Gentili e Porchat falam sobre febre de talk shows na TV

Multiplicação de programas inclui versões que revêem o formato e dá origem a paródias teatrais como 'Eduardo Sterblitch não tem um talk show', que estreia em BH

por Ana Clara Brant 19/05/2017 08:40

Gabriel Cardoso/Divulgação
O ator Charlie Hunnam no programa de Gentili (foto: Gabriel Cardoso/Divulgação)
Danilo Gentili tem o seu, assim como Fábio Porchat e Antonio Tabet. Marcelo Adnet e Rafinha Bastos também já tiveram um e, mais recentemente, foi a vez de Tatá Werneck, Gregório Duvivier e Pedro Bial estrearem os seus. O formato é simples. Um apresentador sentado em uma mesa com uma caneca a tiracolo. À sua frente, o entrevistado no sofá. Ao fundo, um cenário, geralmente mostrando a cidade onde o programa é gravado, e uma banda.


Os talk shows surgiram na década de 1950, nos Estados Unidos, e chegaram ao Brasil no fim dos anos 1980, com o Jô Soares Onze e Meia, no SBT/Alterosa. Quando migrou para a Globo, em 1999, o humorista e apresentador levou sua produção junto e ficou no ar até 2016. Curiosamente, foi nessa época que começaram a pipocar talk shows ou late shows por aqui.

Marcelo Adnet, com o seu global Adnight, que não teve muito êxito; Rafinha Batos e o Agora é tarde, na Band, também extinto; Fábio Porchat e o Programa do Porchat, na Record; Tatá Werneck e o elogiado Lady night, no Multishow; Gregório Duvivier e o Greg news, na HBO; além de Conversa com Bial, na Globo (com Pedro Bial). Um pouco antes desses, Danilo Gentili, no The noite, no SBT/Alterosa, e Antonio Tabet, com o Show do kibe, no canal a pago TBS, já surfavam nessa onda.

“É como se as emissoras, de repente, tivessem descoberto uma fórmula de sucesso. Os principais canais de TV, principalmente os abertos, resolveram investir nesse formato e vão extrair dele o máximo possível”, analisa Nilson Xavier, especialista em teledramaturgia brasileira e autor do Almanaque da telenovela brasileira.

Danilo Gentili, que estreou seu programa em março de 2014, conta que, quando levou o projeto à Band, canal em que estava antes de ir para a emissora de Silvio Santos, ficou dois anos convencendo-os de que teria espaço na TV brasileira para um talk show. “Eles diziam que, sem estar na Globo, não daria para fazer, por causa do casting. Acredito que a equipe do The noite criou uma maneira de fazer tudo isso acontecer. E acabamos vencendo a Globo. Acho que o trabalho e dedicação das pessoas que fazem o The noite acabou inspirando as outras emissoras a tentarem fazer o mesmo”, opina.

Para Porchat, no ar desde o meio do ano passado, a impressão de que há muita gente fazendo talk show é porque sempre houve poucos sendo exibidos. “Durante mais de 25 anos, só teve o Jô, praticamente. E aí veio o Danilo, o Adnet. Se compararmos com os Estados Unidos, onde realmente é uma febre, não temos muitos. Quanto mais gente fazendo programas de qualidade, melhor”, afirma.

Um aspecto curioso é que boa parte desses programas são comandados por humoristas. O especialista em TV Nilson Xavier aponta que, antes de mais nada, um talk show é um show e precisa do entertainer ou animador. “A figura tem que ter vocação de entreter o público. O talk show se diferencia do programa de entrevista justamente por isso. Não é somente o entrevistador e seu entrevistado; aquela coisa seca. O apresentador conta casos, piadas, tem a banda”, cita.

TEMPORADA Apesar de ser um formato tipicamente americano, pelo visto os brasileiros aderiram a ele. Tanto é que boa parte das produções tem alcançado muita repercussão entre o público e a crítica. O Lady night, com Tatá Werneck, por exemplo, mal estreou e já ganhou uma segunda temporada, prevista para este ano ainda. “O dela é o ponto fora da curva. A Tatá é a estrela absoluta do programa. Ela interessa muito mais ao público do que o próprio entrevistado, que serve de escada para ela dar seu show particular. O Lady night foi o programa mais visto da Globosat Play no último mês. É um fenômeno”, analisa Xavier.

