OMS e FAO voltam atrás e dizem que glifosato não provoca câncer

O glifosato é um herbicida sistêmico absorvido pelas folhas das plantas, e não por suas raízes. A substância é o principal ingrediente do Roundup, herbicida produzido pela Monsanto

por Agência Brasil 17/05/2016 08:54

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Arquivo Agência Brasil
Os agrotóxicos à base de glifosato são os mais comercializados no mundo (foto: Arquivo Agência Brasil )
A Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) anunciaram que o agrotóxico glifosato não é cancerígeno ao ser humano.

“É improvável que o uso do glifosato através da dieta seja cancerígeno para o homem”, disse a OMS em comunicado publicado ao fim de um painel de especialistas sobre resíduos de pesticidas nos alimentos e no meio ambiente.

“Os testes científicos indicam que a administração de glifosato e de produtos derivados a doses de até 2 mil miligramas por quilo, por via oral, que é a maior exposição à substância em uma dieta, não está associada a efeitos genotóxicos na maioria dos estudos conduzidos com mamíferos”, diz o texto.

O glifosato é um herbicida sistêmico absorvido pelas folhas das plantas, e não por suas raízes. A substância é o principal ingrediente do Roundup, herbicida produzido pela Monsanto. Há anos, existia a suspeita de que o glifosato tivesse efeitos nocivos sobre a saúde, como o aumento da incidência de certos tipos de câncer. Outra suspeita é de que o glifosato impeça a reprodução da flora intestinal e estimule o surgimento do autismo.

Em 2015, a própria OMS tinha reconhecido que o glifosato poderia ser “provavelmente cancerígeno.” Atualmente, os herbicidas à base de glifosato são os mais comercializados no Brasil e no mundo.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA