Luta pela graça: Mariana recebe o 8º Encontro Internacional de Palhaços

Evento terá cortejos, espetáculos, circo e shows dedicados à arte circense de fazer rir

por Redação EM Cultura 22/09/2016 20:03

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Fotos: Naty Torres/Divulgação
8º Encontro Internacional de Palhaços começa nesta sexta-feira, 23, em Mariana. (foto: Fotos: Naty Torres/Divulgação)

 

Neste fim de semana, Mariana terá motivo especial para sorrir. De hoje a domingo, estará em cartaz o 8º Encontro Internacional de Palhaços, organizado pela companhia marianense Circo Volante .


O momento delicado por que passa a região desde o rompimento da Barragem de Fundão, no distrito de Bento Rodrigues, em novembro de 2015, não tira a alegria dos 100 palhaços que se apresentarão. Xisto Siman, o Xinxin, integrante da Circo Volante, garante: ''Temos uma cultura muito viva em Mariana. É o momento de a gente divulgar para Minas e o Brasil a cidade linda que ela é''. João Pinheiro, o Juaneto, concorda: ''Neste momento delicado, o encontro vem oferecer outra energia, outra disposição''.


 

Cortejos, espetáculos na rua e em espaços culturais, shows e DJs integram a programação. Entre os artistas estão a diretora Mariana Gabriel (de Minha avó era palhaço), a banda Pequena Morte e o grande homenageado: Biribinha. Alagoano, ele também atende por Teófenes Silveira. Tem 65 anos e 58 de carreira. Estreou no circo do pai, aos 7, na peça Marcelino, pão e vinho. Em 2015, recebeu o Prêmio Governador de São Paulo, escolhido por voto popular.

Biribinha aproveitará o espetáculo Magia, que apresenta amanhã, para homenagear o amigo e ator Domingos Montagner, outro palhaço, morto na semana passada. ''Falar de Domingos é falar de doçura'', comenta Biribinha, que participou da concepção de rádio varieté, da companhia La Mínima, de Montagner e Fernando Sampaio.

A história do circo brasileiro será lembrada pelo documentário Minha avó era palhaço. O título se refere à primeira história que a palhaça e cineasta Mariana Gabriel escreveu quando criança, mas o artigo no masculino não foi erro infantil. Xamego era sua avó, Maria Eliza Alves. Mariana diz que ela foi a primeira negra a atuar como palhaço no Brasil. ''Minha avó tinha uma coisa muito pra frente: ela realizava. Não que não tenha sofrido preconceito'', conta.

É frequente ouvir histórias de palhaços que escolheram o picadeiro por influência da família. É o caso de Biribinha, cujo nome é o diminutivo do nome artístico do pai, e de Juaneto. No caso da dupla Furreca e Lambreta, a tradição começou há pouco tempo. Francisco Dias, o Lambreta, tem apenas 8 anos. A estreia ao lado do pai, Eduardo Dias, o Furreca, ocorreu no encontro de Mariana. Eles homenagearam Dedé Santana com a performance da canção Papai eu quero me casar, d’Os Trapalhões.

 

PROGRAMAÇÃO

 

HOJE
Das 9h às 15h: Circo Irmãos Simões (Praça Gomes Freire). 10h: Artitude (Escola Wilson Pimenta Ferreira). 14h30: Cia. da Sorte (Escola Santa Godoy). 17h30: Carreata de palhaços (Centro Histórico de Mariana). 19h: Minha avó era palhaço (Sesi Mariana, Rua Frei Durão, 22). 20h: Récita poética e Tato Villanova (Praça da Sé). 21h: Cabaré (Praça da Sé). 22h30: Show de DJs (Praça Gomes Freire)

AMANHÃ

14h: Roda de palhaças (Praça Gomes Freire). 16h: Carreata de palhaços (Igreja São Pedro). 17h30: Cabaré Equilibrismos (Praça da Sé). 19h: Ey Pacha (Praça Gomes Freire). 19h30: Biribinha (Praça da Sé). 20h30: Artitude (Praça da Sé). 21h30: Cabaré dos homenageados (Praça da Sé).

DOMINGO
11h: Filme Minha avó era palhaço (Sesi Mariana). A partir das 14h30, na Praça Gomes Freire: Roda de palhaças, Cia. Circunstância, Mustacho, Turma do Biribinha e show da banda Pequena Morte.

Programação completa no link

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE TEATRO