Dia da Promoção da Qualidade de Vida lembra a importância da prática regular de atividade física

Comemorado nesta terça-feira, dia especial chama a atenção para a necessidade da prática de exercícios como forma de manter corpo e mente saudáveis

por Augusto Pio 11/04/2017 13:55
Ramon Lisboa/EM/D.A Press - 22/11/15
Corrida, caminhada e prática de ciclismo ao ar livre são boas opções para exercitar o corpo e manter a saúde em dia (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press - 22/11/15)

Os especialistas garantem que a prática regular de atividades físicas faz bem à saúde em qualquer idade. Há mais de 60 anos que a medicina e outras áreas relacionadas à saúde vêm demonstrando os benefícios de uma vida fisicamente ativa, como também de hábitos considerados saudáveis. “Há muitos anos, médicos recomendam atividade física. Atualmente, o papel do exercício, tanto na prevenção de doenças, assim como no seu tratamento, tem sido amplamente demonstrado por meio de estudos nessa área”, conta Marconi Gomes da Silva, especialista em cardiologia pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e em medicina do exercício e do esporte pela Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE), diretor técnico da Sporfit – Clínica do Exercício e do Esporte e da Sociedade Mineira de Medicina do Exercício e do Esporte (Smexe).

O médico ressalta que, nos últimos anos, vêm sendo publicados estudos que demonstram que a inatividade física é um importante preditor de doenças cardiovasculares, diabetes do tipo 2, obesidade, alguns tipos de câncer (intestino e mama), fraqueza músculo-esquelética, depressão, menor qualidade de vida e maior mortalidade por causas cardiovasculares e por todas as causas. “Quando comparamos uma população sedentária com outra um pouco mais ativa, que se exercita mesmo em níveis menores que os recomendados (cerca de 90 minutos por semana), os mais ativos chegam a viver três anos a mais”, ressalta Marconi.

Ele esclarece que não existe um esporte superior aos demais. “Recomenda-se que a modalidade escolhida envolva grandes grupos musculares e atividades que chamamos de aeróbica ou de resistência, assim como aquelas que são denominadas de anaeróbicas e que demandam o uso de força. Exercícios de sobrecarga são recomendados para preservar a saúde óssea e o vigor muscular. Os aeróbicos são responsáveis pelo maior gasto de calorias e ganhos mais evidentes nos parâmetros cardiovasculares, como maior capacidade de fazer exercícios (resistência) e maior ganho nos parâmetros e metabólicos (melhor controle da pressão arterial, maior perda de peso, diminuição nos níveis de colesterol e glicose no sangue)”, explica Marconi.

Segundo o especialista, devemos sempre levar em conta a preferência por determinada modalidade esportiva, definindo o tipo de exercício que melhor se adapte à nossa aptidão, habilidades, capacidade física e estado de saúde. “Exercícios físicos devem ser incentivados desde a infância, sempre respeitando os limites de cada faixa etária. Não se deve estimular uma especialização precoce em determinada modalidade esportiva antes que se atinja uma maturidade no desenvolvimento motor, na coordenação, no equilíbrio e na força muscular. Sendo assim, crianças bem jovens devem ser estimuladas a se exercitar de maneira menos competitiva e mais lúdica, com atividades em grupo e brincadeiras. Só mais tarde, exercícios físicos dentro de uma modalidade esportiva específica devem ser ofertados”, esclarece Marconi.

TODAS AS IDADES


"Exercícios físicos devem ser incentivados desde a infância, sempre respeitando os limites de cada faixa etária. Não se deve estimular uma especialização precoce em determinada modalidade esportiva antes que se atinja uma maturidade no desenvolvimento motor , na coordenação, no equilíbrio e na força muscular" - Marconi Gomes da Silva, especialista em cardiologia e em medicina do exercício e do esporte
O Dia da Promoção da Qualidade de Vida, comemorado nesta terça-feira, tem como objetivo chamar a atenção para a importância da prática de atividades físicas regularmente. Marconi ressalta que homens e mulheres de todas as idades, de qualquer grupo socioeconômico ou étnico, devem se exercitar pelo menos 150 minutos por semana com uma atividade aeróbica de moderada intensidade, como uma caminhada rápida. “Outra opção é fazer 75 minutos semanais de exercícios físicos em intensidade vigorosa. Além disso, exercícios de fortalecimento muscular, assim como aqueles que melhorem a flexibilidade, também são recomendados. Quando falamos em 150 minutos por semana, estamos falando de uma dose relativamente baixa. Embora alguns grupos possam se beneficiar de volumes de treinos até menores que 150 minutos por semana, geralmente informamos que a dose ideal gira em torno de 300 minutos por semana de atividade aeróbia em intensidade moderada.”

O especialista explica que exercícios físicos, quando bem orientados, podem ser praticados durante toda a vida, independentemente da idade, sempre respeitando os limites do corpo, as condições clínicas individuais e a aptidão física. “O sedentarismo atualmente é considerado um dos principais fatores de risco para as doenças cardiovasculares e também está relacionado ao maior risco de aparecimento da hipertensão arterial. Sabe-se que um estilo de vida sedentário em indivíduos com pressão normal eleva seu risco em 20% a 30% de vir a desenvolver hipertensão arterial.”

IMPACTO POSITIVO


Diogo Fiorini Carvalho, gerente técnico da Cia Athletica, garante que o exercício ajuda a melhorar componentes importantes da saúde, que impactam, de forma positiva, na percepção do indivíduo sobre a sua qualidade de vida. “Ao se exercitar, a pessoa trabalha componentes da aptidão física como força muscular, capacidade aeróbica e flexibilidade e, quanto mais fácil for realizar atividades do dia a dia, como subir escadas, carregar sacolas, sentar, levantar, equilibrar, melhor será a percepção sobre a saúde”, diz. “

Da mesma forma, quando ela se percebe hoje melhor do que há um ano, nesses mesmos aspectos, também terá mais qualidade de vida. Não podemos deixar de citar que a atividade física é fundamental para a prevenção e o tratamento de diversas doenças e, certamente, o melhor controle delas acarretará em mais qualidade de vida. O diabético, o hipertenso ou o obeso, ao fazer exercícios, terá melhora em aspectos específicos da doença, o que levará a um estado de saúde melhor e a uma boa perspectiva futura”, garante Diogo.

Ele explica que a prática regular de atividade física também proporciona a sensação de bem-estar, uma vez que ela faz com que o corpo libere endorfinas, substâncias que provocam a sensação de prazer, que auxiliam no combate à ansiedade, diminuem o estresse e a tensão corporal, regulam o sono.”Outro benefício é a redução dos níveis de cortisol, um hormônio que, em excesso, é associado a danos como dificuldade de aprendizagem, lapsos de memória e redução da libido, entre outros”, salienta Diogo.

“A nossa avaliação mede, prioritariamente, a capacidade aeróbica, a flexibilidade e a composição corporal. Os testes de força são realizados durante a primeira aula de musculação. As pessoas que desejam melhorar a composição corporal também podem optar pelo acompanhamento nutricional, com avaliações periódicas. Não podemos deixar de citar o impacto para a autoestima, já que, conforme vai percebendo os resultados, o praticante passa a se sentir melhor com a própria aparência. Tudo isso contribui para que a pessoa se sinta mais bem disposta e interfere diretamente na qualidade de vida”, garante o gerente da Cia Athletica.

VÍDEOS RECOMENDADOS