Teatro físico revisita capitão Nascimento, de 'Tropa de Elite', debaixo do Viaduto Santa Tereza

Peça 'A tropa', trabalho do grupo Lage (SP), estreia hoje com apresentações na Savassi e no Parque Municipal. O tema da trama continua sendo a corrupção

por Walter Sebastião 23/05/2016 10:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Fit/Divulgação
(foto: Fit/Divulgação)
Ganha uma versão teatral a história do capitão Roberto Nascimento, personagem dos filmes Tropa de elite 1 e 2, um policial que combate a corrupção, mas, aos poucos, começa a desconfiar dos reais objetivos das ações que dirige. A peça se chama A tropa, trabalho do grupo Lage (SP) que estreia hoje debaixo do Viaduto Santa Tereza e tem apresentações na Savassi e no Parque Municipal. O tema da trama continua sendo a corrupção, mas como explica Joana Barbosa, diretora da montagem, é trazida para os dias atuais. É tragicomédia, que mescla drama humano e momentos cômicos.


Tropa, com duração de 40 minutos, não tem figurinos, cenários e a sonoplastia é feita ao vivo. E coloca três atores atuando em espaço mínimo: uma plataforma de um metro por 90 centímetros. Trabalha, como explica Joana Barbosa, com o teatro físico, defendido pelo francês Jacques Lecoq, que convida a ver o corpo como criador de espaços, sons, imagens, paisagens etc. A diretora conta que a sugestão de realizar teatro inspirado em filme é, inclusive, exercício proposto pelo teórico. “É um caminho que cobra do ator vigor, rapidez e maior expressividade. E faz o espectador trabalhar a imaginação”, acrescenta.

Com relação à rua como local para o teatro, Joana Barbosa conta que é um espaço que coloca o ator no calor de situação, que lida com muitos imprevistos “e que traz contato com pessoas das mais diversas classes sociais”, observa. Tropa é o segundo espetáculo de grupo que tem ainda no repertório vários esquetes, que são apresentados em ruas, hospitais e cabarés. O Lage, criado em 2012, reúne atores com formação em teatro físico, pesquisa também o uso de máscaras (inclusive com encontro anual para discutir a prática) e tem na educação para o teatro um dos seus fundamentos. “A articulação de teoria e prática contribui para a qualificação das artes cênicas”, justifica.

“Estudo e reflexão são muito mportantes para o ator, inclusive como qualificação expressiva. Existem técnicas das artes cênicas que não se aprendem só com a prática”, argumenta Joana Barbosa. Ela avisa que, para ela,  estudo não quer dizer só leitura de textos teóricos, mas também de poesia, ver outras peças, assistir a filmes etc. “Defendemos um ator poroso, isto é, aberto pra receber novos conhecimentos através do estudo e da observação da vida”, acrescenta.

A busca, continua a diretora, é de um ator mais expressivo, de corpo expandido, o que contribui para dar às artes cênicas um nível mais elaborado de comunicação artística. O que está nas aulas do grupo e no palco, como conta a diretora, é o convite para descobrir “a poesia do corpo”. O maior desafio posto a quem faz teatro, na opinião dela, é conquistar a sobrevivência trabalhando só com arte. “Como o Brasil dá pouco valor a seus artistas, eles se veem obrigados a ter outras atividades. E o desafio artístico é conquistar o público. Ter o público conectado com o que você está fazendo é difícil”, conta.


A tropa
Com o grupo Lage. Hoje, às 16h, embaixo do Viaduto Santa Tereza. Amanhã, às 16h, na Praça da Savassi (Rua Pernambuco, entre Av. Getúlio Vargas e Rua Tomé de Souza) e quarta-feira, às 15h, em frente ao Teatro Francisco Nunes, no Parque Municipal. Classificação 12 anos. Entrada franca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE TEATRO