Braço robótico é capaz de realizar sozinho cirurgias no coração e outros órgãos

Em testes com porcos, a máquina se mostrou mais eficiente que todas as técnicas atuais

por Paloma Oliveto 06/05/2016 11:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Axel Krieger / Divulgação
O Star em ação: o robô realiza a cirurgia, cabendo aos médicos monitorar e fazer pequenos ajustes necessários (foto: Axel Krieger / Divulgação )
À primeira vista, ele não é propriamente uma figura delicada. Ainda assim, é capaz de executar movimentos mais precisos que o melhor cirurgião do mundo. Nesse braço robótico, cientistas depositam a esperança de que procedimentos complexos tenham riscos mínimos, se não zero, para os pacientes. Apresentado na capa da revista Science Translational Medicine, o sistema Star — desenvolvido pelo Instituto de Inovação Cirúrgica Pediátrica Xeique Zayed, de Washington, e pelo Departamento de Ciência da Computação da Universidade Johns Hopkins, de Baltimore — é a primeira máquina a executar, sozinha, uma intervenção médica.

Há tempos a medicina trabalha com o conceito minimamente invasivo, valendo-se de técnicas endoscópicas e de outros braços robóticos, que auxiliam o cirurgião durante o procedimento. A diferença do Star (abreviação para Smart Tissue Autonomous Robot, ou Robô Autônomo de Tecidos Inteligente, em tradução livre) é que ele executa a intervenção completamente sozinho. O médico pré-programa no software o tamanho da incisão e a distância entre as suturas, por exemplo, e a máquina faz todo o resto. Ainda experimentais, as cirurgias desempenhadas pelo Star e descritas ontem foram realizadas em porcos — todos os animais sobreviveram sem complicações.

Um dos desafios ao se pensar uma cirurgia robótica autônoma, na qual os médicos não encostam a mão no paciente, é que os tecidos moles — coração, intestino, estômago, entre outros — são maleáveis. Contudo, as sofisticadas ferramentas cirúrgicas e de imagem que integram o novo sistema permitem que o médico fique ao lado do robô, ajudando-o a manipular os tecidos e adaptar os movimentos à medida em que eles deformam.

“Imagine que você precisa de uma cirurgia. Não seria crucial ter o melhor cirurgião e as melhores técnicas disponíveis para garantir o sucesso do procedimento? Para os pacientes, os benefícios de ter uma máquina que traz mais segurança são óbvios. Para os cirurgiões, ter uma ferramenta que trabalhe conosco, garantindo resultados melhores, também é um benefício tremendo. E, finalmente, para o sistema de saúde pública, quando você tem um equipamento que permite reduzir custos e complicações, é claro que isso será benéfico”, justificou, em uma coletiva de imprensa, Peter Kim, cirurgião pediátrico do Instituto Xeique Zayed e um dos autores do trabalho.

Sheikh Zayede Institute / Divulgação
"Imagine que você precisa de uma cirurgia. Não seria crucial ter o melhor cirurgião e as melhores técnicas disponíveis para garantir o sucesso do procedimento?" - Peter Kim, um dos criadores do braço robótico Star (foto: Sheikh Zayede Institute / Divulgação )
Ele explicou que o software que comanda o braço robótico mostra imagens tridimensionais e em neoinfravermelho (uma tecnologia semelhante à da visão noturna usada por militares). “Combinando as duas, somos capazes de acompanhar um movimento no tecido mole com a precisão necessária para desempenharmos uma tarefa cirúrgica.”

Kim destacou que, apesar dessas vantagens, o mais importante é a possibilidade de programar a máquina com as mais avançadas técnicas cirúrgicas disponíveis. “Acho que, quando você junta inteligência e tecnologia, você tem a autonomia. Nossa proposta não era substituir os cirurgiões. Contudo, se você tem uma ferramenta inteligente que trabalha com um cirurgião, isso vai melhorar os resultados. Nós, cirurgiões, normalmente fazemos três coisas: usamos nossa visão, nossas mãos e nossa mente. Se pudermos melhorar todas essas coisas, o resultado de nossa tarefa com certeza fica melhor”, afirmou.

Intestino
Para testar a qualidade e a precisão do Star, os cirurgiões executaram, em porcos, a anastomose intestinal, uma complexa técnica que consiste na sutura entre dois segmentos do tubo digestivo para alterar o trânsito do intestino. “Nós escolhemos a anastomose porque é um procedimento muito difícil e requer guiar uma pequena agulha acoplada na ponta de ferramentas compridas, atingindo precisamente tecidos delicados”, explicou, na entrevista coletiva, Axel Krieger, também pesquisador do Xeique Zayed.

Embora o braço robótico tenha potencial para realizar qualquer tipo de procedimento em todos os tecidos e órgãos humanos, nessa primeira fase, ele foi programado para auxiliar os cirurgiões nesse tipo de operação. Krieger afirmou que ele é capaz de desempenhar sete movimentos autônomos diferentes e possui um sensor que limita, com acurácia, a tensão da sutura, na medida exata necessária para a cicatrização do tecido. De acordo com Ryan Decker, engenheiro do instituto que ajudou a desenvolver o sistema, a anastomose intestinal foi realizada em porcos também pela técnica manual tradicional, pela laparoscopia e pelo Sistema Cirúrgico Da Vinci, de robótica assistida. “O Star foi o que saiu melhor na sutura e na conexão dos segmentos intestinais”, observou.

Peter Kim disse que a expectativa é que o Star auxilie cirurgiões em todos os tipos de procedimentos em tecidos moles. Ele esclareceu, contudo, que, antes que o sistema esteja disponível para comercialização, é preciso testá-lo em humanos. A equipe de médicos e engenheiros não anunciou, contudo, quando começarão os experimentos clínicos.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA