Vermífugo pode frear a propagação do zika

A niclosamida, usada há meio século contra o verme popularmente chamado de solitária, conseguiu bloquear a propagação do vírus em células humanas infectadas em laboratório

por Correio Braziliense 07/09/2016 08:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Idor / Divulgação
Zika liga-se à célula neural humana: não há vacina e tratamento contra o vírus (foto: Idor / Divulgação)
Um medicamento usado para tratar a tênia pode se transformar em uma ferramenta de combate à propagação do zika. Comercializada há meio século contra o verme popularmente chamado de solitária, a niclosamida conseguiu bloquear a propagação do vírus em células humanas infectadas em laboratório. O estudo foi divulgado recentemente na revista Nature Medicine. “É uma primeira etapa em direção a um tratamento capaz de frear a transmissão da doença”, comemorou Hengli Tang, professor da Universidade do Estado da Flórida, nos EUA, e líder da pesquisa.

A equipe começou o estudo fazendo uma seleção rigorosa entre 6 mil moléculas já aprovadas nos EUA e que são objeto de testes científicos. “Nos concentramos nas moléculas mais próximas a uma utilização clínica”, contou Tang. Os estudiosos chegaram a duas classes de substâncias com resultados animadores: a niclosamida e a emricasan — usada em tratamentos experimentais para fibrose hepática, ela impediu a morte das células infectadas. As duas classes de substâncias se mostraram eficazes antes e depois da exposição ao zika, e com benefícios importantes quando utilizadas de maneira conjunta.

A niclosamida é bem tolerada pelo organismo humano e não apresenta riscos aos fetos. As características a tornam um potencial medicamento para evitar a microcefalia, malformação congênita que pode ser desencadeada pela infeção de mulheres durante a gravidez. “A niclosamida poderia ser utilizada não só em grávidas, mas também para reduzir a carga viral entre os homens e as mulheres não grávidas, o que reduziria a transmissão do zika e poderia, além disso, evitar casos de síndrome de Guillain-Barré e de outras complicações entre os humanos”, defenderam os pesquisadores.

Mais estudos

Mesmo assim, eles não recomendam o uso do vermífugo por grávidas com o intuito de evitar as complicações do zika vírus. “Ainda não há provas de que a niclosamida seja eficaz. Estudos com animais seguidos de testes clínicos são necessários”, alertou Hongjun Song, coautor do estudo. Não prescrita por médicos, a emricasan precisa seguir as etapas de desenvolvimento de medicamentos até chegar ao uso clínico. “E isso ainda vai levar algum tempo”, ressaltaram os autores.

Não existe vacina nem tratamento contra o zika, que, em 80% dos casos, provoca sintomas que passam despercebidos. Quando há complicações, porém, elas podem ser graves.“Nossas descobertas e as ferramentas que provemos devem fazer avançar de maneira significativa a pesquisa atual sobre o zika e ter um efeito imediato sobre o desenvolvimento de tratamentos”, apostam os autores.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA