Anvisa registra três novos testes para detectar zika, um deles meses após a infecção

Brasil só tinha disponível o exame RT PCR que verifica o genoma do vírus. No entanto, ele só era eficaz durante o quadro de infecção, ou seja, enquanto a pessoa apresentava os sintomas da febre zika

por Redação 03/02/2016 11:11

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
AFP PHOTO / Marvin RECINOS
Com essa aprovação dos novos testes, a expectativa é de que aumenta a capacidade de diagnóstico de zika no país. Doença é transmitida pelo Aedes Aegypti (foto: AFP PHOTO / Marvin RECINOS )
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concluiu a análise técnica de três produtos comerciais para diagnóstico do vírus Zika, um deles é capaz de detectar anticorpos do zika meses depois da infecção. A partir de agora, com o registro da Anvisa, esses testes poderão ser comercializados.

Dois produtos utilizam metodologia de imunofluorescência para detecção de anticorpos (IgG e IgM) relacionados aos vírus da Zika, da Chikungunya e da Dengue (subtipos 1, 2, 3 e 4) em um único procedimento de teste de forma combinada.

O IgG indica se houve infecção mais antiga pelo Zika vírus. Já o IgM, detecta o vírus na fase aguda da doença.

O terceiro produto utiliza a metodologia de reação em cadeia da polimerase (PCR) para determinação da presença do vírus na amostra biológica em estudo.

Antes, o Brasil só tinha disponível o exame RT PCR que verifica o genoma do vírus. No entanto, ele só era eficaz durante o quadro de infecção, ou seja, enquanto a pessoa apresentava os sintomas da febre zika.

Com essa aprovação dos novos testes, a expectativa é de que aumente a capacidade de diagnóstico de zika no país. Um dos impasses para confirmar a relação da microcefalia com a infecção por zika vírus era justamente a de não ter um teste que detectasse o vírus depois da infecção.  

Leia também: Teste rápido para identificação do zika vírus custa até R$ 898 em BH

Ainda segundo a agência, foram concluídas também as análises de outros dois produtos para determinar a presença dos vírus da febre chikungunya e da dengue pela mesma metodologia de reação em cadeia da polimerase.

As medidas foram publicadas nesta terça-feita (03/02) no Diário Oficial da União.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA