Casos confirmados de microcefalia e outras alterações nervosas cresceram 14% no Brasil desde a última semana

Boletim epidemiológico divulgado nesta terça-feira pelo Ministério da Saúde aponta 950 notificações descartadas. Casos em investigação já somam 4170

por Estado de Minas 23/02/2016 18:43

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Joao Carlos Lacerda/Divulgacao FAV
Mutirao na Fundacao Altino Ventura, em Recife, avalia saude ocular de criancas com microcefalia (foto: Joao Carlos Lacerda/Divulgacao FAV )
Os casos de microcefalia em investigação já chegam a 4.107 em todo o país. Os números são do Informe Epidemiológico de Microcefaliadivulgado nesta terça-feira pelo Ministério da Saúde. O boletim aponta, ainda, que 950 notificações já foram descartadas e 583 estão confirmadas para microcefalia e outras alterações do sistema nervoso, sugestivos de infecção congênita. Os 583 casos confirmados ocorreram em 235 municípios, localizados em 16 unidades da federação: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Rondônia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Goiás, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Já os 950 casos foram descartados por apresentarem exames normais, ou apresentarem microcefalias e/ou alterações no sistema nervoso central por causas não infeciosas.

O Ministério da Saúde afirma estar investigando todos os casos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso central informados pelos estados e sua possível relação com o vírus Zika e outras infecções congênitas. Isso porque a microcefalia pode ter como causa diversos agentes infecciosos além do Zika, como Sífilis, Toxoplasmose, Rubéola, Citomegalovírus e Herpes Viral. Os 4.107 casos em investigação representam 72,8% do total acumulado de 5.640 casos notificados desde o início das investigações, em 22 de outubro de 2015 até 20 de fevereiro de 2016. O total notificado está distribuído em 1.101 municípios de 25 unidades da federação. Amapá e Amazonas são os únicos estados da federação que não tem nenhum registro de casos.

MORTES Ao todo, já foram notificados 120 óbitos por microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central após o parto (natimorto) ou durante a gestação (abortamento ou natimorto). Desses, 30 foram confirmados para microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central. Outros 80 continuam em investigação e 10 já foram descartados. Do total de confirmados, 67 foram notificados por critério laboratorial específico para o vírus Zika. No entanto, o Ministério da Saúde ressalta que esse dado não representa, adequadamente, a totalidade do número de casos relacionados ao vírus. A pasta considera que houve infecção pelo Zika na maior parte das mães que tiveram bebês, cujo diagnóstico final foi de microcefalia.

Até o momento, estão com circulação autóctone do vírus Zika 22 unidades da federação. São elas: Goiás, Minas Gerais, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Roraima, Amazonas, Pará, Rondônia, Mato Grosso, Tocantins, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná. Também houve a confirmação de transmissão do vírus em 29 países nas Américas.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA