Rafael Conde e Júlio Vianna lançam documentário sobre dois atores parceiros de trabalho e casamento

Em 'A verdade no olhar do ator que mente', dupla documenta os mesmos atores da peça, Maria Bonome e Rafael Protzner, durante o processo de criação do espetáculo

28/06/2016 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Bruno Pacheco/divulgação
(foto: Bruno Pacheco/divulgação)

Desde o longa-metragem Fronteira (2008), Rafael Conde estava sem filmar. Passou os últimos anos dedicado a um doutorado, dividido entre a Uni-Rio e a Universidade de Nova York. Pois sua pesquisa – sobre a presença do ator no teatro e no cinema – acabou gerando um novo projeto. Um não, três.

A brincadeira, pequeno conto de Anton Tchekhov, desdobrou-se em um espetáculo teatral, um curta e um documentário. Os dois primeiros, que levam o nome do conto, já foram apresentados de uma vez só – o filme era exibido durante a peça, que foi encenada até fevereiro. O documentário é que vem à tona agora. A verdade no olhar do ator que mente será lançado esta noite, no Museu da Imagem e do Som (MIS) Santa Tereza.

Para a empreitada, Conde se uniu a Júlio Vianna. Na peça, atuou como seu codiretor. No documentário, as funções se inverteram. Aqui, a dupla documenta os mesmos atores da peça, Maria Bonome e Rafael Protzner, durante o processo de criação do espetáculo. “Os atores são casados na vida real, então fizemos uma pesquisa com o casal, brincando com a fronteira entre a verdade (a vida) e a mentira (a peça)”, comenta Conde. O lançamento do documentário não encerra o projeto. Conde pretende ainda lançar o curta A brincadeira, com algumas modificações em relação ao que foi exibido durante a peça.

A verdade no olhar do ator que mente não é o único filme que será apresentado hoje. Conde ainda exibe hoje o curta Bili com limão verde na mão, lançado em janeiro, durante a Mostra de Cinema de Tiradentes.

Aqui, ele se volta para a ficção, adaptando para o cinema o livro homônimo de Décio Pignatari. “É a única história infantojuvenil que ele escreveu e achei uma oportunidade de trabalhar com animação”, comenta. O curta mistura captação direta com técnicas de animação.

A personagem principal é interpretada pela artista, compositora e cantora Sara Não Tem Nome. A história é um rito de passagem da infância para o mundo adulto. Bili foge de casa para visitar o sítio do avô, no outro lado da cidade e, no trajeto, passa por percalços que vão definir sua vida dali em diante.

LANÇAMENTO

A verdade no olhar do ator que mente, documentário de Rafael Conde e Júlio Vianna e Bili com limão verde na mão, curta de Rafael Conde. Hoje, às 20h, no MIS Santa Tereza, Rua Estrela do Sul, 89, Santa Tereza. Entrada franca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE TEATRO