Para Danilo Gentili, o brasileiro sempre entendeu que Jô Soares era sinônimo de talk show. Quando o ex-CQC lançou o seu, a ideia era justamente fazer o contrário do humorista carioca. “No caso do Jô, tínhamos um apresentador se dizendo culto, uma banda que o respeitava e conversas tentando ser cabeça. Eu fiz o oposto: sou um brasileiro mediano, ninguém do meu programa me respeita e eu acho chato demais esse papo de intelectual”, diz. Para Gentili, ele fez, “um anti-talk show”, na verdade. “Posso dizer que ‘‘anti talk show’’ eles (os espectadores) gostam, pois estamos dando ótimos resultados até hoje”, celebra.

Gentili não vê a fartura de programas no mesmo estilo como algo ruim. Pelo contrário. “O excesso de restaurantes na praça de alimentação do shopping nunca tirou o apetite das pessoas. Apenas dá a elas mais opções. O diferencial do meu programa é que ele foi o primeiro que renovou o talk e inovou o show. O talk show é como um terno sob medida: você não pode usar o terno de outra pessoa, senão ficará forçado. O talk show tem que ter a personalidade do apresentador. Esse é o diferencial.”

É essa a opinião também do colega e amigo Fábio Porchat. Ele vê a concorrência como algo positivo e acredita que cada produção tem a sua singularidade. “O que difere um programa do outro é justamente quem o comanda. Cada apresentador tem o seu estilo. Tento fazer tudo do meu jeito. Ter várias opções é ótimo, porque diversifica o formato”, ressalta.

 

Joao Atala/Divulgação
Eduardo Sterblitch estreia peça hoje em BH (foto: Joao Atala/Divulgação)
Versão para o teatro 

 

Aproveitando a leva de talk shows na TV, o ator e humorista Eduardo Sterblitch traz a Belo Horizonte o seu novo projeto, Eduardo Sterblitch não tem um talk show, sexta (19) e sábado (20), no Cine Theatro Brasil Vallourec. “É uma brincadeira, uma paródia com esse estilo. Levar o talk show para o teatro é aproximar o público de algo que ele gosta e a que está acostumado. Costumo dizer que é o primeiro talk show sustentável no mundo, porque é um talk show televisivo, mas no teatro”, afirma.


O espetáculo se adapta a cada lugar, fazendo com que o personagem principal da noite seja a cidade onde está sendo apresentado, por meio da plateia. A contribuição do público ocorre antecipadamente, por meio do envio de sugestões, dicas e pedidos na fan page de Eduardo Sterblitch no Facebook.

 

“É bem interessante, porque as pessoas acabam descobrindo coisas sobre os lugares de onde elas são que nem imaginavam”, comenta. Como não poderia deixar de ser, o talk show de Eduardo também tem uma “banda”, só que de apenas um integrante, Eduardo Capello, que faz intervenções durante a apresentação. “Com a crise, aí já viu, né. Banda grande fica complicado (risos). Digo que acho difícil alguém me convidar para eu ter o meu próprio talk show. Mas o legal é justamente eu não ter”, diverte-se o comediante, que está gravando o Humoristinhas, programa do Multishow, ainda sem data, para revelar crianças cheias de talento.

Eduardo Sterblitch não tem um talk show

Sexta (19) e sábado (20), às 21h, no Cine Theatro Brasil Vallourec (Praça Sete, s/nº, Centro). Ingressos: Plateia 1: R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia). Plateia 2A – R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia); Plateia 2B: R$ 70 (inteira) e R$ 35 (meia). Classificação: 14 anos. Mais informações: (31) 3889-2003. Vendas na bilheteria do teatro e no site www.compreingresso.com. 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SÉRIES E TV