Adolescente americano fratura crânio ao participar do 'desafio da fita adesiva'

Skylar Fish ficou cego do olho esquerdo ao participar da brincadeira

por Correio Braziliense 29/01/2016 10:24

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.


O que seria uma brincadeira entre amigos tem provocado acidentes e deixado jovens à beira da morte nos Estados Unidos. O duct tape challenge (desafio da fita adesiva) é um jogo em que uma pessoa fica amarrada, sentada ou em pé, com este tipo de faixa (assista acima). Mas, ao tentar se desvencilhar — enquanto colegas filmam —, os adolescentes acabam caindo e se machucando.

Reprodução Daily Mail
Skylar Fish sofreu fraturas no crânio e ficou cego do olho esquerdo ao participar do desafio (foto: Reprodução Daily Mail )
O caso mais grave ocorreu com um jovem de 14 anos, em Washington, nos Estados Unidos, no último dia 16. Ao participar da brincadeira com dois amigos, Skylar Fish caiu e bateu a cabeça no chão, o que causou uma rachadura no crânio. Antes disso, ele atingiu o olho esquerdo em uma janela e um muro de concreto e esmagou a cavidade ocular e, por isso, ficou cego.

Skylar precisou de 48 pontos para se recuperar da fratura no crânio. A mãe do adolescente, Sarah Fish, contou à rede de televisão americana KCPQ que, se um amigo do filho não o tivesse resgatado imediatamente, Skylar estaria morto.

Sarah criou uma página de financiamento coletivo na internet, intitulada Skylar's Recovery Challenge Fund (Desafio de dinheiro para a recuperação do Skylar) para custear o tratamento do filho. Ela espera arrecadar 5 mil dólares (R$ 20,2 mil). Até a noite desta quarta-feira (27/1) o site havia angariado 976 dólares (cerca de R$ 4 mil).

A mãe de Skylar faz um alerta aos jovens e adultos: “Quero que as pessoas parem e pensem que há tantos riscos em qualquer um desses desafios”, advertiu Sarah à KIRO-TV. “Eles são perigosos”. Vídeos do desafio da fita adesiva têm se espalhado pela internet e neles as quedas e machucados são frequentes.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA