Solte os bichos porque cães e gatos precisam se exercitar

A preguiça pode levar a uma série de doenças decorrentes do excesso de peso, o que diminui a qualidade de vida do pet

por Ailim Cabral 27/08/2016 10:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Zuleika de Souza / CB / D.A Press
Amanda Gomes com seu pug, Bart: preguiçoso, ele não faz exercício, mas tem dieta controlada para evitar obesidade (foto: Zuleika de Souza / CB / D.A Press)
O sedentarismo não é um hábito saudável para os animais de estimação. Assim como acontece com os humanos, a condição pode trazer uma série de complicações, inclusive emocionais, e, por isso mesmo, deve ser combatida. O excesso de peso, em geral, é apenas uma das consequências que os hábitos pouco ativos podem trazer aos pets. O médico veterinário Josélio Moura, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Veterinária (SBMV), explica que é difícil determinar um quadro único de disfunções que o sedentarismo traz, pois cada animal e espécie reage de uma forma. Entre as mais comuns, ele destaca os transtornos cardíacos, ortopédicos e problemas articulares e de coluna. “Esses podem dificultar a locomoção e fazer com que o animal entre em estágio de letargia, o que pode ocasionar depressão e outros desvios de comportamento”, alerta.

O presidente da Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais (Anclivepa), Bruno Alvarenga dos Santos, reforça o aviso: “Uma das principais doenças que vemos em cães e gatos é o estresse relacionado ao sedentarismo e ao confinamento”, revela. Comportamentos como lamber excessivamente pés e mãos, ingerir as próprias fezes, automutilação ou destruição de itens da casa são alguns sinais que podem indicar estresse provocado pela falta de atividades físicas.

Bruno afirma que a verticalização das moradias reduz o espaço para os animais brincarem e correrem dentro de casa. A carga de trabalho cada vez maior dos tutores diminui o tempo para atividades em família e, como resultado, vemos o animal mais parado. “Um cão ou gato confinado sem ter atividades é como uma criança cheia de energia em um pequeno quarto. Naturalmente, surgirão transtornos comportamentais”, completa o veterinário.

Quando o sedentarismo leva ao excesso de peso, os desdobramentos negativos na saúde só aumentam. Artrites, diabetes e dificuldades respiratórias somam-se à lista de riscos aos quais o animal está exposto, diminuindo potencialmente a expectativa de vida do pet.

Se ele adoece, o tratamento, inicialmente, é focado na patologia apresentada, como a obesidade ou a obstrução cardíaca, mas, em seguida, é importante que os donos mudem o estilo de vida do animal, estimulando os exercícios e as brincadeiras. A fisioterapia surge como uma das opções mais procuradas para os bichos que já apresentam dificuldades de locomoção. Existem ainda programas fitness em algumas clínicas para donos que não têm tempo para se exercitar com o pet.

"Uma das principais doenças que vemos em cães e gatos é o estresse relacionado ao sedentarismo e ao confinamento”
Bruno Alvarenga dos Santos, presidente da Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais (Anclivepa)

Para cães e gatos
Na hora de prevenir o sedentarismo é importante diferenciar o tratamento para cachorros e gatos. Os felinos têm hábitos noturnos e não apreciam tanto os passeios de coleira ao lado dos donos. Em geral, os que vivem em casas optam por caminhadas solitárias à noite. Os moradores de apartamento não têm a mesma liberdade e, caso não aceitem sair com os tutores, devem ser estimulados de outra forma.

Atividades com varas e fios com brinquedinhos na ponta, que façam o gato correr, pular e aticem o instinto de caça são os mais recomendados. Os gatos castrados tendem a diminuir as caminhadas e a perder o impulso de caçar. Nesses casos, a atenção do dono é ainda mais importante e ele deve insistir para que o animal se exercite.

Já os cães, mais empolgados e afeitos aos passeios, facilitam um pouco a vida dos donos. “Ele cobra que seu cuidador o leve para os exercícios. A prova disso é que quando o proprietário pega a guia e se dirige para a porta de saída da casa, o cão costuma dar pulos e correr para ser o primeiro a sair”, declara Josélio.

Alguns animais copiam os hábitos do dono e preferem ficar em casa, porém. Nessas situações, o veterinário Bruno Alvarenga alerta que é preciso mudar o próprio estilo de vida. “Pessoas sedentárias costumam ter animais semelhantes. Além de criar uma rotina de exercícios, é interessante não agradar o animal apenas com petiscos, mas também com brincadeiras de pegar e correr que estimulem o gasto de energia”, sugere.

Já no caso de animais com temperamento mais quieto ou com limitações de idade ou de saúde, as atividades físicas devem ser mais moderadas e os passeios mais curtos, nos momentos em que o sol está mais ameno. “Em Brasília, principalmente na época mais seca, deve-se evitar exercícios em horários de baixa umidade do ar”, recomenda Josélio.

O pug Bart, 11 anos, sempre foi mais quieto. Gordinho, gosta de ficar em casa e não é muito de brincar com outros cães. “Quando algum filhote ou cão mais sociável vem pular nele, se afasta devagar, não briga, mas também não gosta de bagunça”, conta, rindo, a dona dele.

A estudante de direito Amanda da Cunha Gomes, 25 anos, garante que está sempre de olho na saúde do pug, mas, mesmo com pequenos passeios diários, desde muito novo, o cão prefere ficar em repouso. “Ele sempre foi assim, não é muito ativo e acaba sendo sedentário. Hoje, já é bem velhinho, então, não forçamos”, afirma.

Bart, apesar de preguiçoso, é muito saudável. Está sempre em dia nas consultas ao veterinário e, para evitar o sobrepeso comum à raça, a família controla a dieta dele. “Quando era mais novo ele comia besteira com a gente. Adorava pão, cenoura, frutas. Mas a veterinária pediu para evitar e hoje ele faz dieta. Controlamos assim o peso dele, já que não é muito de se exercitar”, argumenta Amanda.




VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA