho), uma multidão vai até lá observar o astro e celebrar rituais pagãos, bem à moda neolítica.

Para conhecer melhor a história de Stonehenge, resista à tentação de correr até o monumento e faça primeiramente um tour pelo museu, localizado no centro de visitantes. Há cerca de 300 objetos arqueológicos escavados no círculo e nas proximidades, que explicam as principais teorias e inserem a edificação no contexto da época.

GUIA

COMO CHEGAR

» Glastonbury fica em Somerset, a 50 quilômetros de Bristol. Para quem sai de Londres, há linhas diárias que partem da estação de Victoria, com duração média de três horas e meia. Horários e rotas em http://coach.nationalexpress.com. As linhas de trem desde a capital inglesa vão até Bristol, a partir da estação de Paddington. Depois, é preciso pegar um ônibus até Glastonbury. Informações: www.thetrainline.com.

» Para quem vai a Stonehenge, o ideal é alugar um carro ou partir de Salisbury, de onde sai o transporte público até o monumento. De trem, são 19 quilômetros e os horários podem ser consultados em www.nationalrail.co.uk. De ônibus, a viagem dura 30 minutos e tem saídas a cada 15 minutos. Horários em www.salisburyreds.co.uk. Desde Londres, diversas agências de viagem oferecem tours de meio dia com transporte, ingresso e guia.

CIRCULE

» O Centro de Glastonbury, onde estão as lojas e a abadia, pode ser descoberto a pé. Para ir ao tor, é preciso pegar um táxi.

» Os ônibus param em frente ao Centro de Visitantes de Stonehenge, onde há um amplo estacionamento. De lá, há transporte próprio da atração até o círculo de pedra.

ONDE FICAR

» Glastonbury pode ser visitada em um dia, mas, para quem deseja se hospedar lá, o centro de turismo da cidade tem recomendações de campings, alojamentos, pousadas e hotéis com preços variados: www.glastonburytic.co.uk.

ONDE COMER

» O Hundred Monkeys, em Glastonbury, é frequentado pelo pessoal alternativo, que se preocupa com a origem dos alimentos e a sustentabilidade local. Os pratos servidos no café são à base de ingredientes orgânicos de produtores da região. Há opções de vinhos e cervejas orgânicos, assim como pratos vegetarianos e veganos, a partir de 7,5 libras. Informações em: www.hundredmonkeyscafe.com.

» Há uma praça de alimentação no Centro de Visitantes de Stonehenge.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE TURISMO