Prefeitura de BH limita teste para diabéticos

Justificativa é que o estoque do material está baixo em razão da falta de repasse por parte da Secretaria de Estado de Saúde

por João Henrique do Vale 08/07/2016 14:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Reprodução Internet
As fitas de glicemia são usadas por pacientes diabéticos para medir a glicose e, com o resultado, dosar a quantidade de insulina a ser aplicada (foto: Reprodução Internet)
O fornecimento de fita de glicemia para pacientes com diabetes pela Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) está temporariamente restrito a crianças até 11 anos e 11 meses de idade, gestantes e pacientes em terapia renal substitutiva, ou seja, que fazem hemodiálise ou diálise peritoneal. A decisão consta de nota técnica emitida pelo órgão, na qual alega que o estoque do material está baixo devido à falta de repasse por parte da Secretaria de Estado de Saúde (SES). Especialistas alertam que a situação pode causar complicações da doença.

As fitas de glicemia são usadas por pacientes diabéticos para medir a glicose e, com o resultado, dosar a quantidade de insulina a ser aplicada. Sem o teste, os riscos aumentam. “Se o diabético usar mais insulina que o necessário, pode ter hipoglicemia e até entrar em coma. Se não medir a glicemia, acaba não aplicando, o que eleva os riscos de complicações da doença”, afirma o presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia em Minas, Márcio Lauria.

Na nota técnica, a Secretaria Municipal informa que a nova norma já está valendo. Com isso, orienta que os demais usuários das fitas recorram às unidades de saúde para a realização da glicemia, “quando necessário”. “Esclarecemos que essa situação é temporária, e a SMSA está se esforçando para regularizar o estoque e retomar o fornecimento, por meio de articulação com a SES e/ou processo direto de compra. “Cada fita custa em torno de R$ 2 e os pacientes têm que usá-las de seis a oito vezes ao dia. Então, o custo fica muito alto. Muitos dependem do repasse da Secretaria”, comenta Márcio Lauria.

Por meio de nota, a SES informou que na primeira programação de medicamentos básicos de 2016 Belo Horizonte solicitou 3.406.400 unidades do produto, totalizando R$ 1.226.304,00, “o que correspondeu a todo o valor investido em tiras reagentes para o município no ano de 2016, sendo atendido pela SES-MG em 100% do quantitativo solicitado”. Ressaltou ainda que atendeu “a todos os municípios mineiros no quantitativo solicitado de tiras reagentes, em conformidade com a legislação vigente”. Segundo a SMSA, entretanto, o volume de tiras adquiridas é insuficiente para a demanda da capital, cujo consumo médio mensal é de aproximadamente 1 milhão de fitas.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA