Companhia de um animal traz melhoras físicas e ganhos afetivos para as pessoas com necessidades especiais

A ciência já reconhece os benefícios trazidos pela relação homem-animal

por Revista do CB 21/05/2016 10:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Arquivo Pessoal
Tainá e Nalu: uma bonita história desde o primeiro encontro (foto: Arquivo Pessoal )
Muitas vezes, não se avalia o bem que um animalzinho de estimação pode proporcionar a pessoas com necessidades especiais. Existem diversas terapias que contam com a participação de bichos, como a equoterapia, feita com cavalos. Mas há também um ganho notável com o convívio de mascotes na intimidade do lar — sobretudo em processos de recuperação de doenças ou problemas psicológicos.

Um caso que causou comoção na internet foi o de Iris Grace, 6 anos, e seu gato, Thula. Autista, ela quase não falava e pouco saía de seu mundo particular. Aos 4, porém, Iris ganhou o felino de presente dos pais e viu sua vida mudar completamente. A menina inglesa começou a interagir, conversar, sorrir... Um verdadeiro renascimento.

Hoje, a ciência já reconhece os benefícios trazidos pela relação homem-animal. Os pets promovem saúde física e emocional e, quando se trata de pessoas especiais, eles podem verdadeiramente auxiliar no desenvolvimento psicomotor e na linguagem.

Alaíse Zimmermann é mãe de Alexandre, 11 anos. Ele tem autismo e é dono do Tody, um cachorrinho da raça daschshund.

“O Alexandre gosta de atiçar o cachorro. Não pode vê-lo ali quietinho que vai brincar. Ele adora correr atrás do Tody e os dois se divertem”, conta a mãe. Mas, quando Alexandre está bravo ou leva bronca, também briga com o animal. “Muitas vezes, ele quer bater no Tody, quer descontar a raiva nele. Só que o Tody não deixa. Ele rosna como quem diz que não gostou da atitude, e o Alexandre se aquieta e sai de perto.”

Os pais de Alexandre sempre o ensinaram a dar ração e água ao cãozinho. Quando o assunto é o incentivo da fala, Alaíse afirma que houve mesmo uma melhora, ainda que discreta. “Quando o Tody está calado no canto, o Alexandre gosta de ficar mandando e desmandando nele. Ele diz: ‘Para, Tody, fica quieto’. E eu acho graça”. Mesmo com repetições ou poucas palavras, o estímulo é claro.

“Uma vez estávamos todos deitados para dormir e o Tody começou a latir. Logo falei: ‘Fica quieto, Tody!’. Alguns segundos depois, o Alexandre, que já estava deitado na cama dele, repetiu a mesma coisa”, descreve. Alaíse fala também sobre a relação de seu sobrinho, Victor Chiba, 20 anos, com sua cadelinha, que faleceu este ano. Victor tem síndrome de Down e sempre foi muito próximo da tia. Na casa dele, os cachorros sempre marcaram presença, mas viviam no quintal, pois eram de porte grande e a mãe do menino não os queriam dentro de casa.

Quando Victor tinha 9 anos, pediu à mãe um cachorro que pudesse ficar com ele o tempo todo, e assim ganhou Biba, uma poodle. “Desde o primeiro dia de Biba em casa, Victor teve todos os cuidados com ela. Sempre gostou de dar comida, água e passar o tempo todo ao seu lado. Só largava a cadela na hora de dormir”, conta a tia. A ligação dos dois era enorme. “Quando Victor estava triste, ele se trancava no quarto com a cadela e só saía quando estivesse se sentindo melhor.”

Cães são muito observadores. Prestam muita atenção nos hábitos dos donos. Quanto mais ele conhece uma família, mais terá condições de perceber quando precisam de sua presença afetivamente. Psicóloga e especialista em terapia assistida por animais, Marinez Rangel confirma a importância dos bichinhos na área de saúde. Ela relata que o cachorro tem um grande instinto que, além de ajudar nos tratamentos, também auxilia em casa. “Quando percebem que algo não está certo, eles se aproximam mais do dono, como se quisessem carinho. Alguns deles não podem ver a pessoa chorar que querem lamber as lágrimas. Tudo isso é uma forma de afeto”, conta a psicóloga.

De fato, os cães têm grande influência no comportamento das crianças especiais. Os níveis de estresse tendem a diminuir e a sociabilidade, como condutas afetivas e contato visual, a aumentar. A agressividade, tanto verbal quanto física, e o isolamento também são minimizados. Tainá tem 26 anos e é autista. A mãe, Cláudia Martiningo conta que a filha sempre gostou de cachorros e logo quando adotaram a cadela Cindy foi fácil perceber a ligação da menina com os animais. “Ela tinha só 10 anos e o encantamento foi imenso! Sempre ia brincar e fazer carinho. Ela adorava e não desgrudava.”

Quando decidiram ter a cadela da raça akita, foi pensando em uma possível melhora no desenvolvimento da filha. Cláudia procurou conhecer melhor o assunto e buscou a opinião de terceiros. Além disso, a mãe pensava que a filha era muito sozinha, pois estava sempre quietinha e não gostava de conversar. Hoje a família tem Nalu, uma golden retriever de um pouco mais de 1 ano, que é a melhor amiga de Tainá. As duas se deram muito bem desde o primeiro contato e são apaixonadas uma pela outra. “Quando ela chega em casa da escola, a primeira coisa que faz é ir lá e falar com a Nalu. Ela já começa a latir e vai correndo pegar a bolinha.” Cláudia conta também que a cadela é o refúgio de Tainá. Nos momentos em que ela está triste, a Nalu é seu primeiro destino. A menina senta-se do lado da cadela e fica conversando, contando tudo que acontece. Ela tem a cachorrinha como uma confidente.

A mãe relata a melhora da jovem. Trouxe calma e, além disso, ajudou no desenvolvimento da fala, uma vez que Tainá conversa muito com a mascote, manda pegar a bolinha e diz palavras de carinho. “Penso que cada criança especial é de uma forma, mas não custa nada tentar uma aproximação com os animais para ver como ela responde”, acrescenta Cláudia.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA