Cientistas desenvolvem material que rejuvenesce a pele

Denominado XPL, polímero é feito à base de silicone e pode ser aplicado em camadas finas e imperceptíveis

por Redação 10/05/2016 07:58

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Olivo Labs / Divulgação
Nos testes, o material se mostrou capaz de amenizar bolsas sob os olhos por 24 horas (foto: Olivo Labs / Divulgação)
Cientistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, do Hospital Geral de Massachusetts e da empresa Olivo Labs desenvolveram um material capaz de, temporariamente, proteger e enrijecer a pele, o que, entre outras funções, ajuda a suavizar as rugas. A estrutura, detalhada na revista Nature Materials, poderá ser usada ainda na administração de medicamentos para doenças dermatológicas.

Movida pela vontade de encontrar um mecanismo que preservasse as propriedades da pele jovem, a equipe liderada por Daniel Anderson começou, há uma década, a desenvolver uma camada protetora para a derme.

Após investigar uma centena de polímeros que pareciam ser bons candidatos, os cientistas chegaram a um feito à base de silicone e que pode ser aplicado em camadas finas e imperceptíveis, denominado apenas de XPL.

Em testes de laboratório, o material conseguiu voltar ao seu estado normal após ser esticado mais do que 250 vezes, muito mais que a pele natural, que pode ser alongada até 180 vezes. Os pesquisadores descobriram que, após aplicado, ele remodela olheiras e melhora a hidratação da derme. A utilização é feita em duas etapas: na primeira, componentes de polisiloxano são aplicados e, em seguida, misturados a um catalisador de platina que induz o polímero a formar um filme. Uma vez na pele, o XPL torna-se essencialmente invisível.

Testes comprovaram que o XPL é capaz de amenizar sacos oculares causados pela gordura subjacente à pálpebra inferior durante 24 horas. O material também preveniu a perda de água da pele ressecada. “É uma camada invisível que proporciona uma barreira, além de uma melhoria estética. Potencialmente, pode ser usada para administrar localmente uma droga para a área que está sendo tratada”, acredita Anderson. Outra possibilidade é adaptar o material para fornecer proteção contra raios ultravioleta. Não foi divulgada previsão de quando o produto deve chegar ao mercado.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA