Cientistas criam almôndega de laboratório e falam em 'plantação' de carne no futuro

'Cultivo' demora de nove a 21 dias e o custo é alto: por volta de US$ 36 mil por quilo de carne

por Marianna Holanda 04/02/2016 13:45

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Reprodução Internet
(foto: Reprodução Internet )
Matando o desejo de comer uma carne e a culpa depois de ver vídeos de animais torturados, uma empresa norte-americana surgiu com a primeira almôndega criada em laboratório. “Nós da Memphis Meats estivemos desenvolvendo tecnologia de ponta que nos permitisse cultivar células animais, de forma que possamos ‘plantar’ carne de verdade sem animais”, explica a empresa, em anúncio feito na segunda-feira (01/02).

Em vídeo publicado na internet, o executivo da companhia explica o processo da carne e prevê: “Esse é absolutamente o futuro. Carne cultivada substituirá completamente o status quo e tornará impensável criar animais apenas para comê-los”. A empresa também promete uma carne com menos calorias.



O processo de produção começa ao isolar células bovinas e suínas que tem a habilidade de se regenerarem, e depois garantir que elas recebam oxigênio, açúcares e minerais. Aos poucos, elas vão se transformando em músculo esquelético nos biorreatores e podem ser cultivadas de nove a 21 dias. Segundo o vídeo, o processo emite 90% menos gases do efeito estufa que abatedouros.

Apesar do entusiasmo acerca da carne in vitro, a previsão é que só devem chegar às prateleiras dos consumidores nos Estados Unidos entre três ou quatro anos. O maior problema é o custo da produção, US$ 36 mil por aproximadamente um quilo de carne. Outro obstáculo é que ela ainda precisa ser aprovada pela Food and Drug Administration (FDA), o órgão que regulamenta alimentos e remédios no país.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA