Organizar o tempo é o primeiro passo para equilibrar as tarefas do dia a dia e evitar o estresse

Excesso de compromissos, chegada dos filhos e necessidade de cuidados com a casa têm deixado homens e mulheres cada vez mais ocupados e ansiosos. Saída está no planejamento

por Jessica de Almeida 30/08/2017 13:14
Arquivo Pessoal
Manuella Bennaton, de 38 anos, com o filho João, de 2. Ela fez o curso depois que se tornou mãe: "Era isso ou minha vida viraria um mau humor" (foto: Arquivo Pessoal)

Organizar o tempo, fazer planejamentos pessoais e domésticos, compra de suprimentos para a casa, contratação de serviços, acompanhamento de compromissos, tornar a comunicação eficiente, arquivar documentos importantes, cuidar da saúde pessoal e da casa, comer bem, saber preparar os alimentos de forma proveitosa, economizar os recursos da casa. Se compilar todos os afazeres não parecia possível antes mesmo da ideia de que os smartphones facilitariam o dia a dia, a solução deve vir da reengenharia do tempo.

Conciliar os vários enfoques que a vida impõe exige capacitação. Olívia Cicci, autora do livro Arrumando a casa, classifica a vida moderna em cinco áreas: pessoal, doméstica, profissional, familiar e social, e a organização do tempo é o primeiro passo para equilibrar todas elas. “O dia parece não caber nas 24 horas disponíveis. Os compromissos de trabalho competem com a vida pessoal e são frequentes as reclamações de que há pouco tempo para a família e para si mesmo”, diz a autora, que é especialista em gestão de empresas e consultora de gerenciamento financeiro, doméstico e pessoal.

Ivna Sa/Divulgação
"O dia parece não caber nas 24 horas disponíveis", Olívia Cicci, autora do livro Arrumando a casa (foto: Ivna Sa/Divulgação)
No livro, Olívia amplia o acesso às informações do seu método e ensina como conciliar o lado profissional e o familiar para ter uma vida mais leve e feliz. De forma simples, ela convida o leitor a fazer um levantamento de sua rotina, levando em conta o que é prioridade e como devem ser tratados aspectos como tempo, finanças, compras, contratação de serviços, saúde, segurança e alimentação. Ela destaca as cinco áreas para uma vida organizada: a dimensão pessoal representa o cuidar de mim; a dimensão doméstica parte do cuidar do local onde vive, relativo à vida íntima ou da família; a profissional retrata o trabalho como fonte de sobrevivência e de realização pessoal; o aspecto familiar diz respeito ao cuidado com as pessoas queridas e a dimensão social reflete na vida em sociedade e lazer. Manuella Bennaton, de 38 anos, é fisioterapeuta e professora. Ela participou do curso “Como gerenciar minha casa”, também de Olívia Cicci, que mais tarde converteria o conteúdo para livro. Manuella tinha uma dificuldade específica com a gestão de funcionários em sua casa, como empregadas domésticas, babás e faxineiras. Depois de ser mãe do João, agora com 2 anos, ela e o marido se mudaram para uma casa maior, o que a deixou em pânico. “Se não consigo organizar uma casa pequena com duas funcionárias, imagine uma grande”, pensou. Foi orientada por Olívia e colocou em prática as facilidades de organização que aprendeu. “Comecei usando métodos de organização nas entrevistas para procurar nova babá e fiz uma seleção boa porque já sabia o que queria.”

Nesse caso, a organização vai desde a elaboração das tarefas até a preparação e divulgação do anúncio da vaga disponível. Com base na relação das tarefas a serem executadas, já é possível definir um perfil básico da ajudante, como idade, estado civil e outras qualidades específicas. “No meu entendimento, as principais virtudes para uma babá, por exemplo, são: asseio, cautela, constância e disciplina”, recomenda Olívia Cicci. No momento das entrevistas, Manuella precisou se certificar se a candidata gostava de crianças, pedir para relatar experiências anteriores e como foram solucionadas, entre outras observações. Depois, “a primeira coisa que fiz foi estruturar as funções que a casa deveria ter e dividir pelas funcionárias e por horários”, relata Manuella.

NOVA ROTINA

“Eu não sabia fazer nada em casa. Quando meu primeiro filho nasceu, a casa passou a ter que funcionar como casa de verdade, ter comida todo dia. Fiquei bem perdida sobre o que fazer com minha rotina de trabalho, com a alimentação e ter um bebê”, conta a médica Ana Rosa Bandeira. Hoje, com organização, ela consegue gerenciar a vida de maneira a otimizar o bem mais precioso: o tempo. “Deixar um espaço na agenda para se planejar é poupar tempo. Se você separar duas horas ou menos por semana programando um cardápio ou uma lista de compras, por exemplo, você gasta menos tempo do que se fosse aleatoriamente”, afirma.

O descontrole financeiro é outro inimigo da vida organizada. “O caminho mais curto para fazer o dinheiro render e colocar as finanças em ordem é o orçamento. O propósito de um orçamento é ajudar a juntar dinheiro”, observa Cicci em seu livro. O processo de consciência começa em descobrir, como consumidor, qual é o perfil atual e o ideal. Consciente? Indeciso? Compulsivo? Traçar essas características tornará mais fácil a relação de dicas para controlar o consumo.

Em 15 de setembro, Olívia Cicci vai lançar o livro Arrumando a casa, às 19h, na livraria Leitura do BH Shopping, quando também fará uma palestra gratuita sobre o método “Como gerenciar minha casa”. Além disso, ela anuncia a 16ª edição do curso presencial “Como gerenciar minha casa”, entre os dias 19 e 21 de setembro, em Belo Horizonte. Será o último ministrado por Olívia, que passará a se dedicar a palestras e consultorias. 

DICAS ÚTEIS

» Uma boa maneira de ganhar tempo é planejar a frequência com que vai ao supermercado. Vai depender da sua atitude de anotar o que for acabando para fazer a próxima lista. Use a criatividade para consumir o que restou no freezer, geladeira ou armário até a data da próxima compra.

» Guarde todas as notas de despesas para o balanço final do mês: supermercado, açougue, sacolão e padaria. Guarde os cupons e as pequenas notas de despesas no espeto - um organizador de papéis muito utilizado no comércio.

» Compras mensais: cereais, enlatados, bebidas, material de higiene e limpeza. Na hora do pagamento, coloco os produtos sobre a esteira já classificados por grupo e no final deles peço ao funcionário do caixa que anote no cupom o subtotal de cada um. Após guardar as compras, analise os valores anotadas e faça as contas. Tenho observado que, do total apresentado no cupom fiscal, os produtos de limpeza representam de 15% a 20% da compra. Com o uso de mediadores e com observação dos percentuais, procuro reduzir o consumo de um grupo para compensar em outro.

» Compras semanais: verduras, legumes, frutas e laticínios. Produtos perecíveis devem ser comprados semanalmente. As compras podem ser delegadas, desde que você prepare a lista com as quantidades adequadas e acompanhe o resultado. *

* Extraídas do livro Arrumando a casa

Serviço
Lançamento do livro Arrumando a casa, de Olívia Cicci, com palestra da autora
Data: 15 de setembro às 19h
Local: Livraria Leitura BH Shopping
Entrada franca

Curso Como gerenciar minha casa
Data: De 19 a 21 de setembro, das 18h45 às 22h30
Local: Rua Fernandes Tourinho, 470, 3º andar, Savassi
Informações e inscrições: www.oliviacicci.com.br


* Estagiária sob a supervisão da editora Teresa Caram

VÍDEOS RECOMENDADOS