UFMG busca soro contra picada de escorpião

Pesquisa envolve cientistas de Minas e estrangeiros contra veneno do aracnídeo que pode ser fatal

por Estado de Minas 05/03/2016 12:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
XARANX/DIVULGAÇÃO
Escorpiões da espécie Tityus serrulatus, bem comuns em Minas Gerais (foto: XARANX/DIVULGAÇÃO)
Com cerca de 90 mortes por ano no Brasil, Minas Gerais é o estado com a maior incidência de picadas de escorpião em todo o território, seguido por Bahia e São Paulo. No país, foram 88.277 casos contabilizados em 2014 pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), 12 mil apenas no estado mineiro. Pensando em uma forma de reduzir esses números e avançar no tratamento, um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em parceria com cientistas latino-americanos, desenvolve um projeto que visa criar um soro capaz de combater venenos de espécies distintas de escorpião.

Na América Latina, há apenas três tipos de soro disponíveis para o tratamento das picadas. Um produzido no Brasil (contra a espécie Tityus serrulatus), um na Argentina (contra Tityus trivitattus) e um na Venezuela (contra Tityus discrepans). Aqui, o soro é produzido pela Fundação Ezequiel Dias, em Belo Horizonte, Instituto Butantan (SP) e Instituto Vital Brasil (RJ). Para o professor do Departamento de Bioquímica e Imunologia do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG, Carlos Delfin Chávez Olórtegui, que coordena o projeto, o soro encontrado atualmente nos hospitais é de qualidade, mas há o que melhorar. “Podemos, com esse projeto, aumentar a eficácia e, com isso, reduzir os gastos. Os custos em produzir anticorpos em laboratórios, usando novas tecnologias, são menores do que se produzirmos usando o método tradicional”, comenta o professor.

Olórtegui explica que o objetivo do projeto, que está em fase inicial, é criar um soro único e eficiente contra o veneno das diferentes espécies existentes por toda a América Latina. “Estamos, nesta primeira fase, levantando os principais tipos de veneno que causam mais acidentes com morte em cada país. Com isso, encontraremos toxinas comuns e toxinas diferentes entre eles, que nos permitirão criar um soro eficiente para todos os tipos”, diz. Somente no Brasil, são encontradas 18 espécies de escorpião, sendo a Tityus serrulatus, o famoso escorpião-amarelo, a mais conhecida. Esse aracnídeo mede cerca de 7cm, se alimenta de insetos, sobretudo baratas, e é encontrado em áreas urbanas, abrigando-se em tijolos, entulhos, telhas e esgoto. A maior incidência do animal ocorre durante o verão.

O soro tradicional é desenvolvido com base no veneno de escorpião, que é injetado em cavalos, que, por sua vez, produzem anticorpos contra a toxina. Os anticorpos são extraídos dos animais e purificados para serem usados no tratamento humano. Esse método, além de surtir efeito apenas em poucas espécies, é demorado, caro e prejudicial aos cavalos. Com o estudo, a intenção é buscar alternativas biotecnológicas para a criação dos soros por meio da fabricação de uma molécula semelhante à produzida pelo próprio escorpião. A ideia é que essa molécula não seja tóxica e que conserve as regiões reconhecidas de anticorpos.

TOXINAS As fases da pesquisa incluem identificar as toxinas das espécies responsáveis por acidentes graves, reunir os grupos de toxinas iguais e específicas de cada uma e depois selecionar aquelas capazes de produzir uma única molécula com anticorpos que neutralizem o efeito de todos os venenos, dando origem ao novo soro.

Para a eficácia do tratamento, é importante que o paciente procure o hospital o mais rápido possível. Em Belo Horizonte, o Hospital João XXIII deve ser a primeira opção. O tratamento é feito por meio da administração intravenosa do soro nos pacientes considerados moderados ou graves, às vezes acompanhada de medicamentos antialérgicos. Os casos registrados no Brasil são divididos entre leves (80%) e moderados ou graves (20%). As crianças, devido à pequena massa corporal, constituem o grupo de maior risco. Olórtegui conta que um dos maiores problemas na eficácia do tratamento contra a picada de animais peçonhentos é a precariedade do diagnóstico, que é apenas clínico. “Se houvesse um diagnóstico laboratorial e rápido, a chance de eficácia seria maior, pois saberíamos exatamente qual antídoto usar contra a picada de cada animal”, diz.

Os sintomas da picada do escorpião aparecem nas duas primeiras horas. São eles dor intensa, formigamento, sudorese, vômitos, náuseas, cefaleia, tremores, excesso de saliva, taquicardia e pressão alta. As complicações clínicas podem desencadear insuficiência cardíaca e edema pulmonar.

O projeto intitulado “Imunoquímica de toxinas naturais: inovações biotecnológicas aplicadas ao desenvolvimento e produção de antivenenos e métodos de diagnóstico” é financiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). Conta com professores, alunos de graduação, mestrado, doutorado, pós-doutorado e iniciação científica da UFMG, além de pesquisadores de outros países da América Latina.

FASES DA PESQUISA

1– Identificar as toxinas das espécies de escorpiões da América Latina responsáveis por acidentes graves

2 – Reunir os grupos de toxinas iguais e específicas de cada espécie

3 – Selecionar aquelas capazes de produzir uma única molécula com anticorpos que neutralize o efeito de todos os venenos, dando origem ao novo soro.

Grupo da USP testa anti-inflamatórios para evitar complicações de picada
U
m estudo publicado recentemente por pesquisadores brasileiros na revista científica Nature Communications sugere que as complicações cardíacas e pulmonares que resultam em um quadro de insuficiência respiratória em vítimas do escorpião-amarelo (Tityus serrulatus) – que atinge cerca de 1,2 milhão de pessoas no mundo, sendo que, dessas, 3 mil morrem – podem ser minimizadas com a rápida administração de medicamentos anti-inflamatórios encontrados em qualquer farmácia, como a indometacina e o celecoxibe. O trabalho, desenvolvido com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), ocorreu durante o pós-doutorado da pesquisadora Karina Furlani Zoccal.

RIBEIRAO.USP.BR/REPRODUÇÃO DA INTERNET
A pesquisadora Karina Zoccal; a professora da USP- Ribeirão Preto, Lúcia Helena Faccioli; e o pesquisador Carlos Sorgi: estudo para comprovar eficácia de remédios encontrados em farmácias contra o veneno letal (foto: RIBEIRAO.USP.BR/REPRODUÇÃO DA INTERNET)
Segundo a pesquisadora Lúcia Helena Faccioli, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FCFRP–USP), os experimentos foram feitos com camundongos e indicaram que há grandes chances de que os resultados possam ser replicados em humanos. De acordo com ela, as bases moleculares – os mediadores envolvidos na reação inflamatória pulmonar – são iguais nesse caso. “Se isso se confirmar, será uma ferramenta importante no pronto atendimento das vítimas e certamente vai diminuir a mortalidade”, avaliou a pesquisadora em entrevista à Agência Fapesp.

Conforme explicou a pesquisadora, sempre que alguém é picado pelo T. serrulatus, ocorre uma reação inflamatória local que causa fortes dores, mas não leva à morte. Em alguns casos, porém, também é desencadeada uma reação inflamatória sistêmica, que pode resultar em edema pulmonar (acúmulo de líquido no pulmão) e prejudicar a respiração. Em trabalhos anteriores, o grupo coordenado por Lúcia Helena já havia mostrado por meio de experimentos com camundongos que a peçonha do escorpião-amarelo era reconhecida por receptores celulares do tipo Toll, que fazem parte do sistema imune inato. Também havia constatado que isso induzia à produção de um mediador inflamatório chamado interleucina-1 beta (IL-1), além de mediadores lipídicos conhecidos como prostaglandina E2 (PGE2) e leucotrienos B4 (LTB4).

Os cientistas fizeram testes in vitro com macrófagos selvagens (sem genes modificados) de camundongos e, depois, partiram para os testes in vivo, com camundongos geneticamente modificados, buscando observar como iam se comportar esses mediadores na reação inflamatória ao inocular a peçonha do T.serrulatus nos animais. Ao analisar o tecido pulmonar dos camundongos geneticamente modificados que sobreviveram às doses letais de veneno, os cientistas notaram que eles produziam menor quantidade de PGE2 e de LTB4 quando comparados aos camundongos “selvagens”.

PAPEL NA INFLAMAÇÃO
O grupo então decidiu investigar o papel desses dois mediadores na reação inflamatória e, para surpresa de todos os envolvidos no trabalho, descobriram que o LTB4 – até então descrito como uma molécula pró-inflamatória – tinha, na verdade, a função de proteger o tecido da inflamação. “Fizemos o experimento com animais geneticamente modificados para não produzir a enzima que participa da produção do LTB4. Achávamos que certamente eles sobreviveriam a uma dose letal do veneno, pois não tinham um dos componentes da resposta inflamatória. Mas, na verdade, observamos que eles morriam bem mais rápido que os camundongos selvagens e tinham uma inflamação pulmonar exagerada, com muita produção de IL-1 e PGE2”, contou a pesquisadora à Agência Fapesp.

Em seguida, o grupo tratou animais “selvagens” inoculados com doses letais de veneno com indometacina – uma droga inibidora da síntese de prostaglandinas (inclusive a PGE2). Todos sobreviveram. Por meio de estudos in vitro, o grupo descobriu que a PGE2 aumenta a produção de uma molécula chamada monofosfato cíclico de adenosina (cAMP), que, por sua vez, leva a um aumento de IL-1 e potencializa a inflamação. Já o LTB4 diminui a produção de cAMP e, consequentemente, de IL-1.

“Se conseguirmos mostrar que em humanos o edema pulmonar também é mediado por PGE2 e IL-1, o impacto para a população será grande. As vítimas poderão ser tratadas com medicamentos disponíveis em qualquer farmácia enquanto aguardam a chegada do soro antiescorpiônico”, disse a professora. Em parceria com a Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, o grupo pretende dosar alguns mediadores envolvidos na reação inflamatória pulmonar no soro de pacientes picados pelo escorpião-amarelo.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA