Está grávida e ainda não escolheu o nome do bebê? Site lançado pelo IBGE pode te ajudar

Ana e João são os nomes mais populares de Minas dos anos 2000

por Redação 27/04/2016 19:17

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Reprodução Internet  / Agência Brasil
Maria é nome mais comum do Brasil (foto: Reprodução Internet / Agência Brasil )
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) lançou, nesta quarta-feira (27/04), uma ferramenta em que é possível pesquisar os nomes mais populares do país em cada década, de 1930 até os dias de hoje. O projeto Nomes do Brasil permite ainda o refinamento da busca por sexo e por estado. Em Minas Gerais, nos anos 2000, João e Ana ocuparam o topo da lista das preferências. Já em 1930, os preferidos eram José e Maria.

O usuário ou usuária ainda pode fazer a pesquisa pelo próprio nome e descobrir o quão popular ou não ele foi em cada década e comparar com os dias de hoje. No banco de dados constam mais de 130 mil nomes diferentes. Quando se entra na ferramenta, é difícil se conter e não procurar pelo nome da mãe, do pai, dos irmãos, dos amigos e amores. Para mulheres e homens que estão à espera de um bebê e ainda não sabem como ele vai se chamar, o site pode ajudar na decisão. 

É interessante perceber também as mudanças nos padrões com o passar dos anos. Se em 1930, Manoel, Francisa e Antonia eram nomes populares; em 1990, Jéssica, Felipe e Gabriel ocuparam as primeiras posições.  De acordo com o Censo Demográfico 2010, existem cerca de 200 milhões de habitantes no país. Veja a lista dos dez nomes mais usados no Brasil:

Maria 11.734.129 pessoas
Jose 5.754.529 pessoas
Ana 3.089.858 pessoas
Joao 2.984.119 pessoas
Antonio 2.576.348 pessoas
Francisco 1.772.197 pessoas
Carlos 1.489.191 pessoas
Paulo 1.423.262 pessoas
Pedro 1.219.605 pessoas
Lucas 1.127.310 pessoas

Veja exemplos de pesquisa que são possíveis de fazer no site http://censo2010.ibge.gov.br/nomes/#/search

Clique na imagem para ampliá-la


Clique na imagem para ampliá-la


Nomes com menos de 20 ocorrências no Brasil não foram computados e o IBGE não levou em conta acentos. Ou seja, Antônio e Antonio foram contabilizados juntos e sem o acento.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA