Tempo seco, nariz idem

A mucosa nasal sente muito os efeitos do clima quente e sem chuvas. Para evitar alergias, sangramentos e doenças respiratórias, a dica é hidratação

por Revista do CB 26/10/2016 11:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
O calor em Belo Horizonte chegou aos 34,2ºC na última semana. Em outubro, a tarde mais quente do ano ferveu o sangue dos habitantes da capital. De lá para cá, o sol não deu mais trégua, e as chuvas continuam escassas. Nesse cenário inóspito, uma das maiores vítimas do tempo seco e quente é o nariz. Para piorar, a desidratação da mucosa nasal é agravada pelas condições climáticas de espaços artificialmente modificados, como no caso da refrigeração dos ambientes do trabalho, no carro e nas casas. Piora ainda mais com a enorme adesão das pessoas ao uso de ar-condicionado nos quartos de dormir. “A prevenção e o tratamento é o mesmo. É necessário um cuidado especial com o nariz para evitar sangramentos e outras complicações. A mucosa nasal é muito sensível e hidratar é a melhor forma de evitar transtornos”, afirma Maura Neves, otorrinolaringologista do Hospital Universitário da USP.

Valdo Virgo / CB / D.A Press
Clique na imagem para ampliá-la e saiba mais (foto: Valdo Virgo / CB / D.A Press)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA