Agulhas com superfície porosa garantem mais conforto na acupuntura

Testes com ratos mostram também que as novas peças são mais eficientes que as convencionais

por Correio Braziliense 22/10/2016 08:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Ramon Lisboa / EM / D.A Press
(foto: Ramon Lisboa / EM / D.A Press)
Criada na China milhares de anos atrás, a acupuntura promove o bem-estar a partir da aplicação de agulhas em pontos específicos do corpo. O fato de a técnica apresentar resultados comprovados há tanto tempo não significa que ela não possa ser melhorada com tecnologia de última geração. É o que mostra um pesquisador do Daegu Gyeongbuk Instituto de Ciência e Tecnologia (DGICT), na Coreia do Sul.

Professor do Departamento de Engenharia de Sistemas de Energia da universidade, Su-Il In desenvolveu novas agulhas para acupuntura usando avançadas técnicas de nanotecnologia, ramo da ciência dedicado à fabricação de novos materiais. As agulhas do especialista sul-coreano são as primeiras a serem criadas dessa forma e têm o diferencial de serem porosas, algo que, segundo o inventor, melhora as propriedades terapêuticas e abre novos caminhos para a milenar técnica.

As peças contam em sua superfície com finíssimos poros que podem ter apenas alguns nanômetros (1 nanômetro é equivalente a um bilionésimo de metro). Para construí-las, In utilizou um método nanoeletroquímico, no qual faz uma corrente elétrica criada de maneira específica passar pelo metal e criar os minúsculos furos. A novidade foi apresentada recentemente na revista especializada Scientific Reports.

Carole Fritz / Divulgação
As agulhas criadas na Coreia do Sul e imagens de microscópio que mostram os poros em sua superfície (última foto à direita): maior área de contato com a pele (foto: Carole Fritz / Divulgação)
De acordo com um comunicado emitido pelo centro de pesquisa sul-coreano, os poros fazem com que a área da superfície das agulhas seja aumentada em 20 vezes em comparação à das peças tradicionais, o que permite reduzi-las de tamanho e mesmo assim obter resultados melhores. Menores, elas também causam menos desconforto aos pacientes durante a aplicação.

Experimentos
Em testes eletrofisiológicos com ratos, a equipe do professor In comprovou que as agulhas porosas garantiram  uma transmissão de sinais mais intensa pela espinha dorsal. Além disso, roedores com dependência de álcool e cocaína foram tratados com as novas peças e as tradicionais. Os que receberam a terapia com as agulhas porosas se recuperaram mais rapidamente do vício. Os bons resultados estimularam o DGICT a solicitar patentes do invento para fabricar as agulhas nos Estados Unidos, na China e na Europa.

“O desenvolvimento da nanotecnologia tem levado a ciência a uma nova etapa em várias áreas de pesquisa, dos painéis solares aos computadores quânticos”, afirma Su-Il In. “Baseado nos resultados desses experimentos, que combinaram a nanotecnologia com a acupuntura, eu continuarei a conduzir estudos para ampliar as fronteiras da medicina oriental”, completa, em um comunicado á imprensa.

Para Jae-ha Yang, diretor da Universidade Daegu Haany, instituição parceira na pesquisa, as novas agulhas são produto de uma rara combinação dos saberes ocidental e oriental. “Na medicina do Ocidente, a nanotecnologia é largamente utilizada, seja em diagnóstico, seja em tratamentos. Mas nas técnicas orientais, especialmente na acupuntura, o uso desse conhecimento é muito pouco comum”, avalia. “Os resultados desse estudo devem apontar novas direções no campo da medicina oriental, na qual a nanociência é muito pouco explorada.”

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA