Fumo altera DNA dos fetos

Essas alterações no genoma podem causar de malformação fetal desde lábio leporino até desenvolvimento de tumores

por Correio Braziliense 06/04/2016 11:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Iano Andrade / CB / D.A Press
Os efeitos vistos sobre o DNA dos fetos são tão prejudiciais quanto os malefícios do cigarro em adultos (foto: Iano Andrade / CB / D.A Press)
Não fumar é uma das principais recomendações feitas às gestantes. Isso não ocorre por acaso, uma vez que vários estudos apontam uma série de consequências negativas que o cigarro traz aos bebês. Porém, detalhes de como o tabaco afeta o desenvolvimento do feto ainda são pouco conhecidos, uma lacuna que começa a ser preenchida por pesquisas como a que um grupo americano publicou recentemente na revista especializada American Journal of Human Genetics.

Coordenado pelo Instituto Nacional de Ciências de Saúde Ambiental (NIEHS) dos Estados Unidos, o trabalho identificou mecanismos que levam à alteração de DNA das crianças cujas mães fumam durante a gravidez. Essas alterações no genoma podem causar de malformação fetal a sintomas comumente encontrados em adultos tabagistas. Participaram 6.685 pares de mães e recém-nascidos, divididos em três grupos: um em que as mulheres fumaram diariamente durante a maior parte da gravidez (13%), não fumantes (62%), e que fumaram ocasionalmente durante a gestação (25%).

A partir de análises do sangue retirado do cordão umbilical, os cientistas observaram uma alteração de genes chamada de metilação do DNA. As crianças cujas mães eram fumantes frequentes apresentaram 6.073 locais onde o código genético foi modificado, muitos deles relacionados ao sistema nervoso e ao pulmão, além de serem ligados ao desenvolvimento de tumores e defeitos congênitos, como o lábio leporino. “Nós já sabíamos que o tabagismo está relacionado com a fissura de lábio e palato (céu da boca), mas não sabíamos o porquê. A metilação pode estar de alguma forma envolvida nesse processo”, afirma em um comunicado Stephanie London, coautora do estudo e epidemiologista do NIEHS.

Os pesquisadores destacam que os efeitos vistos sobre o DNA dos fetos são tão prejudiciais quanto os malefícios do cigarro em adultos. “Acho que é algo surpreendente quando vemos esses sinais epigenéticos em recém-nascidos a partir de exposição no útero, que apresentam alterações nos mesmos genes causados pelo consumo de cigarros em um adulto. Essa é uma exposição transmitida pelo sangue. O feto não está respirando, mas muitos dos mesmos efeitos são passados através da placenta”, frisa London. Em uma análise separada, os cientistas também viram que várias das modificações no DNA vistas nos fetos ainda estavam evidentes em crianças mais velhas, cujas mães fumaram durante a gravidez.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA