Tatuadores de BH atendem cada vez mais pessoas arrependidas; trabalho é mais caro que original

As mudanças nos desenhos exigem destreza, estudo detalhado e muita paciência

por Sandra Kiefer 17/03/2016 10:46

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Ana Letícia Neves Pimenta já fez três tatuagens, uma em cima da outra, para descaracterizar um escorpião desenhado nas costas (Foto: Túlio Santos / EM / D.A Press)
Na contramão da onda de rabiscar o corpo por inteiro, em partes que costumavam ser antes preservadas, como pescoço, mãos e até o rosto, empolgando jogadores de futebol, avós e pais de família, surge um profissional sui generis na praça. Com o antisslogan “tattoo dói, não sai e vicia”, o tatuador Rogério Muzzi já atende 80% mais casos de arrependimentos do que propriamente encomendas de novas tatuagens, em seu estúdio na Região Sul de Belo Horizonte. “Sempre aviso que, se você não quer ter muitas tattoos, não faça a primeira. Algumas não saem, nem com laser”, alerta Muzzi, conhecido como doutor Tattoo, que se especializou em cobrir lembranças indesejáveis como o nome ou o rosto do(a) ex-namorado(a), cravados na própria pele. No lugar, ele ajusta formas geométricas, flores ou penas estilizadas.

Entre os pedidos mais comuns de cover up (cobertura), estão a correção de desenhos malfeitos, relacionamentos que viraram pó e homenagens a ídolos, que deixaram de fazer sentido com o tempo. Há casos inusitados, como o do representante comercial M., que, aos 20 anos, tatuou na perna a caricatura de um palhaço porque “achou bonito”. Passados 16 anos e muitas outras tattoos, M. ficou sabendo, pela internet, que a tatuagem ganhou outro significado. Pelo código da cadeia, presos que tatuam palhaços assumem ter matado policiais. “Melhor não arriscar”, diz ele, que, nesse ínterim, casou-se e teve uma filha de 1 ano e meio, que se tornou a maior razão da vida dele e trouxe o medo de morrer.

As mudanças nos desenhos exigem destreza, estudo detalhado e muita paciência. Segundo o doutor Tattoo, que promove cursos e workshops sobre a técnica, nem todos os tatuadores gostam ou aceitam consertar o trabalho dos colegas de profissão. “É natural a resistência dos artistas. Seria o mesmo que pintar um quadro por cima de outra tela. Além de ser mais trabalhoso, o resultado pode ficar pior do que antes. É preciso ter os macetes, caso contrário, pode dar para ver por baixo os traços do desenho antigo ou dar sombra”, compara André Matozinhos, presidente da Associação dos Tatuadores e Piecer de Minas Gerais (Atap/MG), há 18 anos na profissão.

Aos 68 anos, Maria Beatriz Souza quer retirar as iniciais do nome do primeiro namorado, que ela gravou quando ainda tinha 17 anos (Foto: Túlio Santos / EM / D.A Press)
Lá se vão mais de 50 anos de publicação do Soneto da Infidelidade e alguns casais apaixonados ainda não entenderam o recado de Vinícius de Morais. Com nove relacionamentos desfeitos, o poeta cantou a pedra de que “o amor não é imortal, posto que é chama”, na década de 1960. “Era meu sonho apagar o nome do rapaz no meu braço direito. Foi coisa de adolescente, tinha 17 para 18 anos. Fiz as iniciais do nome dele, C.O.F.F., em azulão. Clóvis começou a gravar as minhas, mas sangrou muito e ele desistiu”, conta a doméstica Maria Beatriz Miranda de Almeida Souza, de 68 anos, que engravidou do primeiro namorado em São Paulo e voltou para morar com a mãe em BH. Depois de 40 anos, já casada com outro homem e com o anterior morto, por envolvimento com tráfico de drogas, Beatriz faz questão de expurgar da carne o amor inconsequente da juventude, que nem mereceu registro na certidão de nascimento da filha. “Meu marido nunca se importou, mas me incomoda muito. Vou aguentar a dor”, conta Beatriz, sofrendo bastante na sessão de laser. “Consigo tirar qualquer tatuagem, até aquelas grandonas. Mas o cliente precisa saber que vai gastar cerca de 20 vezes para remover com laser o valor que pagou pela tattoo. Se custou R$ 500, vai desembolsar R$ 10 mil para tirar do corpo”, calcula a fisioterapeuta dermato-funcional Camila Katsuragi.

“Brinco com os clientes que consigo tampar a tatuagem na pele, mas que, tirar do coração, já é com eles”, diz o presidente da associação mineira de tatuadores. No próprio corpo, Matozinhos aprendeu a não apagar as marcas antigas, pois “cada uma tem sua história e combina com uma fase da sua vida”. Para ele, a decisão de fazer uma tatuagem não tem a ver com distinção de outras pessoas, identificação com tribos ou rebeldia: “Antigamente, quem se tatuava era visto como marginal, mas desde a década de 1980 a prática veio se popularizando com os surfistas, lembrados na canção Menino do Rio, de Caetano Veloso, com o verso dragão tatuado no braço.

Para não se arrepender, Gabriel Marinho, de 20 anos, usou henna para fazer três tatuagens provisórias e se acostumar com os desenhos (Foto: Túlio Santos / EM / D.A Press)

PROTEÇÃO

Com agenda lotada até janeiro do ano que vem, o tatuador Antônio Carlos Buzuca, de 36, desenvolve estilo um realista em seu estúdio no Bairro Funcionários, pintando rostos dos filhos que parecem estar vivos no peitoral dos pais. “Tem muita gente pegando a onda do momento e metendo bronca, fazendo coisas sem qualidade”, alerta Buzuca. “Primeiro, fiz uma tribal de escorpião nas costas, mas não gostei, porque não parecia o símbolo do meu signo. Resolvi desenhar por cima um escorpião, mas pedi para o cara economizar no tamanho. Ficou quadrado, esquisito. Tentei tirar no laser e achei que podia sair. Fiz cinco sessões e fiquei um ano sem poder tomar sol. Pesquisei bastante algo com significado e deixei o trabalho do tatuador livre, do jeito que precisa ser. Tenho três tatuagens no corpo: uma em cima da outra”, revela a servidora pública Ana Letícia Neves Pimenta, de 35, finalmente satisfeita com o desenho de seu filtro dos sonhos, que levou três horas e meia para ficar pronto e que pode ser traduzido como “proteção”.

“A galera faz muita doideira, saca? Meu pai mandou tatuar o rosto do Che Guevara nas costas. Quando caiu na real, foi tarde demais”, conta Gabriel Marinho, que se deu de presente de aniversário de 20 anos, três tatuagens provisórias de henna. A partir da experimentação, vai decidir de qual delas gostou mais. Até agora, leva vantagem o slogan da marca de roupa a ser lançada com amigos: “Não tem como”.

EM / D.A Press
Clique na imagem para ampliá-la e saiba mais (foto: EM / D.A Press)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA