Droga retarda avanço do câncer de fígado

Médicos apresentam resultados da fase 3 de estudo que testa eficácia de medicamento para pacientes com tumor avançado no órgão e quando tratamento-alvo já não funciona

por Valquiria Lopes 10/08/2016 15:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
EM / D.A Press
600 mil casos novos de câncer é a estimativa para o Brasil em 2016 (previsão válida também para 2017). Desses, 180 mil são casos de câncer de pele não melanoma e 420 mil são das demais neoplasias (foto: EM / D.A Press)
Barcelona – Lutar contra o câncer é predestinação para quase 600 mil pessoas no Brasil neste ano, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca). Divididos entre diversos grupos de diferentes neoplasias, esses pacientes não só têm que vencer o estigma da doença voraz, que invade tecidos e órgãos, mas travar uma batalha em busca do tratamento mais eficiente e de melhor resposta. O problema é que, para alguns deles, como os diagnosticados com câncer de fígado, há situações em que as terapias se esgotam e os doentes precisam lidar com a fase mais crucial da doença: quando os medicamentos já não respondem mais e a vida passa a ser gerida por um relógio com contagem regressiva.

Enfrentar essa realidade não tem sido fácil para o mineiro Pedro Tavares Gontijo, de 71 anos, morador de Pitangui, na Região Central do estado. Em 2010, ele ouviu de uma médica que tinha um pequeno nódulo no fígado. Como nada foi feito para conter a doença silenciosa, há cinco meses o representante comercial recebeu o diagnóstico de câncer, com o tumor já em estágio avançado e sem possibilidade de cirurgia. Receitado com o único medicamento disponível para tratamento do carcinoma hepatocelular – como são conhecidos 80% dos casos de câncer de fígado –, o paciente não reagiu bem aos efeitos colaterais da droga. Precisou suspender a medicação e atualmente vive agarrado à luta pela vida.

“Na época do diagnóstico, o médico disse que ele teria de seis meses a um ano de vida. Já se passaram cinco. Os dias terminam e a angústia aumenta porque os especialistas dizem que não há nada que possa ser feito. Isso é doloroso para todos nós”, conta o filho de Pedro, o administrador de empresas Pedro Gontijo, de 34. Ao relatar que o pai sempre foi uma pessoa ativa e com “sede de viver”, Pedro reforça a decepção de não haver mais saída. “A medicina está tão avançada que só de pensar que nada está sendo feito nos deixa arrasados. Conversamos com o médico e, infelizmente, agora é só aguardar. É muito triste”, desabafa.

O carcinoma hepatocelular é um tipo raro de câncer. Não figura, por exemplo, na lista dos 10 tumores com maior incidência na população brasileira. O problema, como explica o oncologista clínico do Inca Cristiano Guedes Duque, é que a taxa de mortalidade da doença é alta. “De modo geral, ele tem sintomas pouco específicos e é detectado em estágios mais avançados da doença”, diz. Segundo o especialista, metade dos casos está associado à cirrose hepática, provocada pelo uso de álcool ou por decorrência das hepatites B ou C. “A taxa de mortalidade é altíssima. A sobrevida a longo prazo é difícil e o tumor é incurável se estiver em estágio avançado. A sobrevida é em torno de meses, a depender do grau da doença. Chega a seis ou oito meses, quando não é possível fazer tratamento”, afirma Guedes.

PESQUISA
Encontrar terapias com resposta positiva aos efeitos do câncer é desafio para especialistas em todo o mundo, que desenvolvem longas pesquisas, que podem durar décadas. Uma delas, apresentada no início de julho no 18º Congresso Mundial sobre o Câncer Gastrointestinal, em Barcelona, Espanha, pode significar alívio para pacientes com câncer de fígado. Em 28 de junho, foram anunciados os resultados da Fase 3 do estudo Resorce, que investiga o composto para oncologia regorafenibe em pacientes com carcinoma hepatocelular irressecável, ou seja, aquele cujos tumores não podem ser completamente removidos e estes já evoluíram durante o tratamento com comprimidos de sorafenibe, considerada a droga-alvo para este tipo de tumor.

O medicamento ainda está em fase de estudos, mas já mostrou resposta positiva no aumento da sobrevida dos pacientes analisados. A substância regorafenibe é indicada e usada para câncer colorretal em 90 países, incluindo Estados Unidos, países da União Europeia e Japão, mas ainda não está aprovada no Brasil. A droga também já é usada para tratar tumores estromais gastrointestinais em mais de 100 países, incluindo o Brasil, embora por aqui ainda esteja em fase de precificação e, portanto, não disponível.

Segundo o ensaio clínico que envolveu 573 pacientes de 21 países – no Brasil, a pesquisa teve voluntários de Salvador (BA) –, o tratamento com regorafenibe adicionado aos melhores cuidados de suporte melhoraram a sobrevida global do paciente em comparação com o grupo de controle, que recebeu placebo e melhores cuidados de suporte. A fórmula foi administrada em 379 pacientes, enquanto 194 receberam medicamentos neutros.

Atualmente, há apenas uma opção de tratamento sistêmico aprovado para pacientes com câncer de fígado, e não há opções aprovadas de tratamento de segunda linha ou para pacientes com o tumor avançado, explica o oncologista Jordi Bruix, da Unidade de Fígado do Hospital Clinic, da Universidade de Barcelona, na Espanha. Bruix é o principal investigador do estudo Resorce, que investigou sorafenibe no hepatocarcinoma. “Os dados de regorafenibe observados no estudo Resorce podem ser traduzidos em esperança adicional para os pacientes, fornecendo a médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde uma segunda opção comprovada muito necessária para o tratamento de câncer de fígado”, afirma.

Fórmula aumenta  sobrevida
Os resultados da pesquisa com uso de regorafenibe mostraram que a fórmula apresenta uma redução de 38% no risco de morte sobre o período experimental, o que significa em torno de três meses. Ou seja, enquanto a sobrevida média observada com pacientes que usaram placebo foi de 7,8 meses, aqueles que receberam regorafenibe tiveram sobrevida de 10,6 meses. “Isso significa, na prática, que o paciente, mesmo após o diagnóstico severo que pode levá-lo à morte entre seis e oito meses, tem a chance de viver quase dois anos e com melhor qualidade de vida quando segue as duas linhas de tratamento”, explica o coordenador do Serviço de Oncologia do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e diretor clínico da Clínica Personal, em Belo Horizonte, André Márcio Murad.

A oncologista clínica Aline Chaves Andrade destaca a importância do estudo sobre o uso da droga. “Essa pesquisa representa um grande avanço, porque até então não havia nenhum medicamento de segunda linha para pacientes com câncer de fígado. Essa é a grande novidade, pois aqueles que têm a doença podem vir a ter um ganho de sobrevida, com mais qualidade de vida”, afirma.

O medicamento em fase de estudo para o câncer de fígado tem efeito direto nos processos que interferem na dinâmica do crescimento do tumor e progressão da doença. A droga é uma inibidora de proteínas (as quinases), que têm como alvo vários processos – angiogênese, oncogênese e microambiente tumoral. Por ser antiangiogênico, ele evita a formação de novos vasos sanguíneos e, consequentemente, a ‘alimentação’ e aumento do tumor. Isso porque as células tumorais fazem parte de um verdadeiro tecido tumoral, sujeito a condições de vascularização, oxigenação, alterações de pressão e também de necrose tecidual.

mais tempo Durante a pesquisa, os pacientes receberam 160mg de regorafenibe uma vez por dia ou placebo, durante três semanas, e uma sem administração do remédio, com 28 dias, constituindo um ciclo de tratamento completo. O objetivo principal do estudo foi a sobrevida global, e os secundários foram tempo de progressão, sobrevida livre de progressão, taxa de resposta tumoral objetiva e taxa de controle da doença. A segurança e a tolerância também foram monitoradas continuamente e mostraram resposta positiva.

Oncologista clínico do Inca, o médico Cristiano Guedes Duque explica a importância do aumento da sobrevida em pacientes com câncer em estágio terminal. “Três meses podem fazer muita diferença para essas pessoas. Só de saber que vai haver um tratamento para combate ao tumor, ainda que paliativo, isso dá um conforto ao paciente. Pode parecer pouco, mas é muito positivo”, reforça. O médico no entanto lembra que, apesar do aumento da qualidade de vida nessa fase severa da doença, o paciente apresenta efeitos colaterais com a administração do medicamento, a exemplo de fadiga, diarreia, aftas e a síndrome mão/pé, conhecida pela descamação da pele nesses membros.

Tipos de câncer  com indicação  do uso de regorafenibe

FÍGADO


(Ainda em fase de pesquisa, princípio ativo mostrou bons resultados para pacientes com hepatocarcinoma.)
Entre os tumores originados no fígado, o mais frequente é o hepatocarcinoma ou carcinoma hepatocelular. Agressivo, ocorre em mais de 80% dos casos.
A cirrose hepática, associada ao alcoolismo, hepatite crônica e infecções de hepatites B ou C, está na origem de metade dos casos de hepatocarcinoma.

Como prevenir
• Controle da ingestão de álcool, não excedendo duas doses diárias; e vacina para hepatite B. Não há vacina para a hepatite C. Alimentação rica em fibras e com baixo teor de gorduras saturadas previne o câncer de fígado.

Sintomas
• Dor abdominal, massa abdominal e distensão
• Perda de peso inexplicada
• Perda de apetite e mal-estar
• Icterícia (tonalidade amarelada na pele e nos olhos) e ascite (acúmulo de líquido no abdômen).

Diagnóstico
• O hepatocarcinoma geralmente está avançado quando é feito o diagnóstico. O tumor pode evoluir em quatro meses. Tomografia, ressonância magnética e a laparoscopia ajudam a confirmar o diagnóstico.

GASTROINTESTINAL

(O produto é aprovado em mais de 100 países. No Brasil, é aprovado em bula, mas ainda não disponível para venda.)
Tumores estromais gastrointestinais (Gists) podem surgir em qualquer local do trato gastrointestinal, do esôfago ao ânus. O Gist se diferencia dos outros tipos de tumores por começar na parede dos órgãos,
junto às camadas musculares do trato gastrointestinal, especificamente nas chamadas células de Cajal, que integram parte do sistema nervoso autônomo, que regula processos corporais, como a digestão dos alimentos.

Sintomas
• Sangramento do trato intestinal
• Fezes escuras
• Vômitos com sangue
• Dor e inchaço no abdome
• Náuseas, vômitos, sensação de saciedade
• Perda de apetite, perda de peso, problemas de deglutição
• O tumor pode crescer, causando obstrução no estômago ou intestino

Diagnóstico
• Tumores estromais gastrointestinais são detectados em função dos sintomas ou durante a realização de exames para diagnosticar outras patologias.


CÂNCER COLORRETAL


(O princípio ativo para tratar esse tipo de câncer está aprovado em 90 países. No Brasil, ainda não tem aprovação para câncer colorretal.)
Tumores que afetam o intestino grosso (cólon) e o reto são tratáveis e, na maioria dos casos, curáveis, se detectados precocemente. Surgem a partir de pólipos, lesões benignas que podem crescer na parede interna do intestino grosso. Quando retirados, os pólipos não evoluem.

Como prevenir
• Com uma dieta rica em fibras, prática de atividade física regular, além de baixo consumo de carne vermelha. Bebidas alcoólicas e carnes processadas devem ser evitadas. Exame preventivo deve ser feito a partir dos 50 anos e com histórico familiar deste câncer ou doenças inflamatórias do intestino, como retocolite ulcerativa crônica e doença de Crohn.

Sintomas
• Mudança no hábito intestinal (diarreia ou prisão de ventre)
• Presença de sangue nas fezes
• Vontade frequente de ir ao banheiro, com sensação de que o intestino não se esvaziou após a evacuação
• Perda de peso sem razão aparente
• Cansaço, náuseas, vômitos e sensação dolorida na região anal, com esforço ineficaz para evacuar.

Diagnóstico
• Requer biópsia, por meio de aparelho introduzido pelo reto


Crescimento desordenado
Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado de células, que invadem tecidos e órgãos. Dividindo-se rapidamente, essas células tendem a ser muito agressivas e incontroláveis, determinando a formação de tumores malignos, que podem se espalhar para outras regiões do corpo. As causas de câncer são variadas, podendo ser externas ou internas ao organismo, estando inter-relacionadas. As causas externas referem-se ao meio ambiente e aos hábitos ou costumes próprios de uma sociedade. As internas são, na maioria das vezes, geneticamente preterminadas, e estão ligadas à capacidade do organismo de se defender das agressões externas. Os tumores podem ter início em diferentes tipos de células.

*A repórter viajou a convite da Bayer.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA