60% dos casos de surdez em crianças são evitáveis, diz OMS

Atitudes preventivas e a detecção precoce de problemas auditivos preservariam essa habilidade em meninos e meninas

por Correio Braziliense 02/03/2016 11:24

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
SXC.hu
40% dos casos de surdez têm origem genéticas, os outros 60% são evitáveis (foto: SXC.hu)
A surdez incapacitante acomete 32 milhões de crianças no planeta. Dessas, 19,2 milhões, ou 60%, poderiam ouvir com perfeição, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Em relatório divulgado nesta segunda-feira (01/03), a agência das Nações Unidas reforçou que atitudes preventivas e a detecção precoce de problemas auditivos preservariam essa habilidade em meninos e meninas e, consequentemente, evitariam comprometimentos com impacto por toda a vida.

“Uma criança que se esforça para ouvir pode também lutar para aprender a falar, ter baixo rendimento na escola e acabar socialmente isolada”, diz Etienne Krug, diretor do Departamento para a Gestão das Doenças Não Transmissíveis, Deficiente Físico, Violência e Prevenção de Lesões da OMS. “Mas isso não tem que acontecer. Temos uma gama de ferramentas para ajudar a prevenir, detectar e tratar a perda auditiva em crianças”, reforçou.

Vacinar os pequenos, adotar bons programas de saúde para mães e filhos e regular a ingestão de medicamentos são alguns dos cuidados indicados. Segundo a OMS, 40% dos casos de surdez têm origem genéticas. Portanto, não evitáveis. Os 60% restantes dividem-se da seguinte forma: 31% ocorrem por infecções, como sarampo, caxumba, rubéola e meningite; 17% por complicações no parto, incluindo prematuridade, baixo peso ao nascer e icterícia neonatal; 4% são resultado da ingestão, por gestantes e recém-nascidos, de medicamentos prejudiciais à audição; e 8% devem-se à má-formação não congênita.

“É certo que 40% são irreversíveis, mas a detecção e a intervenção antecipadas são essenciais para melhorar o desenvolvimento pessoal e social da criança”, reforçou Alarcos Cieza, coordenadora do Departamento de Deficiência e Reabilitação da OMS. A agência também reforçou, no relatório, que as escolas devem adotar programas de triagem auditiva para alunos em idade pré-escolar e que a opinião pública precisa ser “sensibilizada” sobre a importância dos cuidados com a audição, medida “estratégica para reduzir a perda auditiva e o estigma associado em torno do uso de próteses auditivas”.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA