Com crise econômica, Grupo Corpo busca o apoio financeiro dos fãs

Companhia de dança, que tem como principal patrocinadora a Petrobras, está atrás de alternativas para driblar momento ruim

por Márcia Maria Cruz 25/10/2016 08:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Os mineiros costumam transbordar de orgulho ao ver os bailarinos do Grupo Corpo em cena, mas muitos, certamente, temem que ele possa ser afetado pela crise da Petrobras, a maior patrocinadora de suas atividades.

José Luiz Pederneiras/Divulgação
Com 41 anos, o Grupo Corpo busca diversificar parcerias para financiar as suas atividades (foto: José Luiz Pederneiras/Divulgação)

Com 41 anos, a companhia, de renome internacional, é sinônimo de excelência. Sempre manteve sua base em Belo Horizonte, onde cativou público fiel.

Diante da crise econômica, o grupo criou a rede Amigos do Corpo, com o objetivo de estimular o fã a contribuir para sua manutenção. Para apresentar a proposta, a companhia convidou admiradores para conhecer sua “cozinha”, onde espetáculos são gestados e preparados.

 

“É algo muito novo, mas estamos muito felizes com o retorno”, afirma a diretora de programação Cláudia Ribeiro. “É um patrocínio genuíno. Uma maneira de cada cidadão decidir para onde vai um pedaço do seu Imposto de Renda.”

Na sexta-feira, apoiadores foram apresentados ao projeto depois de assistir ao ensaio de Parabelo, na sede da companhia, no Bairro Mangabeiras. Amanhã, haverá outra sessão.

 

“O país está em crise. Quebramos a cabeça para buscar novas formas de sustentabilidade”, explica Cláudia. Em 2000, a Petrobras se tornou patrocinadora exclusiva do Corpo, cuja manutenção anual custava R$ 15 milhões – R$ 10 milhões a cargo da estatal. Os outros R$ 5 milhões vinham de apresentações e de turnês.

PARCERIAS

Com a redução dos recursos repassados pela estatal para R$ 2,5 milhões, o Corpo passou a contar com outros parceiros. “A queda não foi de uma vez. Foi aos poucos”, relata a diretora de programação. Diante desse cenário, o grupo buscou diversificar os financiadores.

 

Entre eles estão Itaú Cultural, Unimed e governo de Minas, por meio da Cemig. Ainda assim, é urgente encontrar outras fontes de receita. Com base em experiências bem-sucedidas do Instituto Unimed, Inhotim e Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, a companhia decidiu recorrer à doação de pessoas físicas, por meio do Imposto de Renda.

O processo é simples, acessível a qualquer um que tenha recebido rendimentos tributáveis que superem o valor a ser estipulado pela Receita.

 

Pessoas físicas podem destinar até 6% do imposto devido a pagar ou a restituir para projetos da Lei Rouanet. A destinação deve se dar no ano-base do Imposto de Renda. Ou seja, quem desejar usar o imposto em 2017 precisa fazer a opção até o fim deste ano.

De acordo com Cláudia, é como se a pessoa “emprestasse o valor, devolvido quando é feita a declaração”. Simulações podem ser feitas no site www.amigodocorpo.com.br. A pessoa indica o projeto ao qual deseja destinar seu dinheiro. O grupo emite um recibo, que deverá ser apresentado no momento da declaração.

 

“É uma forma de alimentar a economia criativa sem pagar nenhum tostão a mais. A pessoa desembolsa o valor até dezembro e o recebe de volta depois de abril do ano seguinte”, diz.

FOLDER

O público dos ensaios é formado por espectadores que acompanharam as apresentações recentes do grupo e, depois de receber folder explicativo, decidiram apoiar o projeto. Paulo Pederneiras, diretor artístico do Corpo, garante que a crise não influenciou o projeto artístico do Corpo. “Não alteramos em nada nossas produções e nem as viagens para o exterior. Tudo é feito da mesma forma”, afirma.

Pederneiras lembra que a Petrobras segue como a maior patrocinadora do grupo, mas observa que é preciso diversificar. Para se adaptar aos novos tempos, a companhia, com 67 funcionários (21 deles bailarinos), readequou seu orçamento. “Procuramos enxugar sem que isso afete a nossa produção e os compromissos”, diz.

O grupo apresenta, em média, 70 sessões por ano. Para estreitar o relacionamento, os apoiadores serão convidados a assistir aos ensaios em BH e a acompanhar o processo de construção dos espetáculos.

AMIGOS DO CORPO
Informações: www.amigosdocorpo.com.br e amigos@grupocorpo.com.br

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE TEATRO