Cientistas americanos buscam formas de combater bactérias hospitalares

Especialistas estudam as bactérias que colonizam unidades de saúde e como elas interagem com os pacientes e os profissionais que prestam atendimento. Mapeamento pode evitar infecções graves, apesar de a maioria dos micróbios ser inofensiva

por Paloma Oliveto 03/08/2017 15:24
Ilustração/CB/Valdo Virgo
(foto: Ilustração/CB/Valdo Virgo)

Elas já es­ta­vam por aqui há, pe­lo me­nos, 3,77 bi­lhões de anos. Qua­se tão an­ti­gas quan­to a pró­pria Ter­ra, é na­tu­ral que as bac­té­rias te­nham co­lo­ni­za­do ca­da mi­lí­me­tro do pla­ne­ta. In­cluin­do o pró­prio ho­mem, que tem mais mi­cró­bios em seu in­te­rior que cé­lu­las. Mes­mo os am­bien­tes apa­ren­te­men­te ima­cu­la­dos, co­mo hos­pi­tais, não es­tão li­vres de­las. Por is­so, pes­qui­sa­do­res es­tão ma­pean­do as po­pu­la­ções bac­te­ria­nas que co­lo­ni­zam ser­vi­ços de saú­de. Em­bo­ra a maio­ria das es­pé­cies se­ja ino­fen­si­va, al­gu­mas, co­mo as ul­trar­re­sis­ten­tes, po­dem cau­sar sé­rias in­fec­ções. Des­co­brir co­mo se dá a in­te­ra­ção en­tre a vi­da in­vi­sí­vel que ha­bi­ta se­res hu­ma­nos e su­per­fí­cies hos­pi­ta­la­res aju­da a pre­ve­nir con­tá­gios gra­ves.

Es­se é o ob­je­ti­vo do Pro­je­to Mi­cro­bio­ta dos Hos­pi­tais, man­ti­do por um con­sór­cio de pes­qui­sa­do­res li­de­ra­dos pe­la Uni­ver­si­da­de de Me­di­ci­na de Chi­ca­go, nos Es­ta­dos Uni­dos. Du­ran­te 12 me­ses, os cien­tis­tas ma­pea­ram a di­ver­si­da­de bac­te­ria­na den­tro de uma uni­da­de de saú­de re­cém-inau­gu­ra­da na ci­da­de nor­te-ame­ri­ca­na. De­pois, ava­lia­ram cui­da­do­sa­men­te as es­pé­cies de­tec­ta­das e pu­bli­ca­ram os pri­mei­ros re­sul­ta­dos na re­vis­ta Scien­ce Trans­la­tio­nal Me­di­ci­ne.

“Nós cria­mos um ma­pa de­ta­lha­do, ex­tre­ma­men­te re­le­van­te pa­ra a prá­ti­ca clí­ni­ca, da tro­ca mi­cro­bia­na e da in­te­ra­ção de mi­cró­bios em um gran­de am­bien­te hos­pi­ta­lar”, ex­pli­ca o che­fe dos es­tu­dos, Ja­ck Gil­bert, di­re­tor do Cen­tro de Mi­cro­bio­ta da ins­ti­tui­ção. “Es­se ma­pea­men­to des­cre­ve um ecos­sis­te­ma mi­cro­bia­no prós­pe­ro, que in­te­ra­ge re­gu­lar­men­te com os pa­cien­tes, de for­ma apa­ren­te­men­te be­nig­na”, con­ti­nua. “Pe­lo me­nos, a maio­ria das pes­soas não pa­re­ce ser afe­ta­da ne­ga­ti­va­men­te”, com­ple­ta.

O es­tu­do “Co­lo­ni­za­ção bac­te­ria­na em um hos­pi­tal re­cém-aber­to” co­me­çou dois me­ses an­tes de a Uni­ver­si­da­de de Me­di­ci­na de Chi­ca­go abrir seu no­vo hos­pi­tal, o Cen­tro de Cui­da­dos e Des­co­ber­tas, em fe­ve­rei­ro de 2013. Nos 10 me­ses se­guin­tes, os pes­qui­sa­do­res con­ti­nua­ram a mi­nu­cio­sa in­ves­ti­ga­ção. Co­le­ta­ram mais de 10 mil amos­tras e de­tec­ta­ram DNA mi­cro­bia­no em 6.523 de­las. As bac­té­rias es­ta­vam em 10 sa­las de aten­di­men­to e em duas es­ta­ções de en­fer­ma­gem pró­xi­mas a elas, uma sa­la de cui­da­dos de pa­cien­tes ci­rúr­gi­cos e ou­tra de pa­cien­tes on­co­ló­gi­cos. Os cien­tis­tas es­fre­ga­ram as mãos, as na­ri­nas e as axi­las de ca­da pa­cien­te, as­sim co­mo as su­per­fí­cies que eles po­de­riam ter to­ca­do, co­mo su­por­te de so­ro e me­si­nha de ca­be­cei­ra. Eles co­le­ta­ram amos­tras de sa­las pró­xi­mas e de múl­ti­plas su­per­fí­cies, in­cluin­do o pi­so e o fil­tro de ar. Ca­da quar­to era lim­po dia­ria­men­te, com uma hi­gie­ni­za­ção mais vi­go­ro­sa após a al­ta dos ocu­pan­tes. Além dis­so, os pes­qui­sa­do­res co­le­ta­ram amos­tra dos en­fer­mei­ros e das uni­da­des de en­fer­ma­gem, in­cluin­do mãos, lu­vas, sa­pa­tos, ca­mi­se­tas, es­ta­ção de tra­ba­lho, ca­dei­ras, com­pu­ta­do­res e te­le­fo­nes ce­lu­la­res.

Pe­la pe­le

As­sim que o hos­pi­tal abriu, mi­cro-or­ga­nis­mos co­mo Aci­ne­to­bac­ter e Pseu­do­mo­na, abun­dan­tes du­ran­te a cons­tru­ção e a fa­se de pre­pa­ra­ção pa­ra a inau­gu­ra­ção, fo­ram ra­pi­da­men­te subs­ti­tuí­dos por mi­cró­bios en­con­tra­dos na pe­le hu­ma­na, co­mo Cory­ne­bac­te­rium, Sta­phylo­coc­cus e Strep­to­coc­cus, tra­zi­dos pe­los pa­cien­tes. “An­tes da aber­tu­ra, o hos­pi­tal ti­nha uma di­ver­si­da­de re­la­ti­va­men­te bai­xa de bac­té­rias”, diz Gil­bert. “Mas lo­go que fi­cou po­voa­do por pa­cien­tes, mé­di­cos e en­fer­mei­ros, as bac­té­rias de suas pe­les to­ma­ram con­ta”, diz.

Es­sa era a pri­mei­ra de uma sé­rie de al­te­ra­ções no ecos­sis­te­ma bac­te­ria­no. No pri­mei­ro dia de aten­di­men­to, os mi­cró­bios ten­diam a se mo­ver das su­per­fí­cies dos quar­tos (ca­be­cei­ras, ban­ca­das e su­por­tes de so­ro) pa­ra o cor­po do pa­cien­te. Mas, nos dias que se se­gui­ram, es­sa mo­vi­men­ta­ção ocor­reu na di­re­ção con­trá­ria: os mi­cró­bios dos pa­cien­tes pas­sa­vam pa­ra o quar­to, au­men­tan­do a di­ver­si­da­de bac­te­ria­na en­con­tra­da nos mó­veis e nos ob­je­tos. “Em 24 ho­ras, a mi­cro­bio­ta dos pa­cien­tes do­mi­nou o es­pa­ço hos­pi­ta­lar”, con­ta o pes­qui­sa­dor.

Além dis­so, os pes­qui­sa­do­res des­co­bri­ram que os mem­bros da equi­pe do hos­pi­tal, que ge­ral­men­te es­ta­vam com lu­vas ou más­ca­ras ao en­trar no quar­to dos pa­cien­tes, trans­fe­riam mais de seus mi­cró­bios pa­ra os in­ter­nos - que não uti­li­za­vam es­se ti­po de pro­te­ção - do que o con­trá­rio. Fa­to­res clí­ni­cos, co­mo se os pa­cien­tes es­ti­ves­sem re­ce­ben­do qui­mio­te­ra­pia, an­ti­bió­ti­cos ou se es­ti­ves­sem se re­cu­pe­ran­do de ci­rur­gia, não ti­ve­ram im­pac­to sig­ni­fi­ca­ti­vo na di­ver­si­da­de de bac­té­rias co­le­ta­das na pe­le de­les. De for­ma ines­pe­ra­da, os pes­qui­sa­do­res tam­bém cons­ta­ta­ram que, no ve­rão, quan­do a umi­da­de é mais al­ta, os mé­di­cos e os en­fer­mei­ros ti­nham mais mi­cró­bios se­me­lhan­tes en­tre eles do que no in­ver­no, su­ge­rin­do que tro­cam bac­té­rias com maior fre­quên­cia na es­ta­ção do ca­lor.

Fa­lhas le­vam à con­ta­mi­na­ção

As aná­li­ses ge­nô­mi­cas das amos­tras co­le­ta­das nos quar­tos do hos­pi­tal nos 10 me­ses de es­tu­do re­ve­la­ram a pre­sen­ça de ge­nes re­sis­ten­tes a bac­té­rias ao lon­go do tem­po, qua­se sem­pre maio­res nas su­per­fí­cies que na pe­le. No cor­po dos pa­cien­tes, os mi­cro-or­ga­nis­mos mais co­muns que de­mons­tram re­sis­tên­cia eram Sta­phylo­coc­cus au­reus, Sta­phylo­coc­cus epi­der­mi­dis e Cory­ne­bac­te­rium stria­tum. Já nos ob­je­tos, chão e pa­re­des dos quar­tos, fo­ram iden­ti­fi­ca­dos Es­che­ri­chia co­li e Pseu­do­mo­nas ae­ru­gi­no­sa.

Uma in­for­ma­ção que ain­da não foi di­vul­ga­da em ar­ti­go cien­tí­fi­co é a de que não se en­con­trou cor­re­la­ção en­tre o grau de tro­ca bac­te­ria­na en­tre pa­cien­tes e am­bien­te e a pro­ba­bi­li­da­de de eles ad­qui­ri­rem in­fec­ção hos­pi­ta­lar. “Pou­cos pa­cien­tes ti­nham in­fec­ções do ti­po, e eles não es­ta­vam com­par­ti­lhan­do com o am­bien­te as bac­té­rias que os in­fec­ta­ram. In­fe­ções hos­pi­ta­la­res são even­tos ra­ros e es­po­rá­di­cos”, ob­ser­va Brent Ste­phens, que com­põe o con­sór­cio de pes­qui­sa­do­res.

Ju­li­val Ri­bei­ro, con­sul­tor da So­cie­da­de Bra­si­lei­ra de In­fec­to­lo­gia, es­cla­re­ce que a maio­ria dos ca­sos de in­fec­ção hos­pi­ta­lar é en­dó­ge­na, ou se­ja, pro­vo­ca­da por bac­té­rias do pró­prio pa­cien­te. “Por exem­plo, ele es­tá no hos­pi­tal e o mé­di­co pre­ci­sa pas­sar um ca­te­ter ve­no­so. A bac­té­ria da pró­pria pe­le des­se pa­cien­te po­de en­trar pe­la son­da e pa­rar na cor­ren­te san­guí­nea”, con­ta, res­sal­tan­do que não há am­bien­te 100% es­té­ril, o que in­clui hos­pi­tais, clí­ni­cas e pos­tos de saú­de.

O pro­ble­ma, des­ta­ca Ri­bei­ro, não é a sim­ples pre­sen­ça de mi­cro-or­ga­nis­mos no am­bien­te. O que po­de pro­vo­car com­pli­ca­ções é a fal­ta de hi­gie­ni­za­ção ade­qua­da das equi­pes de saú­de. “Ima­gi­ne que um pa­cien­te es­tá in­ter­na­do e tem um en­te­ro­co­co”, diz, re­fe­rin­do-se a um ti­po de bac­té­ria in­tes­ti­nal que po­de cau­sar en­do­car­di­te, in­fec­ção in­tes­ti­nal e uri­ná­ria. “Se as su­per­fí­cies, co­mo um ter­mô­me­tro ou um es­te­tos­có­pio, não es­ti­ve­rem bem lim­pas, e o mé­di­co ma­ni­pu­lá-las e sair to­can­do vá­rios ou­tros pa­cien­tes sem lim­pá-las an­tes, ele po­de car­re­gar es­sa bac­té­ria e pro­vo­car um sur­to”, exem­pli­fi­ca.

O in­fec­to­lo­gis­ta diz que al­gu­mas bac­té­rias ul­trar­re­sis­ten­tes, co­mo Clos­tri­dium di­ffi­ci­le, Sta­phylo­coc­cus au­reus, En­te­ro­coc­cus re­sis­ten­tes e bac­té­rias gram-ne­ga­ti­vas, po­dem so­bre­vi­ver por me­ses no am­bien­te se­co. “Prin­ci­pal­men­te em áreas co­mo UTI e ala neo­na­tal, exis­te a pro­ba­bi­li­da­de de in­fec­ções gra­ves, in­cluin­do óbi­to”, aler­ta.

Re­sis­tên­cia pa­ra la­var as mãos

Na Vie­na do sé­cu­lo 19, en­tre 1831 e 1843, das 10 mil mu­lhe­res que de­ram à luz em hos­pi­tais, 600 mor­re­ram de uma in­fec­ção mis­te­rio­sa e ter­rí­vel, que, uma vez con­traí­da, qua­se sem­pre era le­tal. Múl­ti­plas teo­rias fo­ram pro­pos­tas pa­ra ex­pli­car a cha­ma­da fe­bre puer­pe­ral, in­cluin­do uma bi­zar­ra su­po­si­ção de que o lei­te, que se acre­di­ta­va ser for­ma­do por san­gue mens­trual trans­for­ma­do, não con­se­guia su­bir do úte­ro pa­ra o seio, apo­dre­cen­do nas en­tra­nhas ma­ter­nas. Mas o jo­vem mé­di­co hún­ga­ro Inaz Sem­me­lweis co­me­çou a sus­pei­tar de ou­tra cau­sa.

No hos­pi­tal vie­nen­se on­de tra­ba­lha­va, os mé­di­cos se re­ve­za­vam cons­tan­te­men­te en­tre a sa­la de au­tóp­sias e a de par­to. Fa­ziam is­so sem la­var as mãos nem tro­car as rou­pas e os ins­tru­men­tos imun­dos. Àque­la épo­ca, os mi­cró­bios não ha­viam si­do des­co­ber­tos, mas Sem­me­lweis des­con­fiou que al­gu­ma coi­sa nas mãos dos mé­di­cos, ao to­car as par­tu­rien­tes após ma­ni­pu­lar ca­dá­ve­res, es­ta­va pro­vo­can­do a in­fec­ção ge­ne­ra­li­za­da. Ao pro­por que la­vas­sem as mãos com água e sa­bão an­tis­sép­ti­co, a mor­ta­li­da­de caiu mais de 90%. A co­mu­ni­da­de mé­di­ca, po­rém, re­jei­tou a prá­ti­ca e ri­di­cu­la­ri­zou o co­le­ga, que mor­reu de­sa­cre­di­ta­do e lou­co, sem ser re­co­nhe­ci­do pe­las vi­das que sal­vou e pe­las mi­lha­res que vi­ria a pou­par.

Ago­ra, em ple­no sé­cu­lo 21, ain­da há re­sis­tên­cia pa­ra se hi­gie­ni­zar as mãos cor­re­ta­men­te no am­bien­te hos­pi­ta­lar. De acor­do com o en­fer­mei­ro Adria­no Me­nis Fer­rei­ra, pós-dou­tor e pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Ma­to Gros­so do Sul (UFMS), pes­qui­sas mos­tram que, na UTI de paí­ses de­sen­vol­vi­dos, a ade­são ao há­bi­to de la­var as mãos an­tes de to­car um pa­cien­te é de ape­nas 50%. “E são es­ti­ma­ti­vas su­bes­ti­ma­das. Em uni­da­des aber­tas, co­mo clí­ni­cas, es­sa ade­são é mui­to me­nor”, diz Fer­rei­ra, au­tor de ar­ti­gos cien­tí­fi­cos so­bre a lim­pe­za em hos­pi­tais.

Ele con­ta que a cul­tu­ra dos pro­fis­sio­nais de saú­de é a de hi­gie­ni­zar as mãos após to­car o pa­cien­te. Mas is­so não bas­ta. Afi­nal, as bac­té­rias, co­mo mos­trou o tra­ba­lho da Uni­ver­si­da­de de Chi­ca­go, es­tão em to­dos os lu­ga­res, in­cluin­do nos ins­tru­men­tos mé­di­cos, nas ca­mas, nos mó­veis, nos pron­tuá­rios, nos com­pu­ta­do­res e nos pos­tos mé­di­cos, en­tre ou­tros. “Ao to­car em qual­quer uma des­sas su­per­fí­cies, o pro­fis­sio­nal de saú­de tem de lim­par as mãos com água e sa­bão, an­tis­sép­ti­co ou ál­cool gel an­tes de to­car no pró­xi­mo pa­cien­te. Mas eles acham que não há ne­ces­si­da­de”, la­men­ta.

O pro­fes­sor de en­fer­ma­gem e pes­qui­sa­dor des­ta­ca que, mes­mo se hou­ves­se lim­pe­za ade­qua­da e ade­são de 90% nas boas prá­ti­cas de hi­gie­ne hos­pi­ta­lar, ao se to­car uma su­per­fí­cie con­ta­mi­na­da e, em se­gui­da, ma­ni­pu­lar ou­tro pa­cien­te é pos­sí­vel le­var a bac­té­ria de um pa­ra o ou­tro. “As su­per­fí­cies são ne­gli­gen­cia­das. Elas de­ve­riam ser en­ca­ra­das co­mo um pa­cien­te: ou se­ja, o pro­fis­sio­nal de­ve­ria lim­par as mãos sem­pre de­pois de to­cá-las.”

VÍDEOS RECOMENDADOS