Vera Fajardo estreia no cinema com 'Ronaldo, por favor', documentário sobre Ronaldo Brandão

Primeiro filme dela mostra a vida criativa do diretor de teatro, ator, crítico de cinema, jornalista e poeta mineiro, morto este ano

por Gustavo Werneck 23/05/2016 10:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Chico de Paula/Divulgação
(foto: Chico de Paula/Divulgação)
Um documentário afetivo para revelar, na tela, a vida criativa – e alguns porres bem-humorados – do diretor de teatro, ator, crítico de cinema, jornalista e poeta mineiro Ronaldo Brandão (1939-2016). Estreia hoje, às 20h, no Teatro Marília, em Belo Horizonte, em única apresentação no Festival Internacional de Teatro (FIT), o longa-metragem Ronaldo, por favor, dirigido, em sua primeira realização no cinema, pela atriz, diretora de teatro e produtora Vera Fajardo, mineira de Ubá radicada há 37 anos no Rio de Janeiro (RJ).


“Ronaldo foi minha inspiração na arte e na vida. Meu guru. Era uma pessoa à frente do tempo, multimídia pode-se dizer, quando essa palavra nem existia. Só descobri que era também poeta muito depois”, conta Vera, que finalizou o documentário em março, uma semana antes de Ronaldo Brandão morrer. “Sempre que ia a Belo Horizonte, almoçávamos juntos num restaurante da Rua Alagoas (Savassi). Agora, sinto muita falta. Ele trabalhou no Rio e em São Paulo, mas era de BH que mais gostava. Fazia parte da cultura da cidade”, diz a diretora, por telefone, do Rio.

A produção do filme começou em 2014 e Vera gravou imagens de Brandão “em toda a sua vivacidade intelectual”, algumas em mesa de bar. “Um dos momentos de que mais gosto é quando ele declara: ‘Minha vida é um litro aberto’. Na verdade, é um documentário amoroso, afetivo, que me enche de orgulho. As filmagens duraram cinco dias e o período foi muito mais divertido do que propriamente um trabalho”, explica a diretora. As imagens foram registradas pelo fotógrafo e editor do filme, Chico de Paula.

O título foi sugerido pelo homenageado, logo no começo das filmagens, ao citar a película Um sorriso, por favor: O mundo gráfico de Goeldi, do diretor mineiro José Sette Barros, no qual Brandão fez o papel do mestre da gravura. Dessa forma, a cena em que Ronaldo passa por uma porta abre o documentário.

Alternando entrevistas com cenas de filmes em que atuou, Ronaldo, por favor mostra imagens na casa do artista e locais que frequentava, um bar, o Edifício Maletta. Traz ainda uma encenação de si próprio, em cenário minimalista que reproduz a casa de Ronaldo no palco do Teatro Marília.

Com este recurso, a diretora explora a ambiguidade da personalidade de Ronaldo: ao mesmo tempo em que era absolutamente coerente cosigo mesmo, interpretava um personagem de si próprio. Assim, a arte e a vida, ficção e realidade são retratadas no filme, fiel ao objeto/pessoa retratado. A estreia no mesmo local da locação também tem referência especial, já que foi ali, no teatro da região hospitalar, no Bairro Santa Efigênia, que ele dirigiu várias peças e esteve em cena.

EFERVESCÊNCIA Ronaldo foi uma figura emblemática de BH, participando ativamente da efervescência cultural da cidade a partir de 1960. Entre seus principais trabalhos, como diretor de teatro, estão Calígula e Baal, ambos com o ator José Mayer, O beijo no asfalto, proporcionando a vinda de Nelson Rodrigues à capital, A margem da vida, Rapazes da banda, Doroteia, A mais forte e O arquiteto e o imperador da Assíria, entre outros. Na década de 1980, dirigiu, em São Paulo (SP), Tiro ao alvo, texto do mineiro Flávio Márcio, com Marco Nanini, Lilian Lemmertz e grande elenco.

O documentário tem direção de som de Ronaldo Gino, direção de arte e cenários do irmão de Ronaldo, o produtor cultural Luiz Otávio Brandão, que também assina os figurinos com a participação de Zeca Perdigão. A produção é de Vera Fajardo e José Mayer.


RONALDO, POR FAVOR
Exibição do documentário de Vera Fajardo. Hoje, às 20h, no Teatro Marília. (Avenida Alfredo Balena, 586, Santa Efigênia). Entrada franca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE TEATRO