Cancelamento de 'Sense8' mostra uma mudança de postura da Netflix

Trama foi cancelada após duas temporadas e deixou muitas perguntas em aberto

por Fernanda Guerra 02/06/2017 13:12
Netflix/Divulgação
Cena de episódio especial de Natal. (foto: Netflix/Divulgação)
Com uma produção sem fim, a Netflix coloca à disposição, semanalmente, títulos originais de modo a valer a assinatura na faixa dos R$ 20. Do contingente já expressivo de tramas do serviço de streaming, poucos são os títulos não renovados ou cancelados. Sense8, criada pelas irmãs Wachowskis (Matrix, 1999), entrou para a lista das exceções e foi interrompida pelo serviço. O anúncio oficial, nesta quinta-feira, 01º, o que gerou surpresa no público que já aguardava a confirmação da terceira.

''Depois de 23 episódios, 16 cidades e 13 países, a história do cluster Sense8 está chegando ao fim. É tudo o que nós e os fãs sonhamos que seria: corajoso, emocional, deslumbrante, ousada e muito inesquecível'', disse a vice-presidente de conteúdo original da Netflix, Cindy Holland, em comunicado oficial. A razão do cancelamento ainda é uma incógnita, visto que a popularidade da série era expressiva. A expectativa para a terceira temporada - um dos produtores havia sinalizado a possibilidade da sequência - era reflexo dos recursos narrativos da sequência, que deixou mistérios sem resolução.

A segunda temporada da série foi lançada no início de maio, com cenas gravadas na Parada da Diversidade em São Paulo, a maior do mundo. O elenco da produção chegou a participar das três últimas edições da Comic Con Experience - duas em São Paulo e uma em Pernambuco. Em todas, ficou provada a forte conexão com o público do Brasil.

A primeira série original da Netflix foi Lilyhammer, adquirida em 2012 pelo serviço de streaming após a estreia no canal norueguês NRK. Além de ''abrir as porteiras'' para a produção em massa, ela também foi a primeira a ser cancelada pelo serviço, em 2015. Recentemente, o fundador da Netflix comentou o processo de desistência de uma produção. ''Nós ainda cancelamos poucas séries. Eu sempre falo para a equipe de conteúdo que eles precisam tomar mais riscos, que eles precisam tentar coisas mais loucas e que nós temos que ter uma taxa de cancelamentos maior do que é'', disse Reed Hastings.

Ao que parece, a equipe escutou. Recentemente, a Netflix também anunciou o cancelamento da musical The get down, considerada uma das mais caras da televisão norte-americana. A primeira temporada da produção foi dividida em duas partes. No ano passado, a épica Marco Polo, também do ranking de produções de mais alto custo da indústria televisiva, foi interrompida pelo serviço. Desde a criação, a Netflix segue o caminho inverso da lógica da televisão. O serviço de streaming resgatava produções canceladas pelas emissoras convencionais - a maior parte por problemas de baixa audiência -, com o intuito de satisfazer nichos específicos e órfãos de séries. Na lista, estão Longmire, The killing e Arrested development.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SÉRIES E TV